Jeremias

  • O chamado e a primeira visão de Jeremias

  • 1Palavras de Jeremias, filho de Hilquias, um dos sacerdotes que estavam em Anatote, na terra de Benjamim.
  • 2"A ele veio a palavra do SENHOR nos dias de Josias, filho de Amom, rei de Judá, no décimo terceiro ano do seu reinado;"
  • 3e lhe veio também nos dias de Jeoa¬quim, filho de Josias, rei de Judá, até o fim do décimo primeiro ano de Zedequias, filho de Josias, rei de Judá, até que Jerusalém foi levada em cativeiro no quinto mês.
  • 4A palavra do SENHOR veio a mim:
  • 5Antes que eu te formasse no ventre te conheci, e antes que nascesses te consagrei e te designei como profeta às nações.
  • 6Então eu disse: Ah, SENHOR Deus! Eu não sei falar, pois sou apenas um menino.
  • 7"Mas o SENHOR me respondeu: Não digas: Sou apenas um menino; porque irás a todos a quem eu te enviar e falarás tudo quanto eu te ordenar."
  • 8Não temas diante deles, pois estou contigo para te livrar, declara o SENHOR.
  • 9Então o SENHOR estendeu a mão, tocou-me a boca e me disse: Ponho as minhas palavras na tua boca.
  • 10Olha, no dia de hoje te estabeleço sobre as nações e sobre os reinos, para arrancares e derrubares, para destruíres e demolires, e também para edificares e plantares.
  • 11E a palavra do SENHOR veio a mim: Jeremias, que estás vendo? E respondi: Estou vendo um ramo de amendoeira.
  • 12Então o SENHOR me disse: Viste bem, porque estou atento* para que a minha palavra se cumpra.
  • 13Veio a mim a palavra do SENHOR pela segunda vez: Que estás vendo? E respondi: Estou vendo uma panela fervente, que se inclina do norte para cá.
  • 14Ao que me disse o SENHOR: Do norte se derramará uma catástrofe sobre todos os habitantes da terra.
  • 15"Pois estou convocando todas as tribos dos reinos do norte, diz o SENHOR; cada um virá e colocará o seu trono nas portas de entrada de Jerusalém; e virão contra todos os seus muros em redor e contra todas as cidades de Judá."
  • 16E pronunciarei contra eles os meus juízos por causa de todas as suas maldades, pois me abandonaram, queimaram incenso a outros deuses e adoraram as obras das suas mãos.
  • 17Prepara-te, levanta-te e dize-lhes tudo quanto eu te ordenar. Não te apavores por causa deles, para que eu não faça com que te apavores na presença deles.
  • 18Hoje te ponho como cidade fortificada e como coluna de ferro e muros de bronze contra toda a terra, contra os reis de Judá, contra os seus príncipes, contra os seus sacerdotes e contra o povo da terra.
  • 19Eles lutarão contra ti, mas não te vencerão, porque eu estou contigo para te livrar, diz o SENHOR.
  • Jeremias é enviado para repreender Jerusalém

  • 1A palavra do SENHOR veio a mim:
  • 2Vai e clama aos ouvidos de Jerusalém: Assim diz o SENHOR: Lembro-me de ti, da tua fidelidade na juventude, do teu amor como noiva, de como me seguiste no deserto, numa terra não semeada.
  • 3"Então Israel era santo para o SENHOR, primícias da sua colheita; todos os que o devoravam eram tidos como culpados; a catástrofe vinha sobre eles, diz o SENHOR."
  • 4Ouvi a palavra do SENHOR, ó casa de Jacó, todas as famílias da casa de Israel.
  • 5Assim diz o SENHOR: Que delito vossos pais acharam em mim, para que me deixassem? Eles foram atrás de coisas inúteis e tornaram-se inúteis.
  • 6Não perguntaram: Onde está o SENHOR, que nos fez subir da terra do Egito, que nos guiou através do deserto por uma terra árida e cheia de covas, por uma terra seca e de trevas, por uma terra onde ninguém passava, nem morava?
  • 7Eu vos guiei a uma terra fértil, para comerdes de seus frutos excelentes. Mas entrastes e contaminastes a minha terra, e da minha herança fizestes algo abominável.
  • 8"Os sacerdotes não perguntaram: Onde está o SENHOR? Os doutores da lei não me conheceram; os governantes se rebelaram contra mim, e os profetas profetizaram em nome de Baal, indo atrás de ídolos imprestáveis."
  • 9Portanto, de novo trarei acusações contra vós, diz o SENHOR, e trarei acusações até mesmo contra os vossos netos.
  • 10"Ide às ilhas de Quitim* e vede; enviai emissários a Quedar e atentai bem; vede se jamais sucedeu coisa semelhante."
  • 11Por acaso houve alguma nação que tenha trocado os seus deuses, embora nem fossem deuses? Mas o meu povo trocou a sua glória por aquilo que é imprestável.
  • 12Espantai-vos disso, ó céus, e horrorizai-vos! Ficai verdadeiramente desolados, diz o SENHOR.
  • 13Porque o meu povo cometeu dois delitos: eles me abandonaram, a fonte de águas vivas, e cavaram para si cisternas, cisternas furadas, que não retêm água.
  • 14Por acaso Israel é um escravo? É ele um escravo nascido em casa? Então, por que se tornou presa?
  • 15"Os leões rugiram e urraram contra ele. Fizeram da terra dele uma desolação; queimaram suas cidades, e ninguém habita nelas."
  • 16Até mesmo os filhos de Mênfis e de Tafnes rasparam* o alto de tua cabeça.
  • 17Por acaso não foste tu que fizeste isso a ti mesmo ao abandonares* o SENHOR, teu Deus, quando ele te guiava pelo caminho?
  • 18Agora, que interesse tens em ir ao Egito, para beberes as águas do Nilo? E que interesse tens em ir à Assíria, para beberes as águas do Eufrates?*
  • 19O teu delito te castigará, e a tua rebelião te repreenderá. Sabe e vê, que má e amarga coisa é teres abandonado o SENHOR, teu Deus, e não teres temor de mim, diz o Senhor, o SENHOR dos Exércitos.
  • 20Já há muito quebrei o teu jugo, rompi as tuas cordas, e disseste: Não servirei! Contudo, em todo monte elevado e debaixo de toda árvore frondosa te deitaste, prostituindo-te.
  • 21Eu mesmo te plantei como videira escolhida, uma semente inteiramente genuína. Como te tornaste contra mim em ramos degenerados de uma videira não cultivada?
  • 22Ainda que te laves com soda, e uses muito sabão, a mancha da tua maldade permanece diante de mim, diz o SENHOR Deus.
  • 23Como podes dizer: Não me contaminei nem corri atrás dos baalins? Vê as tuas pegadas no vale, reconhece os teus atos. És uma dromedária nova e ligeira, que anda desviando os seus caminhos,
  • 24"uma jumenta selvagem acostumada ao deserto e que fareja o vento no auge do cio; quem lhe pode impedir o desejo? Os que a procuram nem precisam se cansar, pois a acharão no mês do seu cio."
  • 25Evita que o teu pé ande descalço e que a tua garganta tenha sede. Mas tu dizes: Não há esperança, porque tenho amado deuses estrangeiros e continuarei indo atrás deles.
  • 26"Assim como o ladrão fica envergonhado quando é flagrado, assim se envergonhará a casa de Israel; eles, seus reis, seus príncipes, seus sacerdotes e seus profetas."
  • 27"Eles dizem à madeira: Tu és meu pai; e à pedra: Tu me geraste. Eles me viraram as costas e não o rosto, mas no tempo de aflição me dirão: Levanta-te e salva-nos."
  • 28Mas onde estão os teus deuses que fizeste para ti? Que se levantem e te salvem no tempo da tua aflição, porque os teus deuses, ó Judá, são tão numerosos como as tuas cidades.
  • A autoconfiança do povo é inútil

  • 29Por que entrais em discórdia comigo? Todos vos rebelastes contra mim, diz o SENHOR.
  • 30"Em vão castiguei vossos filhos; eles não aceitaram a correção. Vossa espada devorou vossos profetas como um leão destruidor."
  • 31"Vós que sois desta geração, considerai a palavra do SENHOR: Por acaso tenho sido um deserto para Israel? Uma terra de densa escuridão? Por que o meu povo diz: Não mais nos sujeitaremos; não retornaremos mais a ti?"
  • 32Por acaso a jovem se esquece dos seus enfeites, ou a noiva, dos seus adereços? Todavia, o meu povo se esqueceu de mim por dias sem fim.
  • 33Como te esforças para buscar o amor! Ensinaste os teus caminhos até às mulheres perdidas.
  • 34Até na barra das tuas roupas se achou o sangue dos pobres inocentes, e tu não os flagrastes arrombando casas. Mas, apesar de todas essas coisas,
  • 35"ainda dizes: Sou inocente; certamente a sua ira se desviou de mim. Eu entrarei em juízo contigo, porque dizes: Não pequei."
  • 36Por que te desvias tanto, mudando o teu caminho? Ficarás decepcionada com o Egito, assim como te decepcionaste com a Assíria.
  • 37Com as mãos na cabeça deixarás aquele lugar também, porque o SENHOR rejeitou aqueles em quem confias, e não prosperarás com eles.
  • A infidelidade do povo

  • 1Eles dizem: Se um homem rejeitar sua mulher, e ela se separar dele e se ajuntar a outro homem, por acaso ele voltará para ela? Aquela terra não ficaria inteiramente contaminada? Tu te prostituíste com muitos amantes, mas, ainda assim, volta para mim, diz o SENHOR.
  • 2Levanta os teus olhos para os lugares altos e vê: Onde não te deitaste? Nos caminhos te assentavas, esperando-os, como o beduíno no deserto. Manchaste a terra com a tua prostituição e com a tua maldade.
  • 3Por isso, as chuvas fortes foram retidas, e a chuva de primavera não veio. Mas tens o semblante de uma prostituta e não sentes vergonha.
  • 4Não me invocaste há pouco, dizendo: Meu pai, tu és amigo achegado da minha juventude!
  • 5Reterás para sempre a tua ira, ou guardarás para sempre a tua indignação? Falaste assim, mas tens cometido todo o mal possível.
  • Israel e Judá são exortados ao arrependimento

  • 6Disse-me ainda o SENHOR nos dias do rei Josias: Viste o que fez Israel, a rebelde? Ela se dirigiu a todo monte alto e prostituiu-se debaixo de toda árvore frondosa.
  • 7E eu disse: Depois de fazer tudo isso voltará para mim, mas ela não voltou. E Judá, sua irmã infiel, viu isso.
  • 8Ela viu que, por causa de tudo isso, porque a rebelde Israel cometeu adultério, eu a mandei embora e lhe dei sua carta de divórcio. Porém sua irmã, a infiel Judá, não temeu e também se entregou à prostituição.
  • 9E pela leviandade da sua prostituição contaminou a terra, porque adulterou com ídolos de pedra e de madeira.
  • 10Contudo, apesar de tudo isso, Judá, sua irmã infiel, não voltou para mim de todo o coração, mas com fingimento, diz o SENHOR.
  • 11E o SENHOR me disse: A rebelde Is¬rael mostrou-se mais justa do que a infiel Judá.
  • 12Vai e proclama estas palavras para a região do norte: Volta, ó rebelde Israel, diz o SENHOR. Não te tratarei com ira, porque sou fiel, diz o SENHOR, e não guardarei para sempre o rancor.
  • 13Apenas reconhece que foste rebelde contra o SENHOR, teu Deus, e que te prostituíste com deuses estrangeiros debaixo de toda árvore frondosa e não deste ouvidos à minha voz, diz o SENHOR.
  • 14Voltai, ó filhos rebeldes, diz o SENHOR, pois sou como o vosso mestre.* Tomarei um de cada cidade e dois de cada família, e vos levarei a Sião,
  • 15e vos darei pastores segundo o meu coração, que vos guiarão com conhecimento e discernimento.
  • 16E, naqueles dias, quando vos tiverdes multiplicado e frutificado na terra, diz o SENHOR, nunca mais se dirá: A arca da aliança do SENHOR! Ela não mais lhes virá ao pensamento, nem dela se lembrarão, nem a visitarão, nem se fará outra.
  • 17Naquele tempo chamarão a Jerusalém o trono do SENHOR, e todas as nações nela se reunirão por causa do nome do SENHOR. Não mais andarão conforme a teimosia do seu coração maligno.
  • 18Naqueles dias, a casa de Judá andará com a casa de Israel, e virão juntas da terra do norte para a terra que dei como herança a vossos pais.
  • Israel é chamado ao arrependimento

  • 19Pensei como te incluiria entre os filhos e te daria a terra desejável, a mais bela herança das nações. Também pensei que me chamarias de meu Pai e que não te afastarias de mim.
  • 20Mas, assim como a mulher que trai o marido, tu me tens traído, ó casa de Israel, diz o SENHOR.
  • 21"Nos lugares altos se ouve uma voz; são as súplicas e o choro dos israelitas, pois perverteram o seu caminho e se esqueceram do SENHOR, seu Deus."
  • 22Voltai, ó filhos rebeldes, e curarei a vossa rebeldia. Eles responderam: Aqui estamos, voltamos a ti, porque tu és o SENHOR, nosso Deus.
  • 23"Certamente a idolatria nas colinas e a agitação nos montes são falsidade; o SENHOR, nosso Deus, é a salvação de Israel."
  • 24Mas desde a nossa juventude, Baal, a coisa vergonhosa, tem devorado o trabalho de nossos pais, suas ovelhas e seu gado, seus filhos e suas filhas.
  • 25Deitemo-nos em nossa vergonha, e cubra-nos a nossa confusão, pois temos pecado contra o SENHOR, nosso Deus, nós e nossos pais, desde a nossa juventude até o dia de hoje, e desobedecemos à voz do SENHOR, nosso Deus.
  • 1Se voltares, ó Israel, diz o SENHOR, volta para mim. Se tirares os teus ídolos abomináveis de diante de mim, e não andares mais vagueando,
  • 2e se em verdade, em justiça e em retidão jurares: Tão certo como vive o SENHOR, então nele as nações serão abençoadas e nele exultarão.
  • Judá é ameaçada de invasão

  • 3Porque assim diz o SENHOR aos homens de Judá e de Jerusalém: Lavrai o vosso campo novo e não semeeis entre espinhos.
  • 4Circuncidai-vos ao SENHOR e circuncidai o coração, ó homens de Judá e moradores de Jerusalém, para que a minha ira não sobrevenha como fogo e arda, sem que ninguém o possa apagar, por causa da maldade dos vossos atos.
  • 5Anunciai em Judá, publicai em Jerusalém e dizei: Tocai a trombeta na terra, gritai em alta voz: Reuni-vos! Entremos nas cidades fortificadas.
  • 6"Levantai o sinal: Para Sião! Buscai refúgio, não demoreis; porque trago do norte uma calamidade, uma grande destruição."
  • 7Um leão subiu da sua toca, um destruidor de nações. Ele já partiu, saiu do seu lugar para arruinar a tua terra, para que as tuas cidades sejam destruídas e ninguém habite nelas.
  • 8Por isso, vesti-vos de pano de saco, lamentai e chorai, porque o fogo da ira do SENHOR não se desviou de nós.
  • 9"Naquele dia, diz o SENHOR, fraquejará o coração do rei e dos seus oficiais; os sacerdotes ficarão aterrorizados, e os profetas, perturbados."
  • 10"Então eu disse: Ah, SENHOR Deus, tu enganaste inteiramente este povo e Jerusalém, dizendo: Tereis paz; entretanto a espada já nos fere a garganta."
  • 11Naquele tempo se dirá a este povo e a Jerusalém: Um vento abrasador, vindo das dunas do deserto, sopra na direção da filha do meu povo, não para peneirar nem para limpar.
  • 12Um vento mais forte que este virá da minha parte. Agora eu mesmo pronunciarei juízos contra eles.
  • 13Vem subindo como nuvens, as suas carruagens são como o redemoinho, os seus cavalos são mais ligeiros do que as águias. Ai de nós! Estamos arruinados!
  • 14Limpa da maldade o teu coração, ó Jerusalém, para que sejas salva. Até quando abrigarás em ti planos malignos?
  • 15Porque uma voz anuncia desde Dã e proclama a desgraça desde os montes de Efraim.
  • 16"Anunciai isto às nações, proclamai contra Jerusalém: Inimigos vêm de uma terra remota; eles lançam seu grito contra as cidades de Judá."
  • 17Eles a cercam como guardas que protegem um campo, porque ela se rebelou contra mim, diz o SENHOR.
  • 18O teu procedimento e os teus atos te trouxeram essas coisas. Tão amarga é esta tua desgraça,* que fere até o coração.
  • Lamentação por Judá

  • 19Ah, minha aflição, minha aflição! Eu me contorço em dores! Ó paredes do meu coração! O meu coração se agita. Não posso calar-me, pois tu, ó minha alma, ouviste o som da trombeta e o tumulto da guerra.
  • 20Um desastre sobre outro se anuncia, porque toda a terra já está arrasada. De repente foram destruídas as minhas tendas, e num instante, as minhas lonas.
  • 21Até quando verei a bandeira e ouvirei o som da trombeta?
  • 22De fato, o meu povo é insensato, já não me conhece. São filhos tolos, sem entendimento. São espertos para fazer o mal, mas não sabem fazer o bem.
  • 23"Olhei para a terra, e ela era sem forma e vazia; também para o céu, e não tinha a sua luz."
  • 24"Olhei para os montes, e eles estavam tremendo; todas as colinas estremeciam."
  • 25Olhei, não havia homem algum, e todas as aves do céu haviam fugido.
  • 26Vi também que a terra fértil era um deserto, e todas as suas cidades estavam arrasadas diante do SENHOR, por causa do furor da sua ira.
  • 27"Pois assim diz o SENHOR: Toda esta terra ficará destruída; mas não a consumirei totalmente."
  • 28Por isso, a terra lamentará, e o céu em cima escurecerá, pois assim falei, assim determinei, e não me arrependi, nem desistirei disso.
  • 29Ao grito dos cavaleiros e flecheiros todos os moradores das cidades fogem. Entram pelas matas e escalam as rochas. Todas as cidades ficam abandonadas, sem morador algum.
  • 30"Agora, ó cidade destruída, que farás? Embora te vistas de púrpura e te adornes com enfeites de ouro; embora pintes os olhos, inutilmente te embelezas. Os teus amantes te desprezam e procuram tirar-te a vida."
  • 31"Pois ouvi um grito como de uma mulher em trabalho de parto, a angústia de quem dá à luz o seu primeiro filho; a voz da filha de Sião, ofegante, que estende as mãos: Ai de mim, que desfaleço por causa dos assassinos!"
  • A rebeldia de Jerusalém é denunciada

  • 1Andai pelas ruas de Jerusalém, vede agora, informai-vos e buscai pelas suas praças. Se puderdes encontrar um homem, um só homem que pratique a justiça e busque a verdade, eu perdoarei a cidade.
  • 2E ainda que digam: Vive o SENHOR, certamente juram com falsidade.
  • 3"Ó SENHOR, por acaso não é a verdade que teus olhos procuram? Tu os feriste, mas não lhes doeu; tu os consumiste, mas se recusaram a receber a correção. Endureceram o rosto mais do que uma rocha e não quiseram se converter."
  • 4Então eu disse: De fato eles são pobres e insensatos, pois não conhecem o caminho do SENHOR, nem a justiça do seu Deus.
  • 5Irei aos líderes e falarei com eles, pois conhecem o caminho do SENHOR e a justiça do seu Deus. Mas também eles quebraram o jugo e romperam as cordas.
  • 6"Por isso um leão da floresta os matará, um lobo dos desertos os destruirá, um leopardo ficará à espreita contra suas cidades; todo aquele que delas sair será despedaçado. Porque as suas transgressões são muitas, e a sua rebeldia é grande."
  • 7Como poderei perdoar-te? Pois teus filhos me abandonaram e juraram pelos que não são deuses. Depois de eu os haver sustentado, adulteraram e se ajuntaram em bandos nos prostíbulos.
  • 8Como garanhões bem nutridos, cada um andava relinchando à mulher do seu próximo.
  • 9Por acaso não os castigarei por causa dessas coisas, diz o SENHOR, ou não me vingarei de uma nação como esta?
  • A queda de Judá é inevitável

  • 10"Subi aos seus terraços de videiras e destruí-os; mas não façais uma destruição total. Cortai seus ramos, pois não são do SENHOR."
  • 11Porque a casa de Israel e a casa de Judá têm agido com infidelidade para comigo, diz o SENHOR.
  • 12Negaram o SENHOR e disseram: Ele não fará nada. Nenhum mal virá sobre nós, nunca veremos espada nem fome.
  • 13"Até mesmo os profetas não passam de vento, e eles não têm a palavra; assim, acontecerá a eles o que anunciam."
  • 14Portanto, assim diz o SENHOR, o Deus dos Exércitos: Porque disseste tal palavra, converterei minhas palavras em fogo na tua boca, e este povo em lenha, e o fogo o consumirá.
  • 15E trago contra vós uma nação de longe, ó casa de Israel, diz o SENHOR. É uma nação vitoriosa, uma nação antiga, uma nação cuja língua não conheces e cuja fala não entendes.
  • 16"A sua aljava é como uma sepultura aberta; todos eles são valentes."
  • 17"Eles devorarão a tua colheita e o teu pão, devorarão os teus filhos e as tuas filhas; devorarão os teus rebanhos e o teu gado; devorarão a tua videira e a tua figueira; destruirão pela espada as tuas cidades fortificadas em que confias."
  • 18Contudo, ainda naqueles dias, diz o SENHOR, não vos destruirei totalmente.
  • 19E quando disserdes: Por que o SENHOR, nosso Deus, nos fez todas estas coisas? Então lhes dirás: Assim como vós me abandonastes e servistes a deuses estrangeiros na vossa terra, assim também servireis estrangeiros em terra que não é vossa.
  • A culpa de Judá

  • 20Anunciai isto à casa de Jacó e proclamai-o em Judá:
  • 21Ouvi agora isto, vós, povo insensato e sem entendimento, que tendes olhos e não vedes, que tendes ouvidos e não ouvis:
  • 22"Vós não me temeis?, diz o SENHOR. Não tremeis diante de mim, que por ordem eterna coloquei a areia como limite para o mar, que ele não pode passar? Ainda que suas ondas se levantem, não poderão prevalecer; ainda que rujam, não poderão ultrapassá-lo."
  • 23"Mas este povo é de coração obstinado e rebelde; viraram-se e foram embora."
  • 24E não dizem no seu coração: Temamos agora o SENHOR, nosso Deus, que no tempo certo dá a chuva do outono e a da primavera, e nos conserva as semanas determinadas da colheita.
  • 25Porém as vossas iniquidades afastaram essas coisas, e os vossos pecados apartaram de vós o bem.
  • 26Porque no meio do meu povo há ímpios que ficam à espreita como caçadores de pássaros. Fazem armadilhas e apanham os homens.
  • 27"As suas casas estão cheias de traição, como gaiola cheia de pássaros; por isso se engrandeceram e enriqueceram."
  • 28Engordaram a si próprios, estão bem alimentados. Também excedem o limite da maldade. Não julgam com justiça a causa dos órfãos, para que prosperem, nem defendem o direito dos pobres.
  • 29Por acaso não trarei castigo por causa dessas coisas, diz o SENHOR, ou não me vingarei de uma nação como esta?
  • 30Uma coisa espantosa e horrível tem ocorrido na terra:
  • 31Os profetas profetizam falsidade, os sacerdotes dominam com autoridade própria, e o meu povo gosta disso. Mas o que fareis quando isso chegar ao fim?
  • Jerusalém é ameaçada de cerco

  • 1"Procurai abrigo, filhos de Benjamim; fugi de Jerusalém! Tocai a trombeta em Tecoa e levantai o sinal sobre Bete-Haquerém; porque do norte vem surgindo uma catástrofe, sim, uma grande destruição."
  • 2Exterminarei a filha de Sião, linda pastagem.*
  • 3Contra ela virão pastores com seus rebanhos, levantarão suas tendas ao redor dela e apascentarão, cada um no seu lugar.
  • 4"Preparai-vos para lutar contra ela; levantai-vos e subamos ao meio-dia. Ai de nós, pois o dia declina, e as sombras da tarde vão se estendendo!"
  • 5Levantai-vos, subamos de noite e destruamos as suas fortificações.
  • 6"Porque assim diz o SENHOR dos Exércitos: Cortai suas árvores e levantai rampas de cerco contra Jerusalém. Esta é a cidade que será castigada;* no meio dela há só opressão."
  • 7"Como o poço conserva frescas as suas águas, assim ela conserva fresca a sua maldade; o que se ouve nela é violência e destruição; doenças e feridas estão sempre diante de mim."
  • 8"Ó Jerusalém, aceita a correção para que eu não me aparte de ti; para que eu não faça de ti uma devastação, uma terra desabitada."
  • 9Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Rebuscarão cuidadosamente o remanescente de Israel como uma vinha. Estende a tua mão aos ramos, como aquele que colhe uvas.
  • 10"A quem falarei e testemunharei, para que ouçam? Os seus ouvidos estão fechados,* e eles não conseguem ouvir; a palavra do SENHOR se tornou desprezível para eles, e nela não têm prazer."
  • 11"Pois a ira do SENHOR transborda dentro de mim; estou cansado de retê-la. Derrama-a sobre os meninos pelas ruas, e também sobre os grupos de jovens; porque até o marido com a mulher serão presos, e os velhos com os de idade avançada."
  • 12"As suas casas serão dadas a outros, com seus campos e suas mulheres; porque estenderei a minha mão contra os habitantes da terra, diz o SENHOR."
  • 13Porque são todos gananciosos, do mais pobre ao mais rico, e todos eles agem com falsidade, desde o profeta até o sacerdote.
  • 14Também se ocupam em curar superficialmente a ferida do meu povo, dizendo: Paz, paz! Mas não há paz.
  • 15"Por acaso se envergonharam por terem cometido abominação? Não, de maneira alguma; nem mesmo sabem o que é envergonhar-se. Portanto, cairão entre os que caem; tropeçarão quando eu os castigar, diz o SENHOR."
  • A queda de Jerusalém virá

  • 16"Assim diz o SENHOR: Ide às ruas, olhai e perguntai pelos caminhos antigos, qual é o bom caminho, e andai por ele; e achareis descanso para vós. Mas eles disseram: Não andaremos nele."
  • 17Também coloquei vigias sobre vós, dizendo: Estai atentos ao toque da trombeta. Mas eles disseram: Não escutaremos.
  • 18Portanto, ouvi, ó nações, e ficai sabendo, ó testemunhas,* o que lhes acontecerá.
  • 19"Ouve, ó terra! Trarei castigo sobre este povo, o próprio fruto dos seus projetos; porque não estão atentos às minhas palavras e rejeitaram a minha lei."
  • 20Para que me serve o incenso de Sabá, ou a melhor cana aromática de terras remotas? Vossos holocaustos não são aceitáveis, nem me agradam os vossos sacrifícios.
  • 21"Portanto, assim diz o SENHOR: Estou pondo obstáculos a este povo; juntos, pais e filhos tropeçarão neles; o vizinho e o seu amigo perecerão."
  • 22Assim diz o SENHOR: Um povo está vindo da terra do norte, e uma grande nação se levanta das extremidades da terra.
  • 23"Armados com arco e lança, são cruéis e não têm piedade; seus gritos ressoam como o mar; vêm montados em cavalos, dispostos como soldados para a batalha contra ti, ó filha de Sião."
  • 24Ao ouvirmos essa notícia, nossas mãos enfraquecem. Angústia e dores se apoderam de nós, como as dores de quem está em trabalho de parto.
  • 25"Não saiais ao campo, nem andeis pelo caminho; porque o inimigo tem a espada e há terror por toda parte."
  • 26"Ó filha do meu povo, veste-te de pano de saco e revolve-te na cinza; chora com pranto amargurado como se chora pelo filho único; porque o destruidor virá de repente sobre nós."
  • 27Eu te pus como examinador e avaliador do meu povo, para que proves e examines o seu caminho.
  • 28"Todos eles são os mais rebeldes e andam espalhando calúnias; são bronze e ferro; todos eles andam em corrupção."
  • 29"O fole soprou, e o chumbo se derreteu com o fogo; a depuração é inútil, pois os perversos não são arrancados."
  • 30São chamados prata refugada, porque o SENHOR os refugou.
  • Mensagem de juízo à porta do templo do Senhor

  • 1Esta é a palavra que veio a Jeremias da parte do SENHOR:
  • 2Põe-te à porta da casa do SENHOR e proclama ali esta palavra: Ouvi a palavra do SENHOR, todos de Judá que passais por estas portas para adorar o SENHOR.
  • 3Assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel: Endireitai os vossos caminhos e as vossas ações, e vos farei habitar neste lugar.
  • 4Não confieis em palavras falsas, dizendo: Este é o templo do SENHOR, templo do SENHOR, templo do SENHOR.
  • 5"Mas se de fato endireitardes os vossos caminhos e as vossas ações; se real¬mente praticardes a justiça entre um homem e o seu próximo;"
  • 6se não oprimirdes o estrangeiro, o órfão e a viúva, nem derramardes sangue inocente neste lugar, nem seguirdes outros deuses para vosso próprio mal,
  • 7então eu vos farei habitar neste lugar, na terra que dei a vossos pais desde a antiguidade e para sempre.
  • 8Mas vós confiais em palavras falsas e sem proveito.
  • 9Por acaso furtando, matando, cometendo adultério, jurando falsamente, queimando incenso a Baal e seguindo outros deuses que não conhecestes,
  • 10vireis e vos apresentareis perante mim nesta casa, que se chama pelo meu nome, e direis: Estamos seguros! Apenas para continuardes a praticar todas essas abominações?
  • 11Esta casa, que se chama pelo meu nome, transformou-se para vós num antro de ladrões? E eu, eu mesmo, vi isso, diz o SENHOR.
  • 12Mas ide agora ao meu lugar, que estava em Siló, onde primeiro fiz habitar o meu nome, e vede o que lhe fiz, por causa da maldade do meu povo Israel.
  • 13Agora, porque fizestes todas essas coisas, diz o SENHOR, e não ouvistes quando eu vos falei insistentemente, nem respondestes quando vos chamei,
  • 14então, farei a esta casa, que se chama pelo meu nome, na qual confiais, e a este lugar, que dei a vós e a vossos pais, o mesmo que fiz a Siló.
  • 15E vos expulsarei da minha presença, como expulsei todos os vossos irmãos, toda a descendência de Efraim.
  • 16Mas tu não deverás orar por este povo, nem levantar clamor ou oração em seu favor, nem me buscar, pois não te ouvirei.
  • 17Não vês o que eles andam fazendo nas cidades de Judá e nas ruas de Jerusalém?
  • 18Os filhos apanham a lenha, os pais acendem o fogo e as mulheres amassam a farinha para fazer bolos à rainha do céu, e fazem ofertas derramadas a outros deuses, a fim de me provocarem à ira.
  • 19"Por acaso é a mim que eles provocam?, diz o SENHOR; não é a si mesmos, para sua própria vergonha?"
  • 20"Portanto, assim diz o SENHOR Deus: A minha ira e o meu furor se derramarão sobre este lugar, sobre os homens e sobre os animais, sobre as árvores do campo e sobre os frutos da terra; sim, a minha ira e o meu furor se acenderão e não se apagarão."
  • 21Assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel: Juntai os vossos holocaustos aos vossos sacrifícios e comei a carne.
  • 22Pois quando tirei vossos pais da terra do Egito, não lhes falei nem lhes ordenei coisa alguma acerca de holocaustos ou sacrifícios.
  • 23"Mas lhes ordenei isto: Dai ouvidos à minha voz, e eu serei o vosso Deus, e vós sereis o meu povo; andai em todo o caminho que eu vos ordenar, para que vos corra tudo bem."
  • 24Mas não ouviram, nem prestaram atenção, antes, andaram nos seus próprios conselhos, no propósito do seu coração perverso. Andaram para trás, e não para diante.
  • 25"Desde o dia em que vossos pais saíram da terra do Egito, até hoje, tenho-vos enviado insistentemente todos os meus servos, os profetas, dia após dia;"
  • 26contudo não me ouviram, nem prestaram atenção, mas foram teimosos. Fizeram pior do que seus pais.
  • 27"Portanto, tu lhes dirás todas estas palavras, mas não te ouvirão; tu os chamarás, mas não te responderão."
  • 28"E lhes dirás: Esta é a nação que não obedeceu à voz do SENHOR, seu Deus, e não aceitou a correção; a verdade foi destruída e não se encontra mais em sua boca."
  • 29"Cortai o cabelo e jogai-o fora. Levantai um lamento sobre as colinas vazias; porque o SENHOR já rejeitou e desamparou esta geração, digna de sua ira."
  • 30"Porque o povo* de Judá fez o que era mau aos meus olhos, diz o SENHOR; puseram seus ídolos abomináveis na casa que se chama pelo meu nome, para profaná-la."
  • 31E edificaram os altos de Tofete, que está no vale de Ben-Hinom, para queimar seus filhos e suas filhas em sacrifício, o que nunca ordenei, nem me veio à mente.
  • 32"Portanto, diz o SENHOR, estão vindo dias em que não se chamará mais Tofete, nem vale de Ben-Hinom, mas vale da Matança; pois enterrarão em Tofete, por não haver mais lugar."
  • 33"E os cadáveres deste povo servirão de alimento às aves do céu e aos animais da terra; e ninguém os espantará."
  • 34"E farei cessar nas cidades de Judá e nas ruas de Jerusalém a voz de júbilo e a voz de alegria, a voz do noivo e a voz da noiva; porque a terra se tornará em deserto."
  • 1"Naquele tempo, diz o SENHOR, tirarão das suas sepulturas os ossos dos reis de Judá, e os ossos dos seus príncipes, e os ossos dos sacerdotes, e os ossos dos profetas, e os ossos dos habitantes de Jerusalém;"
  • 2"e serão expostos ao sol, à lua e a todos os astros do céu, a quem eles amaram, serviram e seguiram, a quem buscaram e adoraram. Não serão recolhidos nem sepultados; serão como esterco sobre o chão."
  • 3E todos os sobreviventes deste povo mau, de todos os lugares para onde os expulsei, preferirão a morte em vez da vida, diz o SENHOR dos Exércitos.
  • O castigo é inevitável

  • 4Dize-lhes mais: Assim diz o SENHOR: Será que os homens cairão e não se levantarão? Eles se desviarão e não voltarão?
  • 5Por que este povo de Jerusalém se desvia com uma rebeldia constante? Persiste no engano, recusa-se a voltar.
  • 6"Eu escutei e ouvi; não falam o que é correto; não há ninguém que se arrependa da sua maldade, dizendo: Que fiz eu? Cada um se desvia para o seu próprio caminho, como um cavalo que arremete com ímpeto na batalha."
  • 7"Até a cegonha no céu conhece seus tempos determinados; e a rolinha, a andorinha e o tordo observam o tempo da sua migração; mas o meu povo não conhece as regras do SENHOR."
  • 8Como, pois, dizeis: Somos sábios, temos a lei do SENHOR, se a pena mentirosa dos escribas a converteu em mentira?
  • 9"Os sábios são envergonhados, espantados e presos; rejeitaram a palavra do SENHOR. Que sabedoria é esta que eles têm?"
  • 10"Portanto, darei suas mulheres a outros, e os seus campos, aos conquistadores; porque desde o menor até o maior, cada um deles se dedica à ganância. Desde o profeta até o sacerdote, todos lançam mão da falsidade."
  • 11E curam superficialmente a ferida da filha do meu povo, dizendo: Paz, paz! Mas não há paz.
  • 12"Por acaso se envergonharam por terem cometido abominação? Não, de maneira alguma; nem mesmo sabem o que é envergonhar-se. Portanto, cairão entre os que caem; quando eu os castigar, tropeçarão, diz o SENHOR."
  • 13"Eu tomarei as suas colheitas,* diz o SENHOR, mas já não há uvas na videira, nem figos na figueira; até as folhas estão caídas, e até mesmo o que lhes dei foi tirado deles.*"
  • 14"Por que ainda estamos sentados? Reuni-vos. Vamos para as cidades fortificadas para morrer ali; pois o SENHOR, nosso Deus, nos condenou à morte e nos deu água envenenada para beber; porque pecamos contra o SENHOR."
  • 15"Esperávamos a paz, mas não veio bem algum; e o tempo de cura, mas veio apenas o terror."
  • 16"Ouve-se desde Dã o resfolegar dos seus cavalos; a terra toda estremece ao som dos rinchos dos seus ginetes; porque vêm e devoram a terra e tudo o que nela existe, a cidade e os seus habitantes."
  • 17"Estou enviando entre vós serpentes, víboras que ninguém consegue encantar; e elas vos morderão, diz o SENHOR."
  • 18Não há consolo para a minha dor! Meu coração desfalece dentro de mim!
  • 19Este é o clamor da filha do meu povo, que se estende por toda a terra: O SENHOR não está em Sião? O seu rei não está ali? Por que me provocaram à ira com suas imagens, com ídolos estrangeiros?
  • 20O tempo da colheita passou, findou o verão, e nós não estamos salvos.
  • 21"Estou aflito por causa da aflição da filha do meu povo; ando de luto; o espanto apoderou-se de mim."
  • 22Por acaso não há bálsamo em Gilea¬de? Nem médico? Por que não houve cura para a filha do meu povo?
  • 1Ah, se a minha cabeça se tornasse em águas, e os meus olhos, numa fonte de lágrimas, para que eu chorasse de dia e de noite os mortos da filha do meu povo!
  • 2Ah, se eu tivesse no deserto um abrigo de viajantes, para poder deixar o meu povo e me apartar dele! Porque todos eles são adúlteros, um bando de traidores.
  • 3"Retesam a língua, como um arco para atirar mentiras; prevalecem na terra, mas não para a verdade; porque pecam, indo de mal a pior e não me conhecem, diz o SENHOR."
  • 4"Tende cuidado cada um com o seu próximo e não confieis em nenhum irmão; porque todo irmão não faz outra coisa senão enganar, e todo próximo anda caluniando. "
  • 5"Cada um engana o seu próximo e ninguém fala a verdade; treinaram a língua para falar a mentira e se cansam de tanto pecar.* "
  • 6Opressão sobre opressão, engano sobre engano. Eles se recusam a me conhecer, diz o SENHOR.*
  • Ameaças de ruína e de exílio

  • 7"Portanto, assim diz o SENHOR dos Exércitos: Eu os refinarei e provarei; de que outra maneira procederia com a filha do meu povo?"
  • 8A língua deles é uma flecha mortífera. As palavras da sua boca são enganosas. Cada um profere palavras de paz com o seu próximo, mas no coração arma-lhe ciladas.
  • 9Por acaso não os castigarei por causa disso?, diz o SENHOR. Não me vingarei de uma nação como esta?
  • 10"Chorarei e levantarei meu pranto pelos montes, e minha lamentação, pelas pastagens do deserto; porque já estão queimadas, de modo que ninguém passa por elas; nem se ouve mugido de gado; tanto as aves do céu como os animais fugiram e se foram."
  • 11Farei de Jerusalém montões de pedras, morada de chacais, e das cidades de Judá farei uma desolação, de modo que fiquem desabitadas.
  • 12Quem é sábio para entender isso? A quem a boca do SENHOR o revelou, para que possa anunciá-lo? Por que razão a terra está arruinada e devastada como um deserto, de modo que ninguém passa por ela?
  • 13"O SENHOR respondeu: Porque abandonaram a minha lei, que estabeleci diante deles, e não ouviram nem seguiram a minha voz; "
  • 14pelo contrário, andaram na rebeldia de seu coração, seguindo baalins, como seus pais lhes ensinaram.
  • 15Portanto, assim diz o SENHOR dos Exércitos, Deus de Israel: Darei a este povo comida amarga e água envenenada.
  • 16"Também os espalharei por entre nações que nem eles nem seus pais conheceram; enviarei contra eles a espada, até que os tenha exterminado."
  • Lamentação pelo castigo de Sião

  • 17"Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Considerai e chamai as mulheres pagas para chorar, para que venham; trazei as mulheres mais hábeis, para que venham também"
  • 18e se apressem, levantem seu lamento sobre nós, para que nossos olhos se derretam em lágrimas e das nossas pálpebras fluam águas.
  • 19Porque de Sião se ouviu uma voz de lamento: Como estamos arruinados! Estamos muito envergonhados por ter deixado a terra, porque destruíram nossas moradas.
  • 20"Mas vós, mulheres, ouvi a palavra do SENHOR e abri vossos ouvidos à palavra da sua boca; ensinai o pranto às vossas filhas, e cada uma, a lamentação à sua vizinha."
  • 21Pois a morte subiu pelas nossas janelas e entrou em nossos palácios, exterminando as crianças das ruas e os rapazes das praças.
  • 22Fala: Assim diz o SENHOR: Até os cadáveres dos homens cairão como esterco sobre o campo, como espigas deixadas para trás pelo que colhe, sem que ninguém as apanhe.
  • 23Assim diz o SENHOR: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem o forte na sua força, nem o rico nas suas riquezas.
  • 24Mas quem se gloriar, glorie-se nisto: em me entender e me conhecer, pois eu sou o SENHOR, que pratico a fidelidade, o direito e a justiça na terra, porque me agrado dessas coisas, diz o SENHOR.
  • 25Diz o SENHOR: Estão vindo dias em que castigarei todo circunciso juntamente com o incircunciso:
  • 26"o Egito, Judá e Edom, os amonitas e moabitas, todos os que rapam os cabelos e habitam no deserto; pois todas as nações são incircuncisas, e toda a casa de Israel é incircuncisa de coração."
  • Comparação dos ídolos com o SENHOR

  • 1Ouvi o que o SENHOR tem a vos dizer, ó casa de Israel.
  • 2"Assim diz o SENHOR: Não aprendais o caminho das nações, nem vos espanteis com os sinais do céu; porque com eles espantam-se as nações."
  • 3"Pois as práticas religiosas dos povos são inutilidade; corta-se do bosque um pedaço de pau, que é trabalhado com o machado pelas mãos do artífice."
  • 4Eles o revestem com prata e ouro, firmam-no com pregos e martelos, para que não caia.
  • 5São como um espantalho num pepinal, não podem falar e precisam de quem os carregue, pois não podem andar. Não tenhais medo deles, pois não podem fazer nem mal nem bem.
  • 6"Não existe ninguém semelhante a ti, ó SENHOR; és grande, e grande é o poder de teu nome."
  • 7"Quem não te temerá, ó Rei das nações? Pois a ti se deve o temor; porque entre todos os sábios das nações, e em todos os seus reinos não existe ninguém semelhante a ti."
  • 8"Mas todos eles são insensatos e loucos; são instruídos por ídolos feitos de madeira."
  • 9"Trazem prata batida de Társis e ouro de Ufaz; o trabalho do artífice e do fundidor é vestido de azul e púrpura; todos eles são obra de peritos."
  • 10"Mas o SENHOR é o verdadeiro Deus; ele é o Deus vivo e o Rei eterno; a terra estremece diante do seu furor, e as nações não podem suportar a sua ira."
  • 11Assim lhes direis: Os deuses que não fizeram os céus e a terra, eles desaparecerão da terra e de debaixo do céu.
  • 12Ele fez a terra com seu poder, estabeleceu o mundo com sua sabedoria e estendeu os céus com sua inteligência.
  • 13"Quando ele faz soar o seu trovão, logo há tumulto de águas no céu, e ele faz subir das extremidades da terra os vapores; faz os relâmpagos para a chuva, e dos seus depósitos faz sair o vento."
  • 14"Todo homem é ignorante e não tem conhecimento; todo fundidor é envergonhado pela imagem que esculpiu; pois as imagens que funde são falsas, e nelas não há fôlego."
  • 15"São inúteis, fabricação enganosa; quando vier o castigo perecerão."
  • 16"A porção de Jacó não é semelhante a essas imagens; porque ele é o que forma todas as coisas, e Israel é a tribo da sua herança. O seu nome é SENHOR dos Exércitos."
  • 17Ajunta as tuas coisas, ó tu que habitas em lugar sitiado.
  • 18Pois assim diz o SENHOR: Desta vez lançarei fora os moradores desta terra e lhes trarei sofrimento, para que venham a senti-lo.
  • 19Ai de mim, pois estou ferido! O meu ferimento não tem cura! Mas eu havia falado: Certamente isto é minha enfermidade, e devo suportá-la.
  • 20"A minha tenda está destruída, e todas as minhas cordas estão rompidas; os meus filhos me deixaram e não existem mais; não ficou ninguém para armar a minha tenda e levantar as lonas."
  • 21"Pois os pastores são insensatos e não buscaram o SENHOR; por isso não prosperaram, e todos os seus rebanhos se dispersaram."
  • 22Estão chegando rumores, um grande tumulto da terra do norte, para fazer das cidades de Judá uma devastação, uma morada de chacais.
  • 23Ó SENHOR, eu sei que ao homem não pertence seu próprio caminho, nem lhe compete traçar seus passos.
  • 24"Corrige-me, ó SENHOR, mas com justiça; não na tua ira, para que não me reduzas a nada."
  • 25"Derrama a tua ira sobre as nações que não te conhecem e sobre os povos que não invocam o teu nome, porque devoraram Jacó; sim, eles o devoraram, consumiram e assolaram a sua morada."
  • A aliança é quebrada

  • 1A palavra que veio a Jeremias, da parte do SENHOR:
  • 2Ouve as palavras desta aliança e fala* aos homens de Judá e aos habitantes de Jerusalém.
  • 3Dize-lhes: Assim diz o SENHOR, o Deus de Israel: Maldito o homem que não der ouvidos às palavras desta aliança,
  • 4"que ordenei a vossos pais no dia em que os tirei da terra do Egito, da fornalha de fundição de ferro, dizendo: Ouvi a minha voz e fazei segundo tudo o que vos mando; assim vós sereis o meu povo, e eu serei o vosso Deus."
  • 5Assim, confirmarei o juramento que fiz a vossos pais de dar-lhes uma terra que dá leite e mel, como se vê neste dia. Então eu respondi: Amém, ó SENHOR.
  • 6Disse-me, pois, o SENHOR: Proclama todas estas palavras nas cidades de Judá e nas ruas de Jerusalém, dizendo: Ouvi e cumpri as palavras desta aliança.
  • 7Porque várias vezes adverti vossos pais, desde o dia em que os tirei da terra do Egito até o dia de hoje, dizendo: Ouvi a minha voz.
  • 8"Mas não ouviram, nem prestaram atenção; pelo contrário, cada um andou na rebeldia do seu coração mau; por isso executei contra eles todas as palavras desta aliança, as quais lhes ordenei que cumprissem, mas não o fizeram."
  • 9Disse-me mais o SENHOR: Achou-se uma conspiração entre os homens de Judá e entre os habitantes de Jerusalém.
  • 10Repetiram os pecados de seus pais, que se recusaram a ouvir as minhas palavras e seguiram outros deuses para lhes cultuar. A casa de Israel e a casa de Judá quebraram a minha aliança, que fiz com seus pais.
  • 11"Portanto, assim diz o SENHOR: Estou trazendo sobre eles uma calamidade de que não poderão escapar; clamarão a mim, mas não os ouvirei."
  • 12"Então as cidades de Judá e os habitantes de Jerusalém irão e clamarão aos deuses a quem eles queimam incenso; estes, porém, de maneira alguma os livrarão quando vier a calamidade sobre eles."
  • 13"Os teus deuses são tão numerosos quanto as tuas cidades, ó Judá; e os altares que tendes levantado à vergonha, altares para queimar incenso a Baal, são tão numerosos quanto as ruas de Jerusalém."
  • 14"Mas tu não deverás orar por este povo, nem levantar por eles clamor nem oração; porque não os ouvirei no tempo em que clamarem a mim por causa da sua calamidade."
  • 15O que a minha amada faz em minha casa, visto que são muitos seus planos enganosos? Por acaso as carnes consagradas te livrarão? Quando praticas o mal, então andas saltando de prazer?
  • 16"O SENHOR te chamou de oliveira verde, bela por seus deliciosos frutos; mas agora, ao som de um grande tumulto, ateou-lhe fogo, e quebraram-se os seus ramos."
  • 17Porque o SENHOR dos Exércitos, que te plantou, pronunciou contra ti uma calamidade, por causa do grande mal que a casa de Israel e a casa de Judá fizeram, pois me provocaram à ira, queimando incenso a Baal.
  • A conspiração contra Jeremias

  • 18"Fiquei sabendo, pois o SENHOR me mostrou; então me fizeste compreender as suas ações."
  • 19"Mas eu era como um cordeiro manso, que se leva à matança; não sabia que era contra mim que maquinavam, dizendo: Destruamos a árvore com o seu fruto,* e cortemo-lo da terra dos viventes, para que não haja mais memória do seu nome."
  • 20Mas, ó SENHOR dos Exércitos, justo Juiz, que provas o coração e a mente, permite que eu veja a tua vingança sobre eles, pois entreguei a ti a minha causa.
  • 21Portanto, assim diz o SENHOR acerca dos homens de Anatote, que procuram tirar-te a vida, dizendo: Não profetizes no nome do SENHOR, para que não morras por nossas mãos.
  • 22"Por isso, assim diz o SENHOR dos Exércitos: Eu os punirei; os moços morrerão pela espada, seus filhos e suas filhas morrerão de fome."
  • 23"E não ficará nem sequer um remanescente; pois farei vir sobre os homens de Anatote uma calamidade, sim, o ano da sua punição."
  • A queixa de Jeremias

  • 1Ó SENHOR, tu és justo quando apresento minha causa perante ti. Contudo, desejo falar contigo sobre a tua justiça. Por que o caminho dos ímpios prospera? Por que vivem em paz todos os que procedem de modo traiçoeiro?
  • 2"Tu os plantaste, e eles criaram raízes; crescem e dão frutos; tu estás sempre próximo de seus lábios, mas longe do coração deles."
  • 3Tu, porém, me conheces, ó SENHOR, tu me vês e provas minha fidelidade para contigo. Arranca-os como ovelhas para o matadouro e separa-os para o dia da matança.
  • 4"Até quando a terra lamentará e todo capim do campo secará? Os animais e as aves perecem, por causa da maldade dos que nela habitam; pois disseram: Ele não verá o nosso fim."
  • A resposta do Senhor

  • 5Se te cansas correndo com homens que vão a pé, então como poderás competir com cavalos? Se não te sentes seguro numa terra de paz, que farás na floresta do Jordão?
  • 6"Pois até os teus irmãos, e a casa de teu pai, estes mesmos agem com perversidade para contigo; eles mesmos gritam intensamente contra ti. Não confies neles, ainda que te digam coisas boas."
  • A profecia contra os invasores

  • 7"Desamparei a minha casa, abandonei a minha herança; entreguei aquela a quem amo na mão de seus inimigos."
  • 8"Minha herança tornou-se para mim como um leão numa floresta; levantou sua voz contra mim; por isso eu a odeio."
  • 9Por acaso a minha herança transformou-se em uma ave de rapina ou em hienas? As aves de rapina andam rodeando sobre ela? Ide, ajuntai todos os animais do campo, trazei-os para devorá-la.
  • 10"Muitos pastores destruíram a minha vinha, pisotearam a minha propriedade; tornaram minha propriedade preciosa em um deserto desolado."
  • 11"Eles a transformaram em desolação; desolada, ela clama a mim. Toda a terra está desolada, mas ninguém se importa com isso."
  • 12"Sobre todas as colinas vazias do deserto vieram destruidores, porque a espada do SENHOR devora desde uma extremidade da terra até outra; não há paz para ninguém."
  • 13"Semearam trigo, mas colheram espinhos; cansaram-se para nada conseguir. Ficareis decepcionados com as vossas colheitas, por causa da ira ardente do SENHOR."
  • 14Assim diz o SENHOR acerca de todos os meus maus vizinhos, que tocam na minha herança que fiz meu povo Israel herdar: Eu os arrancarei da sua terra e arrancarei a casa de Judá do meio deles.
  • 15E depois de tê-los arrancado, voltarei e terei compaixão deles, e os devolverei cada um à sua herança, cada um à sua terra.
  • 16E se aprenderem diligentemente os caminhos do meu povo e jurarem pelo meu nome, dizendo: Como vive o SENHOR, assim como ensinaram o meu povo a jurar por Baal, então serão estabelecidos no meio do meu povo.
  • 17Mas, se não quiserem ouvir, arrancarei aquela nação completamente e a destruirei, diz o SENHOR.
  • O cativeiro é simbolizado por um cinto de linho

  • 1Assim me disse o SENHOR: Vai, compra para ti um cinto de linho e põe na tua cintura, mas não o ponhas na água.
  • 2Comprei o cinto, conforme a palavra do SENHOR, e o pus em minha cintura.
  • 3Então me veio a palavra do SENHOR pela segunda vez:
  • 4Toma o cinto que compraste e que carregas na tua cintura, levanta-te, vai ao Eufrates e esconde-o ali na fenda de uma rocha.
  • 5Então, fui e o escondi junto ao Eufrates, conforme o SENHOR havia me ordenado.
  • 6E, passados muitos dias, o SENHOR me disse: Levanta-te, vai ao Eufrates e pega o cinto que te ordenei que escondesses ali.
  • 7"Então fui ao Eufrates e peguei o cinto do lugar onde o havia escondido; o cinto havia apodrecido e não prestava para mais nada."
  • 8Então veio a mim a palavra do SENHOR:
  • 9Assim diz o SENHOR: Do mesmo modo farei apodrecer o orgulho de Judá e o grande orgulho de Jerusalém.
  • 10Este povo perverso, que se recusa a ouvir as minhas palavras, que caminha segundo a teimosia do seu coração e que segue outros deuses, a fim de servi-los e adorá-los, ficará como este cinto, que não presta para nada.
  • 11"Pois, assim como o cinto se apega à cintura do homem, assim eu fiz com que toda a casa de Israel e toda a casa de Judá se apegasse a mim, diz o SENHOR, para que fossem para mim povo, nome, louvor e glória; mas não quiseram ouvir."
  • O símbolo da jarra cheia de vinho

  • 12Pelo que lhes dirás esta palavra: Assim diz o SENHOR Deus de Israel: Toda a jarra se encherá de vinho. E te dirão: Por acaso não sabemos nós muito bem que toda a jarra se encherá de vinho?
  • 13Então lhes dirás: Assim diz o SENHOR: Eu farei que todos os habitantes desta terra fiquem embriagados, até mesmo os reis que se assentam sobre o trono de Davi, os sacerdotes, os profetas e todos os habitantes de Jerusalém.
  • 14Colocarei uns contra os outros, os pais contra os filhos, diz o SENHOR. Não terei pena, nem pouparei, nem terei compaixão deles a ponto de não destruí-los.
  • 15"Escutai e prestai atenção; não sejais arrogantes, porque o SENHOR falou."
  • 16Dai glória ao SENHOR, vosso Deus, antes que venha a escuridão e antes que vossos pés tropecem nos montes escuros, antes que, esperando vós luz, ele a transforme em densas trevas e a reduza à profunda escuridão.
  • 17"Mas, se não ouvirdes, chorarei secretamente, por causa do vosso orgulho; e os meus olhos chorarão amargamente e se desfarão em lágrimas, porque o rebanho do SENHOR foi levado cativo."
  • 18"Dize ao rei e à rainha-mãe: Humilhai-vos, sentai-vos no chão; porque a coroa da vossa glória já caiu da vossa cabeça."
  • 19"As cidades do Neguebe estão fechadas, e não há quem as abra; todo o Judá é levado cativo, inteiramente cativo."
  • 20"Levantai os olhos e vede os que vêm do norte; onde está o rebanho que te foi dado, o teu belo rebanho?"
  • 21Que dirás, quando puserem como chefes sobre ti aqueles com quem cultivaste amizade? Não terás dores, como as de uma mulher em trabalho de parto?
  • 22Se disseres no coração: Por que aconteceram estas coisas comigo? Por causa de teus muitos pecados as tuas roupas foram levantadas e foste estuprada.*
  • 23Pode o etíope mudar a sua pele ou o leopardo as suas pintas? Podereis vós fazer o bem, estando treinados para fazer o mal?
  • 24Por isso, eu os espalharei como a palha levada pelo vento do deserto.
  • 25"Esta é a tua sorte, a porção que estabeleci para ti, diz o SENHOR; porque te esqueceste de mim e confiaste em mentiras."
  • 26Assim, também levantarei as tuas roupas sobre o teu rosto, e a tua vergonha aparecerá.
  • 27Tenho visto as tuas práticas abomináveis nos montes e nos campos, os teus adultérios, os teus relinchos e a tua grande prostituição. Ai de ti, Jerusalém! Até quando permanecerás impura?
  • Jeremias intercede em vão pelo povo

  • 1Esta é a palavra do SENHOR que veio a Jeremias a respeito da seca.
  • 2"Judá chora, e suas portas estão enfraquecidas; seus habitantes* se sentam de luto no chão, e o clamor de Jerusalém já vai subindo. "
  • 3"Os nobres mandam os seus servos buscar água. Estes vão às cisternas e não acham água; voltam com seus cântaros vazios; ficam frustrados e decepcionados, e cobrem a cabeça."
  • 4Os lavradores ficam frustrados e cobrem a cabeça porque o solo está ressecado pela falta de chuva na terra.
  • 5Pois até a corça no campo abandona sua cria recém-nascida, porque não há capim.
  • 6"E os jumentos selvagens ficam nas colinas farejando o vento como os chacais; mas seus olhos enfraquecem porque não há capim."
  • 7"Visto que nossos pecados nos acusam, age por causa do teu nome, ó SENHOR; porque as nossas rebeldias são muitas. Temos pecado contra ti."
  • 8Ó Esperança de Israel, que o salvas no tempo da angústia, por que és como um estrangeiro na terra e como um viajante que fica apenas uma noite?
  • 9"Por que ages como homem surpreen¬dido, como guerreiro que não pode livrar? Mas tu estás no meio de nós, ó SENHOR, e nós somos chamados pelo teu nome; não nos abandones."
  • 10Assim diz o SENHOR acerca deste povo: Eles gostam de vaguear e não detêm os seus pés, por isso o SENHOR não os aceita, mas agora se lembrará de suas iniquidades e castigará os seus pecados.
  • 11Disse-me ainda o SENHOR: Não intercedas pelo bem deste povo.
  • 12"Ainda que jejuem, não ouvirei o seu clamor; ainda que ofereçam holocaustos e ofertas de cereais, não me agradarei deles; pelo contrário, eu os destruirei pela espada, pela fome e pela peste."
  • 13"Então eu disse: Ah! SENHOR Deus, os profetas lhes dizem: Não vereis a espada nem passareis fome; pelo contrário, eu vos darei paz duradoura neste lugar."
  • 14E disse-me o SENHOR: Os profetas profetizam mentiras em meu nome. Não os enviei, nem lhes dei ordem alguma, nem lhes falei. Eles vos profetizam visão falsa, adivinhação, coisas inúteis e o engano do seu coração.
  • 15Portanto, assim diz o SENHOR acerca dos profetas que profetizam em meu nome, sem que eu os tenha mandado, e dizem: Nesta terra não haverá nem espada nem fome. Esses profetas serão destruídos pela espada e pela fome.
  • 16"E o povo a quem eles profetizam será jogado nas ruas de Jerusalém, por causa da fome e da espada; e não haverá ninguém para sepultá-los, nem para sepultar suas mulheres, seus filhos e suas filhas; porque derramarei sobre eles a sua maldade."
  • 17"Portanto, tu lhes dirás esta palavra: Que os meus olhos não parem de derramar lágrimas noite e dia; porque a virgem filha do meu povo está gravemente ferida, com um ferimento mortal."
  • 18"Se saio ao campo, vejo os que foram mortos pela espada; se entro na cidade, vejo os debilitados pela fome. O profeta e o sacerdote percorrem a terra e não entendem nada."
  • 19"Por acaso rejeitaste Judá completamente? Desprezaste Sião? Por que nos feriste, sem que haja possibilidade de cura para nós? Aguardamos a paz, mas não chegou bem algum; e o tempo da cura, mas veio o pavor!"
  • 20"Ah, SENHOR, reconhecemos a nossa maldade e a iniquidade de nossos pais; pois temos pecado contra ti."
  • 21"Não nos desprezes, por causa do teu nome; não tragas vergonha sobre o trono da tua glória; lembra-te e não quebres a tua aliança conosco."
  • 22"Por acaso existe entre os deuses falsos das nações algum que faça chover? Ou podem os céus por si mesmos produzir chuvas? Não é somente tu, ó SENHOR, nosso Deus? Portanto, esperamos em ti; pois tens feito todas essas coisas."
  • 1O SENHOR, porém, me disse: Ainda que Moisés e Samuel intercedessem diante de mim, eu não mostraria favor a este povo. Manda-os embora da minha presença! Que eles saiam!
  • 2"E quando te perguntarem: Para on¬de iremos?, tu lhes dirás: Assim diz o SENHOR: Os destinados à morte irão para a morte; os destinados à espada, para a espada; os destinados à fome, para a fome; e os destinados ao cativeiro, para o cativeiro."
  • 3Pois eu os castigarei com quatro tipos de destruidor, diz o SENHOR: com espada para matar, cães para dilacerar, e aves do céu e animais selvagens para devorar e destruir.
  • 4Farei com que sejam objeto de horror perante todos os reinos da terra, por causa de Manassés, filho de Ezequias, rei de Judá, por tudo quanto fez em Jerusalém.
  • 5Pois quem terá compaixão de ti, ó Jerusalém? Ou quem se entristecerá por ti? Quem sairá de seu caminho para perguntar se estás bem?
  • 6"Tu me rejeitaste, diz o SENHOR, e retrocedeste; por isso, estenderei a minha mão contra ti e te destruirei; estou cansado de mostrar compaixão."
  • 7"Eu os espalhei com a pá nas portas das cidades da terra; deixei-os sem filhos, destruí o meu povo; mas não desistiram dos seus caminhos."
  • 8"As suas viúvas têm se multiplicado mais do que a areia dos mares. Trouxe ao meio-dia um destruidor sobre eles, até mesmo sobre a mãe de jovens guerreiros; fiz que de repente caíssem sobre ela angústia e terrores."
  • 9"A mulher que dava à luz sete filhos se enfraqueceu; sua vida se esvai; o sol se pôs para ela enquanto era dia; ela se confundiu e envergonhou-se. Entregarei à espada os seus sobreviventes, diante dos seus inimigos, diz o SENHOR."
  • As lamentações de Jeremias e as respostas do Senhor

  • 10Ai de mim, minha mãe! Por que me deste à luz? Pois sou homem de conflitos e desavenças com toda a terra. Nunca lhes emprestei, nem eles me emprestaram, todavia cada um deles me amaldiçoa.
  • 11O SENHOR disse: Certamente eu te fortaleci para o bem e farei que o inimigo te procure no tempo da calamidade e no tempo da angústia.
  • 12Pode alguém quebrar o ferro, o ferro do norte, e o bronze?
  • 13"Entregarei gratuitamente as tuas riquezas e os teus tesouros para serem saqueados; e isso por causa de todos os teus pecados em todo o teu território."
  • 14"E farei que sirvas os teus inimigos numa terra que não conheces; porque o fogo de minha ira se acendeu e arderá contra vós."
  • 15"Ó SENHOR, tu me conheces; lembra-te de mim, visita-me e vinga-me dos meus perseguidores. Não permitas que eu pereça, por causa de tua paciência. Sabe que por tua causa tenho sofrido afronta."
  • 16"Quando as tuas palavras foram encontradas, eu as comi; e elas eram para mim o regozijo e a alegria do meu coração; pois levo o teu nome, ó SENHOR Deus dos Exércitos."
  • 17Não me sentei na roda dos que se divertem nem me regozijei com eles. Sentei-me a sós sob a tua mão, pois me encheste de indignação.
  • 18Por que a minha dor dura para sempre? Por que o meu ferimento é incurável e grave? És tu para mim como um ribeiro seco, cujas águas são inconstantes?
  • 19Portanto, assim diz o SENHOR: Se te arrependeres, então te restaurarei, para poderes me servir. Se falares o que é precioso e não o que é inútil, então serás meu porta-voz. Eles voltarão a ti, mas tu não passarás para o lado deles.
  • 20"Eu te colocarei contra este povo como forte muralha de bronze; eles lutarão contra ti, mas não te vencerão; porque eu estou contigo para te salvar e te livrar, diz o SENHOR."
  • 21Eu te livrarei das mãos dos homens ímpios e te resgatarei das garras dos cruéis.
  • Profecia sobre o exílio e o livramento de Israel

  • 1Veio a mim a palavra do SENHOR:
  • 2Não tomes mulher para ti, nem tenhas filhos e filhas neste lugar.
  • 3Pois assim diz o SENHOR acerca dos filhos e das filhas que nascerem neste lugar, acerca das mães que lhes derem à luz e dos pais que os gerarem nesta terra:
  • 4"Morrerão de doenças fatais, ninguém lamentará por eles nem serão sepultados; mas serão como esterco sobre o solo. Serão mortos pela espada e pela fome, e os seus cadáveres servirão de alimento para as aves do céu e para os animais da terra."
  • 5"Pois assim diz o SENHOR: Não entres na casa onde há luto, nem vás para lamentá-los, nem tenhas compaixão deles; porque retirei a minha paz, a minha bondade e a minha misericórdia deste povo, diz o SENHOR."
  • 6"Nesta terra morrerão tanto ricos como pobres; não serão sepultados, e não se lamentará por eles, não se farão incisões, nem se rapará a cabeça por causa deles."
  • 7Não se dará pão aos que estiverem de luto, para consolá-los por causa dos mortos, nem se lhes dará a beber o cálice da consolação pelo pai ou pela mãe.
  • 8Não entres na casa onde há um banquete, para te assentares com eles para comer e beber.
  • 9Pois assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel: Farei cessar neste lugar, diante de vossos olhos e durante vossos dias, a voz de regozijo e a voz de alegria, a voz do noivo e a voz da noiva.
  • 10E quando anunciares a este povo todas estas palavras, e eles te disserem: Por que o SENHOR sentenciou sobre nós toda essa grande calamidade? Que iniquidade ou pecado cometemos contra o SENHOR, nosso Deus?
  • 11Então lhes dirás: Porque vossos pais me abandonaram, diz o SENHOR, e foram atrás de outros deuses para os servir e adorar, me abandonaram e não guardaram a minha lei.
  • 12E vós fizestes pior do que vossos pais, pois cada um de vós segue a teimosia de seu coração maligno, recusando-se a me ouvir.
  • 13"Portanto, eu vos lançarei fora desta terra, para uma terra que não conheceis, nem vós nem vossos pais; e ali servireis dia e noite a outros deuses, pois não terei compaixão de vós."
  • 14"Portanto, dias virão, diz o SENHOR, em que não se dirá mais: Vive o SENHOR, que trouxe os israelitas da terra do Egito;"
  • 15"mas sim: Vive o SENHOR, que trouxe os israelitas da terra do norte e de todas as terras para onde os havia lançado; porque eu os trarei de volta à terra que dei a seus pais."
  • 16"Enviarei muitos pescadores para que vos pesquem, diz o SENHOR; e depois enviarei muitos caçadores para que vos cacem por todo monte e toda colina e nas fendas das rochas."
  • 17"Pois os meus olhos estão sobre todos os seus caminhos; eles não estão escondidos de mim, nem a sua maldade está encoberta aos meus olhos."
  • 18Retribuirei em dobro a sua maldade e o seu pecado, porque contaminaram a minha terra com os cadáveres dos seus ídolos detestáveis, e com suas abominações encheram a minha herança.
  • 19Ó SENHOR, minha força e fortaleza, meu refúgio no dia da aflição, as nações irão a ti desde as extremidades da terra e dirão: Nossos pais herdaram somente falsidade e inutilidade, ídolos sem proveito algum.
  • 20Pode um homem fazer deuses para si? Sim, mas não seriam deuses!
  • 21"Portanto, eu lhes farei conhecer, sim desta vez lhes farei conhecer o meu poder e a minha força; e saberão que o meu nome é SENHOR."
  • O pecado de Judá não pode ser apagado

  • 1"O pecado de Judá está escrito com um estilete de ferro; com ponta de diamante está gravado na tábua do seu coração e nas pontas dos seus altares."
  • 2Seus filhos se lembram dos seus altares e dos seus postes sagrados, junto às árvores frondosas, sobre os altos montes,
  • 3e sobre as montanhas no campo. Darei a tua riqueza e todos os teus tesouros como despojo por causa do pecado nas tuas fronteiras.
  • 4"Assim, tu mesmo renunciarás à tua herança que te dei; e te farei servir aos teus inimigos numa terra que não conheces; porque o furor da minha ira se acendeu e arderá para sempre."
  • Confiança somente no Senhor

  • 5Assim diz o SENHOR: Maldito o homem que confia no homem, que faz daquilo que é mortal a sua força* e afasta do
  • SENHOR o coração!

  • 6"Ele é como um arbusto no deserto, não perceberá quando vier bem algum; pelo contrário, morará nos lugares secos do deserto, em terra salgada e desabitada."
  • 7Bendito o homem que confia no SENHOR, cuja esperança é o SENHOR.
  • 8"Ele é como a árvore plantada junto às águas, que estende suas raízes para o riacho; não temerá quando vier o calor, pois sua folhagem sempre estará verde, e no ano da seca não ficará preocupada, nem deixará de dar fruto."
  • 9"O coração é enganoso e incurável, mais que todas as coisas; quem pode conhecê-lo?"
  • 10Eu, o SENHOR, examino a mente e provo o coração, para retribuir a cada um segundo os seus caminhos e segundo o fruto das suas ações.
  • 11"Como a perdiz que choca ovos que não pôs, assim é aquele que ajunta riquezas por meios injustos; na metade de sua vida elas o deixarão, e no fim ele acabará como tolo."
  • 12Um trono glorioso, posto bem no alto desde o princípio, é o lugar do nosso santuário.
  • 13"Ó SENHOR, esperança de Israel, todos aqueles que te abandonarem serão envergonhados. Os que se apartam de ti terão seus nomes escritos no solo; porque abandonam o SENHOR, a fonte de águas vivas."
  • 14"Cura-me, ó SENHOR, e serei curado; salva-me, e serei salvo; pois tu és o meu louvor."
  • 15E eles me dizem: Onde está a palavra do SENHOR? Que se cumpra!
  • 16"Mas eu não insisti contigo para enviares o mal sobre eles. Tampouco desejei o dia da desgraça; tu o sabes; pois o que saiu dos meus lábios estava diante de ti."
  • 17"Não sejas motivo de terror para mim; tu és o meu refúgio no dia da calamidade."
  • 18Que os meus perseguidores sejam envergonhados, mas não eu! Que fiquem aterrorizados, mas não eu! Traz sobre eles o dia da calamidade, e destrói-os com dupla destruição.
  • A santificação do sábado

  • 19Assim me disse o SENHOR: Vai e põe-te à porta do Povo, pela qual entram e saem os reis de Judá, como também em todas as portas de Jerusalém.
  • 20E dize-lhes: Ouvi a palavra do SENHOR, vós, reis de Judá e todo o Judá, e todos os moradores de Jerusalém, que entrais por estas portas:
  • 21"Assim diz o SENHOR: Pela vossa vida, não leveis cargas no dia de sábado, nem as façais entrar pelas portas de Jerusalém;"
  • 22"nem tireis cargas de casa no dia de sábado, nem façais trabalho algum; pelo contrário, santificai o dia de sábado, como eu ordenei a vossos pais."
  • 23"Mas eles não escutaram, nem prestaram atenção; pelo contrário, endureceram-se e não quiseram ouvir nem aceitar a instrução."
  • 24Mas, diz o SENHOR, se tiverdes o cuidado de me ouvir, não levando cargas através das portas desta cidade no dia de sábado, e santificardes este dia, não fazendo nele trabalho algum,
  • 25"então entrarão pelas portas desta cidade reis e príncipes que se sentarem no trono de Davi, andando em carruagens e montando cavalos, eles e seus príncipes, os homens de Judá e os moradores de Jerusalém; e esta cidade será para sempre habitada."
  • 26E virão das cidades de Judá, e dos arredores de Jerusalém, e da terra de Benjamim, e da planície, e da região montanhosa, e do sul, levando à casa do SENHOR holocaustos, sacrifícios, ofertas de cereais e incenso, além de sacrifícios de ação de graças.
  • 27Mas, se não me ouvirdes, deixando de santificar o dia de sábado e levando cargas, então, quando entrardes pelas portas de Jerusalém no dia de sábado, atearei fogo às suas portas, e ele consumirá os palácios de Jerusalém, e não se apagará.
  • O vaso do oleiro

  • 1Palavra do SENHOR que veio a Jeremias:
  • 2Levanta-te e desce à oficina do oleiro. Lá te farei ouvir as minhas palavras.
  • 3Desci à oficina do oleiro, e ele estava ocupado com a sua obra sobre a roda.
  • 4Como o vaso que o oleiro fazia do barro se estragou nas suas mãos, então fez do barro outro vaso, conforme melhor lhe pareceu.
  • 5Então veio a mim a palavra do SENHOR:
  • 6Por acaso não poderei eu fazer de vós como fez este oleiro, ó casa de Is¬rael?, declara o SENHOR. Como o barro na mão do oleiro, assim sois vós na minha mão, ó casa de Israel.
  • 7Se em algum momento eu falar em arrancar, derrubar e demolir uma nação ou um reino,
  • 8e aquela nação contra a qual eu falar se converter da sua maldade, também eu me arrependerei do mal que planejava fazer-lhe.
  • 9E se em algum momento eu falar em edificar e estabelecer uma nação e um reino,
  • 10e esta nação fizer o mal diante dos meus olhos, não dando ouvidos à minha voz, então me arrependerei do bem que planejava fazer-lhe.
  • 11"Agora, fala aos homens de Judá e aos moradores de Jerusalém: Assim diz o SENHOR: Estou preparando uma calamidade e um plano contra vós; convertei-vos agora cada um do seu mau caminho, e corrigi os vossos caminhos e as vossas ações."
  • 12"Mas eles dizem: Não há esperança; pois seguiremos nossos próprios planos, e cada um fará conforme a teimosia de seu coração maligno."
  • 13Portanto, assim diz o SENHOR: Perguntai agora entre as nações: Quem ouviu tais coisas? Coisa absolutamente horrível fez a virgem de Israel!
  • 14Por acaso a neve do Líbano pode desaparecer dos penhascos rochosos? As águas frias que descem dos montes podem se esgotar?
  • 15"Contudo o meu povo se esqueceu de mim, queimando incenso a ídolos inúteis, que os fazem tropeçar nos seus caminhos e nas trilhas antigas, para que andem por atalhos que não são planos;"
  • 16"para fazerem da sua terra uma desolação e um motivo de constante zombaria; todo aquele que passar por ela ficará admirado e balançará a cabeça."
  • 17"Eu os espalharei com o vento oriental diante do inimigo; no dia da sua calamidade, eu lhes mostrarei as costas e não o rosto."
  • 18"Então disseram: Vinde e façamos planos contra Jeremias; porque nem a instrução do sacerdote, nem o conselho do sábio, nem a palavra do profeta deixarão de existir. Vinde e levantemos acusações contra ele; não atendamos a nenhuma das suas palavras."
  • Jeremias ora contra seus inimigos

  • 19Atende-me, ó SENHOR, e ouve a voz dos que estão em conflito comigo.
  • 20Por acaso se pagará mal por bem? Contudo, cavaram uma cova para mim. Lembra-te de que compareci na tua presença para falar em favor deles, para desviar deles a tua ira.
  • 21"Portanto, entrega os filhos deles à fome, entrega-os ao poder da espada; fiquem suas mulheres sem filhos e viúvas; seus maridos sejam mortos, e seus jovens, mortos pela espada na batalha."
  • 22"Seja ouvido o clamor que vem de suas casas, quando de repente trouxeres tropas sobre eles; pois cavaram uma cova para me prender e fizeram armadilhas para os meus pés."
  • 23"Mas tu, ó SENHOR, conhece-lhes todas as intenções de me matar. Não perdoes a maldade deles, nem apagues o seu pecado de diante da tua face; mas sejam derrubados diante de ti; trata-os assim no tempo da tua ira."
  • A jarra do oleiro e a ruína de Jerusalém

  • 1"Assim disse o SENHOR: Vai e compra uma jarra de oleiro e leva contigo alguns anciãos do povo e alguns anciãos dos sacerdotes;"
  • 2sai ao vale de Ben-Hinom, que está à entrada da porta dos Cacos, e anuncia ali as palavras que eu te disser.
  • 3Assim dirás: Ouvi a palavra do SENHOR, ó reis de Judá e moradores de Jerusalém. Assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel: Trarei sobre este lugar uma calamidade tal, que fará retinir os ouvidos de quem ouvir sobre ela.
  • 4"Pois me abandonaram e profanaram este lugar, queimando nele incenso a outros deuses, que nunca conheceram, nem eles nem seus pais, nem os reis de Judá; e encheram este lugar com sangue de inocentes."
  • 5E nas colinas edificaram altares a Baal, para queimarem seus filhos no fogo como holocaustos a Baal, algo que nunca lhes ordenei, nem falei, nem me passou pela cabeça.
  • 6Por isso, diz o SENHOR, virão dias em que este lugar não se chamará mais Tofete, nem vale de Ben-Hinom, mas vale da Matança.
  • 7Neste lugar, esvaziarei os planos de Judá e de Jerusalém, e os farei cair pela espada diante de seus inimigos e pela mão dos que procuram tirar-lhes a vida. Darei os seus cadáveres por alimento às aves do céu e aos animais da terra.
  • 8"E farei desta cidade uma desolação e um motivo de zombaria; todo aquele que passar por ela se espantará e dela zombará, por causa de todas as suas feridas."
  • 9E lhes farei comer a carne de seus filhos, e a carne de suas filhas, e comerá cada um a carne do seu próximo, por causa do cerco e da angústia provocada pelos seus inimigos, os que procuram tirar-lhes a vida.
  • 10Então quebrarás a jarra na presença dos homens que foram contigo
  • 11"e lhes dirás: Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Deste modo quebrarei este povo e esta cidade, como se quebra a jarra do oleiro, de modo que não mais poderá ser refeita; e os enterrarão em Tofete, pois não haverá outro lugar para enterrar."
  • 12"Assim farei a este lugar e aos seus moradores, diz o SENHOR; esta cidade será como Tofete."
  • 13As casas de Jerusalém e os palácios dos reis de Judá serão profanados como o lugar de Tofete, assim como também todas as casas sobre cujos terraços queimaram incenso a todos os astros dos céus e fizeram ofertas de bebidas a outros deuses.
  • 14Então Jeremias voltou de Tofete, para onde o SENHOR o havia enviado para profetizar. Pondo-se em pé no pátio da casa do SENHOR, disse a todo o povo:
  • 15Assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel: Trarei sobre esta cidade, e sobre todas as cidades ao redor, todo o mal que disse contra ela, pois se endureceram para não ouvir as minhas palavras.
  • Jeremias é preso no tronco

  • 1Pasur, filho de Imer, o sacerdote, que era superintendente da casa do SENHOR, ouviu Jeremias profetizar essas coisas.
  • 2Então Pasur feriu o profeta Jeremias, e o prendeu no tronco que está na porta superior de Benjamim, na casa do SENHOR.
  • 3No dia seguinte, quando Pasur o soltou do tronco, Jeremias lhe disse: O SENHOR já não te chama Pasur, mas Magor-Missabibe.*
  • 4"Porque assim diz o SENHOR: Eu farei de ti um terror para ti mesmo e para todos os teus amigos. Eles cairão pela espada de seus inimigos, e teus olhos o verão. Entregarei todo o Judá nas mãos do rei da Babilônia; ele os levará cativos para a Babilônia e os matará pela espada."
  • 5Também entregarei todas as riquezas desta cidade, todos os seus produtos e coisas preciosas, todos os tesouros dos reis de Judá, na mão de seus inimigos, que os saquearão e, tomando-os, os levarão para a Babilônia.
  • 6"E tu, Pasur, e todos os moradores da tua casa ireis para o cativeiro; e irás para a Babilônia, e ali morrerás e serás sepultado, tu e todos os teus amigos, aos quais profetizaste com falsidade."
  • 7"SENHOR, tu me persuadiste e eu fui persuadido; foste mais forte do que eu e prevaleceste; sou ridicularizado o dia todo; todos zombam de mim."
  • 8Pois sempre que falo, grito e clamo: Violência e destruição! Por isso a palavra do SENHOR trouxe-me intimidação e insulto o dia todo.
  • 9"Se eu disser: Não farei menção dele e não falarei mais no seu nome, então meu coração arde como fogo, pressionando os meus ossos; estou exausto de contê-lo e não tenho mais forças!"
  • 10"Pois ouço a difamação de muitos: Terror por todos os lados! Denunciai-o! Vamos denunciá-lo! Todos os meus amigos esperam que eu tropece e dizem: Talvez ele se deixe enganar; então prevaleceremos contra ele e nos vingaremos dele."
  • 11"Mas o SENHOR está comigo como um poderoso guerreiro; por isso, os meus perseguidores tropeçarão e não prevalecerão. Serão grandemente envergonhados por seu insucesso, desonra eterna que jamais será esquecida. "
  • 12"Tu pois, ó SENHOR dos Exércitos, que pões à prova o justo e vês os pensamentos e o coração, permite que eu veja a tua vingança sobre eles; porque confiei a minha causa a ti."
  • 13"Cantai ao SENHOR, louvai o SENHOR; pois livrou da mão dos malfeitores a vida do pobre."
  • 14"Maldito seja o dia em que nasci; não seja bendito o dia em que minha mãe me deu à luz."
  • 15Maldito seja o homem que deu a notícia a meu pai, dizendo: Nasceu-te um filho, alegrando-o muito com isso.
  • 16"E seja esse homem como as cidades que o SENHOR destruiu sem piedade; e ouça ele gritos pela manhã e gritos de batalha ao meio-dia."
  • 17Por que ele não me matou no ventre materno? Assim o ventre de minha mãe teria sido a minha sepultura, e ela teria ficado grávida para sempre!
  • 18Por que saí do ventre materno? Foi só para ver problemas e tristeza, para que os meus dias terminem em vergonha?
  • Anúncio da destruição de Jerusalém

  • 1Esta é a palavra que veio a Jeremias da parte do SENHOR, quando o rei Zedequias lhe enviou Pasur, filho de Malquias, e o sacerdote Sofonias, filho de Maaseias, dizendo:
  • 2"Consulta agora o SENHOR por nós porque Nabucodonosor, rei da Babilônia, está nos atacando; talvez o SENHOR realize em nosso meio uma de suas maravilhas, e o rei se retire de nós."
  • 3Então Jeremias lhes respondeu: Assim direis a Zedequias:
  • 4Assim diz o SENHOR, o Deus de Israel: Eu voltarei contra vós as armas de guerra, que estão nas vossas mãos, com as quais lutais contra o rei da Babilônia e contra os babilônios, que vos sitiam ao redor dos muros, e os reunirei dentro desta cidade.
  • 5E eu mesmo lutarei contra vós com mão estendida, e com braço forte, com ira, furor e grande indignação.
  • 6"E ferirei os habitantes desta cidade, tanto os homens como os animais; morrerão de uma praga devastadora."
  • 7"E depois disso, diz o SENHOR, entregarei Zedequias, rei de Judá, e seus servos, e o povo, e os que desta cidade sobreviverem à peste, à espada e à fome, nas mãos de Nabucodonosor, rei da Babilônia, na mão de seus inimigos e na mão dos que procuram tirar-lhes a vida. Ele os matará ao fio da espada; não os poupará, nem terá compaixão ou misericórdia."
  • 8E dirás a este povo: Assim diz o SENHOR: Eu ponho diante de vós o caminho da vida e o caminho da morte.
  • 9"Quem permanecer nesta cidade morrerá pela espada, pela fome ou pela peste; mas quem sair e se render aos babilônios que vos cercam, viverá e terá a sua própria vida por despojo."
  • 10Porque determinei fazer o mal contra esta cidade e não o bem, diz o SENHOR. Ela será entregue nas mãos do rei da Babilônia, e ele a incendiará.
  • Judá é advertida a deixar a injustiça

  • 11E dirás à casa do rei de Judá: Ouvi a palavra do SENHOR:
  • 12Ó casa de Davi, assim diz o SENHOR: Executai justiça pela manhã e livrai o oprimido da mão do opressor, para que o meu furor não saia como fogo e se acenda, sem que ninguém o apague, por causa da maldade de vossas ações.
  • 13"Eu estou contra ti, que estás entronizada sobre o vale, no planalto rochoso, diz o SENHOR; contra vós, que dizeis: Quem virá contra nós? Quem entrará nas nossas moradas?"
  • 14"E eu vos castigarei segundo o fruto das vossas ações, diz o SENHOR; e no seu bosque acenderei fogo que consumirá tudo o que estiver ao seu redor."
  • Profecia contra a casa real de Judá

  • 1Assim diz o SENHOR: Desce à casa do rei de Judá, e anuncia ali esta palavra.
  • 2"E dize: Ouve a palavra do SENHOR, ó rei de Judá, que te assentas no trono de Davi; ouvi, tu, teus servos e teu povo, que entrais por estas portas."
  • 3"Assim diz o SENHOR: Exercei o direito e a justiça, e livrai da mão do opressor aquele que está sendo explorado por ele. Não façais nenhum mal e nenhuma violência ao estrangeiro, nem ao órfão, nem à viúva; não derrameis sangue inocente neste lugar."
  • 4Pois se cumprirdes com cuidado esta palavra, os reis que se assentarem sobre o trono de Davi entrarão pelas portas desta casa, em carruagens e cavalos, juntamente com os seus servos e o seu povo.
  • 5Mas se não derdes ouvidos a estas palavras, juro por mim mesmo, diz o SENHOR, que esta casa ficará deserta.
  • 6"Pois assim diz o SENHOR acerca do palácio do rei de Judá: Tu és para mim como Gileade e como o alto da montanha do Líbano; todavia, certamente farei de ti um deserto e uma cidade desabitada."
  • 7"E prepararei contra ti destruidores, cada um com as suas armas; eles cortarão os teus melhores cedros e os lançarão no fogo."
  • 8Muitas nações passarão por esta cidade e perguntarão umas às outras: Por que o SENHOR tratou assim esta grande cidade?
  • 9Então responderão: Porque abandonaram a aliança do SENHOR, seu Deus, adoraram e serviram a outros deuses.
  • O fim do rei Salum

  • 10"Não choreis pelo morto, nem lamenteis por ele; mas chorai amargamente por aquele que parte, porque não voltará mais, nem verá a terra onde nasceu."
  • 11Pois assim diz o SENHOR acerca de Salum, filho de Josias, rei de Judá, que reinou em lugar de Josias, seu pai, e partiu deste lugar: Nunca mais voltará para cá.
  • 12Mas morrerá no lugar para onde o levaram cativo e nunca mais verá esta terra.
  • O fim do rei Jeoaquim

  • 13"Ai daquele que constrói a sua casa com meios ilícitos, e os seus aposentos, com injustiça; que faz com que seu próximo trabalhe de graça e não lhe paga o salário."
  • 14"Ele diz: Construirei para mim uma casa espaçosa, com amplos aposentos; ela terá janelas, será forrada de cedro e pintada de vermelho."
  • 15Por acaso reinarás porque tens acumulado cedro? Teu pai não comeu e bebeu? Ele agiu com justiça e retidão, por isso as coisas iam bem para ele.
  • 16"Julgou a causa do necessitado e do pobre; e as coisas iam bem. Por acaso não é isso o que significa conhecer-me?, diz o SENHOR."
  • 17Mas não tens olhos nem coração, a não ser para a tua ganância, para derramar sangue inocente, para opressão e extorsão.
  • 18Portanto, assim diz o SENHOR acerca de Jeoaquim, filho de Josias, rei de Judá: Não o lamentarão, dizendo: Ai, meu irmão! ou: Ai, minha irmã! Nem o lamentarão, dizendo: Ai, senhor! ou: Ai, sua majestade!
  • 19Ele será sepultado como se sepulta um jumento, será arrastado e lançado fora das portas de Jerusalém.
  • 20"Sobe ao Líbano, e clama, e levanta a tua voz em Basã, e clama desde Abarim; porque todos os teus amantes foram esmagados."
  • 21"Falei contigo no tempo da tua prosperidade; mas tu disseste: Não escutarei. Este tem sido o teu procedimento, desde a tua juventude não ouves a minha voz."
  • 22"O vento apascentará todos os teus pastores, e os teus amantes irão para o cativeiro; certamente então ficarás envergonhada e serás humilhada por causa de toda a tua maldade."
  • 23Ó tu, que estás entronizada no Líbano,* aninhada nos cedros, como gemerás quando te vierem dores e aflição como as de uma mulher em trabalho de parto!
  • O fim do rei Joaquim

  • 24Por minha vida, diz o SENHOR, ainda que tu, Joaquim,* filho de Jeoaquim, rei de Judá, fosses o anel de selar da minha mão direita, eu te arrancaria.
  • 25Eu te entregarei nas mãos dos que procuram tirar-te a vida e nas mãos daqueles a quem temes: na mão de Nabucodonosor, rei da Babilônia, e na mão dos babilônios.
  • 26Expulsarei a ti e a tua mãe, que te deu à luz, para outra terra, onde não nascestes, mas na qual morrereis.
  • 27Mas eles não voltarão à terra para a qual desejam voltar.
  • 28É este homem, Joaquim,* algum vaso inútil e quebrado, um vaso que ninguém deseja? Por que razão ele e a sua linhagem foram expulsos e lançados para uma terra que não conhecem?
  • 29Ó terra, terra, terra, ouve a palavra do SENHOR!
  • 30"Assim diz o SENHOR: Registrai que este homem não tem filhos, homem que não prosperará nos seus dias; pois ninguém de sua linhagem prosperará para assentar-se sobre o trono de Davi e reinar de novo em Judá."
  • Os falsos pastores

  • 1Ai dos pastores que destroem e dispersam as ovelhas do meu pasto, diz o SENHOR.
  • 2Portanto, assim diz o SENHOR, o Deus de Israel, contra os pastores que apascentam o meu povo: Vós dispersastes as minhas ovelhas e as afugentastes, e não cuidastes delas. Eu vos castigarei pelo mal que cometestes, diz o SENHOR.
  • 3"Eu mesmo reunirei o remanescente das minhas ovelhas de todas as terras para onde as tiver expulsado e as levarei de volta à sua pastagem; então elas se tornarão férteis e se multiplicarão."
  • 4Porei sobre elas pastores que as conduzam. Elas nunca mais temerão, nem ficarão apavoradas, e nenhuma delas se perderá, diz o SENHOR.
  • O Renovo no trono de Davi

  • 5E virão dias, diz o SENHOR, em que levantarei para Davi um Renovo justo, um rei que reinará e agirá com sabedoria, executando a justiça e o direito na terra.
  • 6"Nos seus dias, Judá será salva, e Israel habitará seguro; e este é o nome com que será chamado: O SENHOR, NOSSA JUSTIÇA."
  • 7"Portanto, diz o SENHOR, virão dias em que não mais se dirá: Juro pelo SENHOR, que tirou os israelitas da terra do Egito;"
  • 8mas: Juro pelo SENHOR, que tirou e trouxe os descendentes da casa de Israel da terra do norte, e de todas as terras para onde os havia expulsado para habitarem em sua terra.
  • Palavra contra os falsos profetas

  • 9"Quanto aos profetas, no meu íntimo, meu coração está quebrantado; todos os meus ossos estremecem; sou como um homem embriagado, como um homem dominado pelo vinho, por causa do SENHOR e das suas santas palavras."
  • 10"Pois a terra está cheia de adúlteros; a terra chora por causa disso,* e os pastos do deserto se secam. O seu procedimento é mau e o seu poder não é correto."
  • 11"Porque tanto o profeta como o sacerdote são profanos; até na minha casa achei sua maldade, diz o SENHOR."
  • 12"Portanto, o seu caminho lhes será como lugares escorregadios na escuridão; serão empurrados e nela cairão. Porque trarei sobre eles a calamidade no ano da sua punição, diz o SENHOR."
  • 13Vi uma coisa imoral entre os profetas de Samaria: eles profetizavam da parte de Baal e desviavam o meu povo Israel.
  • 14"Mas vejo uma coisa horrível entre os profetas de Jerusalém: cometem adultérios, vivem falsamente e incentivam os malfeitores para que não se convertam de sua maldade; eles têm sido para mim como Sodoma, e os seus moradores, como Gomorra."
  • 15"Portanto, assim diz o SENHOR dos Exércitos acerca dos profetas: Darei a eles comida amarga e lhes farei beber água envenenada; porque dos profetas de Jerusalém saiu a contaminação sobre toda a terra."
  • 16"Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Não deis ouvidos às palavras dos profetas, que vos profetizam, enchendo-vos de ilusões; falam da visão do próprio coração, não da boca do SENHOR."
  • 17Dizem continuamente aos que desprezam a palavra do SENHOR: Tereis paz. E dizem a todo aquele que anda na teimosia do seu coração: Nenhum mal virá sobre ti.
  • 18Pois quem dentre eles esteve no conselho do SENHOR, para que percebesse e ouvisse a sua palavra, ou quem esteve atento e escutou a sua palavra?
  • 19"Aí está a tempestade do SENHOR! A sua fúria foi desencadeada; um tufão gira sobre a cabeça dos ímpios."
  • 20A ira do SENHOR não recuará até que ele tenha executado e cumprido os seus planos. Nos últimos dias entendereis isso claramente.
  • 21"Eu não enviei esses profetas, contudo foram correndo; não lhes falei, todavia profetizaram."
  • 22Mas se tivessem comparecido ao meu conselho, então teriam feito o meu povo ouvir as minhas palavras e o teriam afastado do seu mau caminho e da maldade das suas ações.
  • 23Diz o SENHOR: Sou eu apenas Deus de perto? Não sou também Deus de longe?
  • 24Pode alguém esconder-se em esconderijos sem que eu o veja?, diz o SENHOR. Não sou eu o que enche os céus e a terra?, diz o SENHOR.
  • 25Tenho ouvido o que dizem esses profetas que profetizam mentiras em meu nome, dizendo: Sonhei, sonhei.
  • 26Até quando se achará isso no coração dos profetas que profetizam mentiras e o engano do próprio coração?
  • 27Com os sonhos que relatam uns aos outros, eles planejam fazer o meu povo se esquecer do meu nome, assim como seus pais se esqueceram do meu nome por causa de Baal.
  • 28"O profeta que tem um sonho, conte o sonho; e aquele que tem a minha palavra, fale fielmente a minha palavra. Que tem a palha em comum com o trigo?, diz o SENHOR."
  • 29Não é a minha palavra como fogo, diz o SENHOR, e como martelo que esmaga a rocha?
  • 30Portanto, estou contra os profetas, diz o SENHOR, os quais furtam uns dos outros as minhas palavras, cada um ao seu próximo.
  • 31Estou contra os profetas, diz o SENHOR, que usam a própria língua e declaram um oráculo: Ele disse.
  • 32"Estou contra os que profetizam sonhos falsos, diz o SENHOR, e os contam, e desviam o meu povo com as suas mentiras e com a sua irresponsabilidade. Eu, porém, não os enviei, nem lhes dei ordem; eles não trazem proveito algum a este povo, diz o SENHOR."
  • 33Quando este povo, um profeta ou um sacerdote te perguntar: Qual é a sentença pesada do SENHOR? Então lhes dirás: Vós sois o peso! E eu vos deixarei, diz o SENHOR.
  • 34E se o profeta, o sacerdote ou alguém do povo disser: Esta é a sentença pesada do SENHOR!, então castigarei aquele homem e a sua família.
  • 35Assim direis, cada um ao seu próximo e cada um ao seu irmão: Que respondeu o SENHOR? Que falou o SENHOR?
  • 36Mas nunca mais fareis menção da sentença pesada do SENHOR, porque a palavra que cada um proferir lhe servirá de sentença. Pois distorceis as palavras do Deus vivo, do SENHOR dos Exércitos, o nosso Deus.
  • 37Assim dirás ao profeta: Que te respondeu o SENHOR? Que falou o SENHOR?
  • 38"Se, porém, disserdes: Esta é a sentença pesada do SENHOR; assim diz o SENHOR: Porque dizeis esta palavra: Esta é a sentença pesada do SENHOR, ao passo que mandei dizer-vos: Não direis: Esta é a sentença pesada do SENHOR;"
  • 39certamente eu vos erguerei* e vos lançarei fora da minha presença, vós e a cidade que dei a vós e a vossos pais.
  • 40Porei sobre vós uma humilhação perpétua e vergonha para sempre, que jamais será esquecida.
  • A visão dos dois cestos de figos

  • 1O SENHOR mostrou-me dois cestos de figos, colocados diante do templo do SENHOR. Isso aconteceu depois que Nabucodonosor, rei da Babilônia, levou cativos de Jerusalém para a Babilônia Joaquim,* filho de Jeoaquim, rei de Judá, os príncipes de Judá, os carpinteiros e os artífices de Jerusalém.
  • 2"Um cesto tinha figos muito bons, como os figos maduros; mas o outro cesto tinha figos muito ruins, que não podiam ser comidos, de tão estragados que estavam."
  • 3"Então o SENHOR me perguntou: Que vês, Jeremias? E eu respondi: Figos; os figos bons, muito bons, e os ruins, muito ruins, que não podem ser comidos, de tão estragados que estão."
  • 4Então a palavra do SENHOR veio a mim:
  • 5Assim diz o SENHOR, Deus de Israel: Como estes bons figos, mostrarei favor aos exilados de Judá, os quais expulsei deste lugar para a terra dos babilônios.
  • 6"Fixarei meus olhos sobre eles, para o seu bem, e os trarei de volta a esta terra. E os edificarei, e não os demolirei; plantarei, e não os arrancarei."
  • 7"Eu lhes darei coração para que saibam que eu sou o SENHOR. Eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus; pois se voltarão para mim de todo o coração."
  • 8Mas como os figos ruins, que não podem ser comidos, de tão estragados que estão, assim diz o SENHOR: Do mesmo modo tratarei Zedequias, rei de Judá, os seus príncipes e os sobreviventes de Jerusalém, que restaram nesta terra, e os que habitam na terra do Egito.
  • 9Farei deles objeto de horror e ofensa para todos os reinos da terra. Em todos os lugares para onde os banir serão uma humilhação e um exemplo, objeto de ridículo e maldição.
  • 10Enviarei contra eles a espada, a fome e a peste, até que sejam eliminados de sobre a terra que dei a eles e a seus pais.
  • Setenta anos de exílio

  • 1"No quarto ano de Jeoaquim, filho de Josias, rei de Judá, no primeiro ano de Nabucodonosor, rei da Babilônia, esta palavra veio a Jeremias a respeito de todo o povo de Judá;"
  • 2e o profeta Jeremias anunciou-a a todo o povo de Judá e a todos os habitantes de Jerusalém, dizendo:
  • 3Por um período de vinte e três anos, desde o décimo terceiro ano de Josias, filho de Amom, rei de Judá, até o dia de hoje, a palavra do SENHOR tem vindo a mim, e eu a tenho anunciado a vós, falando-vos insistentemente. Mas vós não tendes dado ouvidos.
  • 4Também o SENHOR vos enviou com insistência todos os seus servos, os profetas, mas não destes ouvidos nem inclinastes os ouvidos para ouvir,
  • 5"quando vos diziam: Convertei-vos agora cada um do seu mau caminho e da maldade das suas ações; e habitareis na terra que o SENHOR deu a vós e a vossos pais, desde os tempos antigos e para sempre."
  • 6"Não sigais outros deuses para servi-los e adorá-los, nem me provoqueis à ira com a obra de vossas mãos; e não trarei mal algum sobre vós."
  • 7Todavia, não me destes ouvidos, diz o SENHOR, mas me provocastes à ira com a obra de vossas mãos, para vosso próprio mal.
  • 8Portanto, assim diz o SENHOR dos Exércitos: Visto que não destes ouvidos às minhas palavras,
  • 9"chamarei todos os povos do norte, diz o SENHOR, como também Nabucodonosor, rei da Babilônia, meu servo, e os trarei sobre esta terra, sobre os seus moradores e sobre todas estas nações em redor; eu os destruirei totalmente e farei que se tornem objeto de terror, de zombaria e de perpétua desolação."
  • 10Farei cessar dentre eles a voz de júbilo e a voz de alegria, a voz do noivo e a voz da noiva, o som do moinho e a luz do candeeiro.
  • 11"Toda esta terra se tornará em desolação e ruína; e estas nações servirão ao rei da Babilônia durante setenta anos."
  • 12Acontecerá, porém, que quando se cumprirem os setenta anos, castigarei a maldade do rei da Babilônia e a sua nação, diz o SENHOR. Também tornarei a terra dos babilônios em assolação para sempre.
  • 13"Todas as palavras que anunciei contra aquela terra se cumprirão sobre ela; e tudo quanto está escrito neste livro, que Jeremias profetizou contra todas as nações."
  • 14"Porque muitas nações e grandes reis farão deles seus escravos; assim lhes retribuirei segundo os seus feitos e segundo as obras das suas mãos."
  • 15Pois assim me disse o SENHOR, o Deus de Israel: Toma da minha mão este cálice do vinho do meu furor e faze que o bebam todas as nações a quem eu te enviar.
  • 16Beberão e cambalearão, e enlouquecerão por causa da espada que enviarei entre elas.
  • 17Então tomei o cálice da mão do SENHOR e fiz com que todas as nações a quem o SENHOR me enviou o bebessem:
  • 18"Jerusalém, as cidades de Judá e seus reis e príncipes, para fazer deles desolação e objeto de horror, zombaria e maldição, como hoje se vê;"
  • 19"o faraó, rei do Egito, e seus servos e príncipes, e todo o seu povo;"
  • 20"e toda a população estrangeira, e todos os reis da terra de Uz, e todos os reis da terra dos filisteus, Asquelom, Gaza, Ecrom e o que resta de Asdode;"
  • 21"e Edom, Moabe e os amonitas;"
  • 22"e todos os reis de Tiro e de Sidom, e os reis das terras de além-mar;"
  • 23"Dedã, Temá, Buz e todos os que rapam os cabelos da cabeça;"
  • 24"todos os reis da Arábia e da população estrangeira que habita no deserto;"
  • 25"todos os reis de Zinri, de Elão e da Média;"
  • 26todos os reis do norte, os de perto e os que estão longe, cada um deles, e todos os reinos que estão sobre a face da terra. O rei de Sesaque* beberá depois deles.
  • 27Pois lhes dirás: Assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel: Bebei e embebedai-vos, vomitai e caí, e não volteis a vos levantar, por causa da espada que enviarei entre vós.
  • 28Se recusarem tomar o copo da tua mão para beber, então lhes dirás: Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Bebereis!
  • 29Pois se trago a calamidade até sobre a cidade que se chama pelo meu nome, pensais que ficareis impunes? Não ficareis impunes, pois envio a espada sobre todos os moradores da terra, diz o SENHOR dos Exércitos.
  • 30"Tu, pois, lhes profetizarás todas essas palavras e lhes dirás: O SENHOR ruge do alto, e da sua santa morada o seu trovão será ouvido. Rugirá fortemente contra a sua habitação; dará brados, como os que pisam as uvas, contra todos os moradores da terra."
  • 31O estrondo chegará até a extremidade da terra, porque o SENHOR tem contenda contra as nações, entrará em juízo com todo homem.* Quanto aos ímpios, ele os entregará à espada, diz o SENHOR.
  • 32Assim diz o SENHOR dos Exércitos: O mal passa de nação para nação, e grande tempestade se levantará dos confins da terra.
  • 33"Naquele dia, os que forem mortos pelo SENHOR estarão desde uma extremidade da terra até a outra; não serão pranteados, nem recolhidos, nem sepultados; mas serão como esterco sobre a superfície da terra."
  • 34"Chorai, pastores, e clamai; revolvei-vos na cinza, vós que sois os principais do rebanho; pois já chegou o dia de serdes mortos, e eu vos despedaçarei, e vós então caireis como carneiros escolhidos."
  • 35E não haverá refúgio para os pastores, nem lugar para onde possam escapar os principais do rebanho.
  • 36"Aí está o grito dos pastores, o choro dos principais do rebanho; porque o SENHOR está devastando o pasto deles."
  • 37E as suas pastagens pacíficas estão desoladas, por causa do furor da ira do SENHOR.
  • 38"Como um leão, deixou sua toca; porque a sua terra se tornou em desolação, por causa do furor do opressor e do furor da sua ira."
  • Jeremias prediz a ruína do templo e de Jerusalém

  • 1No início do reinado de Jeoaquim, filho de Josias, rei de Judá, veio esta palavra da parte do SENHOR:
  • 2"Assim diz o SENHOR: Apresenta-te no pátio da casa do SENHOR e dize aos habitantes das cidades de Judá, que vêm adorar na casa do SENHOR, todas as palavras que te mando que lhes fales; não omitas uma só palavra."
  • 3Pode ser que ouçam e se convertam cada um do seu mau caminho, para que eu desista do mal que planejo fazer-lhes por causa da maldade das suas ações.
  • 4Dize-lhes, pois: Assim diz o SENHOR: Se não me obedecerdes para andardes na minha lei, que estabeleci diante de vós,
  • 5"e para ouvirdes as palavras dos meus servos, os profetas, os quais vos tenho enviado, embora não lhes tenhais dado ouvidos;"
  • 6então tratarei esta casa como fiz a Siló e farei desta cidade um exemplo de maldição para todas as nações da terra.
  • A conspiração contra Jeremias

  • 7Os sacerdotes, os profetas e todo o povo ouviram Jeremias anunciar essas palavras na casa do SENHOR.
  • 8Quando Jeremias terminou de dizer tudo quanto o SENHOR lhe havia ordenado que dissesse a todo o povo, os sacerdotes, os profetas e todo o povo o agarraram, dizendo: Serás morto!
  • 9Por que profetizaste em nome do SENHOR, dizendo que esta casa será como Siló, e esta cidade ficará deserta e desabitada? E todo o povo ajuntou-se contra Jeremias, na casa do SENHOR.
  • 10Quando os chefes de Judá ouviram essas coisas, subiram do palácio do rei à casa do SENHOR e se assentaram como juízes à entrada da porta Nova da casa do SENHOR.
  • 11Então os sacerdotes e os profetas falaram aos chefes e a todo o povo: Este homem deve ser condenado à morte, porque profetizou contra esta cidade, como ouvistes com os próprios ouvidos.
  • 12E Jeremias falou a todos os chefes e a todo o povo: O SENHOR enviou-me para profetizar contra esta casa, e contra esta cidade, todas as palavras que ouvistes.
  • 13Agora, endireitai os vossos caminhos e as vossas ações, e ouvi a voz do SENHOR, vosso Deus, e o SENHOR se arrependerá do mal que falou contra vós.
  • 14"Mas eu estou nas vossas mãos; fazei a mim o que vos parecer bom e correto."
  • 15Estai, porém, plenamente certos de que, se me matardes, poreis sobre vós mesmos, e sobre esta cidade e seus habitantes, a culpa pelo sangue inocente. Pois, na verdade, o SENHOR me enviou a vós, para anunciar-vos todas essas palavras.
  • A conspiração fracassa

  • 16Então os chefes e todo o povo disseram aos sacerdotes e aos profetas: Este homem não deve ser sentenciado à morte, porque ele nos falou em nome do SENHOR, nosso Deus.
  • 17Também alguns dos anciãos da terra se levantaram e falaram a toda a assembleia do povo:
  • 18Miqueias, de Moresete, profetizou nos dias de Ezequias, rei de Judá, e assim falou a todo o povo de Judá: Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Sião será lavrada como um campo, e Jerusalém se tornará um amontoado de ruínas, e o monte desta casa, como uma elevação coberta por um bosque.
  • 19Por acaso Ezequias, rei de Judá, ou alguém de Judá, o matou? Não temeu ele o SENHOR e não implorou o seu favor? E o SENHOR não se arrependeu do mal que falara contra eles? Mas nós estamos fazendo um grande mal contra a nossa própria vida.
  • 20Também houve outro homem que profetizou em nome do SENHOR: Urias, filho de Semaías, de Quiriate-Jearim, que profetizou contra esta cidade e contra esta terra, nos mesmos termos de Jeremias.
  • 21Quando o rei Jeoaquim, e todos os seus guerreiros, e todos os chefes, ouviram as palavras dele, o rei procurou matá-lo. Ouvindo isso, Urias temeu e fugiu para o Egito.
  • 22Mas o rei Jeoaquim enviou ao Egito alguns homens: Elnatã, filho de Acbor, e outros em sua companhia,
  • 23os quais tiraram Urias do Egito e o trouxeram ao rei Jeoaquim, que o matou à espada e lançou o seu cadáver numa sepultura comum.
  • 24Entretanto, Aicã, filho de Safã, defendeu Jeremias, de forma que ele não foi entregue na mão do povo, para ser morto.
  • Jeremias recomenda submissão ao rei da Babilônia

  • 1No princípio do reinado de Zedequias,* filho de Josias, rei de Judá, esta palavra veio a Jeremias da parte do SENHOR:
  • 2Assim me disse o SENHOR: Faze para ti um jugo com cordas e pedaços de madeira e coloca-o sobre o pescoço.
  • 3Depois, envia-os como mensagens* aos reis de Edom, de Moabe, dos amonitas, de Tiro e de Sidom, por meio dos mensageiros que vêm a Jerusalém encontrar-se com Zedequias, rei de Judá.
  • 4Tu lhes ordenarás que transmitam aos seus senhores esta mensagem: Assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel: Assim direis a vossos senhores:
  • 5Eu fiz a terra, os homens e os animais que nela estão com o meu grande poder e o meu braço estendido, e dou-a a quem eu achar por bem.
  • 6"E agora entrego todas estas terras na mão de Nabucodonosor, rei da Babilônia, meu servo; dou-lhe até mesmo os animais selvagens, para que o sirvam."
  • 7Todas as nações servirão a ele e a seu filho, e ao filho de seu filho, até que chegue o tempo de sua própria terra servir a muitas nações e grandes reis.
  • 8Punirei com espada, fome e peste a nação ou reino que não se sujeitar a Nabucodonosor, rei da Babilônia, e não puser o pescoço sob o seu jugo, diz o SENHOR, até que por meio dele eu os tenha eliminado.
  • 9Portanto, não deis ouvidos aos vossos profetas, adivinhadores, intérpretes de sonhos, médiuns e encantadores, que vos dizem: Não vos sujeiteis ao rei da Babilônia.
  • 10Porque eles vos profetizam mentira, para vos lançar para longe da vossa terra, para que eu vos expulse e sejais destruídos.
  • 11Mas a nação que puser o pescoço sob o jugo do rei da Babilônia e se sujeitar a ele, eu a deixarei na sua terra para cultivá-la e ali habitar, diz o SENHOR.
  • 12Falei a Zedequias, rei de Judá, nos mesmos termos: Colocai o pescoço sob o jugo do rei da Babilônia e sujeitai-vos a ele e ao seu povo, para que vivais.
  • 13Por que tu e o teu povo morreríeis pela espada, pela fome e pela peste, como o SENHOR disse acerca da nação que não se sujeitar ao rei da Babilônia?
  • 14"Não deis ouvidos às palavras dos profetas que vos dizem: Não vos sujeitareis ao rei da Babilônia; porque eles vos profetizam mentiras."
  • 15Porque eu não os enviei, diz o SENHOR. Eles profetizam mentiras em meu nome, para que eu vos expulse e destrua, vós e os profetas que vos profetizam.
  • 16Então falei aos sacerdotes e a todo este povo: Assim diz o SENHOR: Não deis ouvidos às palavras dos vossos profetas, que vos profetizam dizendo: Os utensílios da casa do SENHOR logo voltarão da Babilônia. Eles vos profetizam mentiras.
  • 17"Não lhes deis ouvidos; sujeitai-vos ao rei da Babilônia e vivei. Por que esta cidade se tornaria em ruínas?"
  • 18Se, porém, eles são profetas, e com eles está a palavra do SENHOR, intercedam agora ao SENHOR dos Exércitos, para que os utensílios que ficaram na casa do SENHOR, no palácio do rei de Judá e em Jerusalém não sejam levados para a Babilônia.
  • 19Pois assim diz o SENHOR dos Exércitos acerca das colunas, do tanque, das bases e dos demais utensílios que ficaram na cidade,
  • 20os quais Nabucodonosor, rei da Babilônia, não transportou, quando levou de Jerusalém para a Babilônia Joaquim, filho de Jeoaquim, rei de Judá, como também a todos os nobres de Judá e de Jerusalém.
  • 21Portanto, assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel, acerca dos utensílios que ficaram na casa do SENHOR, no palácio do rei de Judá e em Jerusalém:
  • 22Serão levados para a Babilônia e ali ficarão até o dia em que eu os buscar, diz o SENHOR. Então os tirarei de lá e os restaurarei a este lugar.
  • A luta de Jeremias contra o falso profeta Hananias

  • 1Naquele mesmo ano, no início de seu reinado, no quinto mês do quarto ano de Zedequias, rei de Judá, Hananias, filho de Azur, o profeta de Gibeão, me disse na casa do SENHOR, na presença dos sacerdotes e de todo o povo:
  • 2Assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel: Quebrarei o jugo do rei da Babilônia.
  • 3Dentro de dois anos, trarei de volta a este lugar todos os utensílios da casa do SENHOR, que Nabucodonosor, rei da Babilônia, tomou deste lugar e levou para a Babilônia.
  • 4"Também Joaquim, filho de Jeoaquim, rei de Judá, e todos os exilados de Judá que foram levados para a Babilônia, trarei de volta a este lugar, diz o SENHOR; pois quebrarei o jugo do rei da Babilônia."
  • 5Então o profeta Jeremias respondeu ao profeta Hananias, na presença dos sacerdotes, e na presença de todo o povo que estava na casa do SENHOR.
  • 6Disse, pois, o profeta Jeremias: Amém! Assim faça o SENHOR! Cumpra o SENHOR as palavras que profetizaste e traga de volta para este lugar os utensílios da casa do SENHOR, assim como todos os exilados da Babilônia.
  • 7Mas ouve agora esta palavra, que falo a ti e a todo o povo:
  • 8Os profetas que vieram antes de mim e antes de ti, desde a antiguidade, profetizaram contra muitas nações e contra grandes reinos, acerca de guerra, de calamidade* e de peste.
  • 9Mas o profeta que profetizar paz será reconhecido como verdadeiramente enviado pelo SENHOR apenas quando se cumprir a sua palavra.
  • 10Então o profeta Hananias tomou o jugo do pescoço do profeta Jeremias e o quebrou.
  • 11E Hananias falou na presença de todo o povo: Assim diz o SENHOR: Dessa forma, dentro de dois anos, quebrarei o jugo de Nabucodonosor, rei da Babilônia, de sobre o pescoço de todas as nações. Então o profeta Jeremias retirou-se.
  • A morte de Hananias

  • 12Depois que o profeta Hananias quebrou o jugo do pescoço do profeta Jeremias, a palavra do SENHOR veio a Jeremias:
  • 13Vai e fala a Hananias: Assim diz o SENHOR: Quebraste um jugo de madeira, mas em vez dele farás* um jugo de ferro.
  • 14"Pois assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel: Coloquei um jugo de ferro sobre o pescoço de todas estas nações, para que se sujeitem a Nabucodonosor, rei da Babilônia; e elas se sujeitarão a ele; e entreguei-lhe até os animais selvagens."
  • 15Então o profeta Jeremias disse ao profeta Hananias: Ouve agora, Hananias: O SENHOR não te enviou, mas tu fazes com que este povo confie numa mentira.
  • 16Por isso, assim diz o SENHOR: Eu te removerei da face da terra. Este ano morrerás, porque pregaste rebelião contra o SENHOR.
  • 17O profeta Hananias morreu naquele mesmo ano, no sétimo mês.
  • A carta de Jeremias para os cativos da Babilônia

  • 1Estas são as palavras da carta que o profeta Jeremias enviou de Jerusalém ao restante dos anciãos dentre os exilados, como também aos sacerdotes, aos profetas e a todo o povo que Nabucodonosor havia deportado de Jerusalém para a Babilônia.
  • 2Isso se deu depois que o rei Joaquim, a rainha-mãe, os funcionários do palácio, os chefes de Judá e Jerusalém, os carpinteiros e os artífices haviam saído de Jerusalém para o exílio.
  • 3A carta foi enviada por intermédio de Elasa, filho de Safã, e de Gemarias, filho de Hilquias, os quais Zedequias, rei de Judá, enviara a Nabucodonosor, rei da Babilônia. A carta dizia:
  • 4Assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel, a todos os que estão no exílio, aos quais deportei de Jerusalém para a Babilônia:
  • 5"Edificai casas e habitai nelas; plantai pomares e comei do seu fruto."
  • 6"Casai-vos com mulheres e gerai filhos e filhas; também tomai esposas para vossos filhos e dai vossas filhas em casamento para que tenham filhos e filhas. Multiplicai-vos ali e não venhais a diminuir."
  • 7"Empenhai-vos pela prosperidade da cidade, para onde vos exilei, e orai ao SENHOR em favor dela; porque a prosperidade dela será a vossa prosperidade."
  • 8Pois assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel: Não vos deixeis enganar pelos profetas e adivinhos que vivem entre vós, nem deis ouvidos aos sonhos que eles sonham por vós.
  • 9"Eles vos profetizam mentiras em meu nome; eu não os enviei, diz o SENHOR."
  • 10Porque assim diz o SENHOR: Quando se completarem os setenta anos designados para a Babilônia, virei a vós e cumprirei a minha boa palavra a vosso respeito e vos trarei de volta a este lugar.
  • 11"Pois eu bem sei que planos tenho a vosso respeito, diz o SENHOR; planos de prosperidade* e não de mal, para vos dar um futuro e uma esperança."
  • 12Então me invocareis e vireis orar a mim, e eu vos ouvirei.
  • 13Vós me buscareis e me encontrareis, quando me buscardes de todo o coração.
  • 14"Eu me deixarei ser encontrado por vós, diz o SENHOR, e mudarei o vosso destino.* Eu vos reunirei dentre todas as nações e de todos os lugares para onde vos dispersei, diz o SENHOR; e vos trarei de volta para o lugar de onde vos exilei."
  • 15Vós dizeis: O SENHOR nos levantou profetas na Babilônia.
  • 16"Mas assim diz o SENHOR a respeito do rei que se assenta no trono de Davi, e de todo o povo que habita nesta cidade, vossos irmãos, que não foram convosco para o exílio;"
  • 17"assim diz SENHOR dos Exércitos: Enviarei contra eles a espada, a fome e a peste; e farei deles como a figos estragados, que não podem ser comidos, de tão estragados que estão."
  • 18Eu os perseguirei com a espada, a fome e a peste. Farei deles objeto de horror para todos os reinos da terra, maldição, zombaria e ofensa entre todas as nações para onde os dispersei.
  • 19Pois não deram ouvidos às minhas palavras, diz o SENHOR, as quais lhes enviei com insistência pelos meus servos, os profetas. Mas vós não destes atenção, diz o SENHOR.
  • 20Ouvi a palavra do SENHOR, vós todos os exilados que enviei de Jerusalém para a Babilônia.
  • 21Assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel, acerca de Acabe, filho de Colaías, e de Zedequias, filho de Maa¬seias, que vos profetizam mentiras em meu nome: Eu os entregarei na mão de Nabucodonosor, rei da Babilônia, e ele os matará perante vós.
  • 22E por causa deles será pronunciada uma maldição sobre todos os exilados de Judá que estão na Babilônia, dizendo: O SENHOR te faça como a Zedequias, e como a Acabe, os quais o rei da Babilônia queimou no fogo.
  • 23Porque fizeram uma loucura em Israel, cometendo adultério com a mulher do próximo, e anunciaram mentiras em meu nome, palavras que não lhes mandei anunciar. Eu sei e sou testemunha disso, diz o SENHOR.
  • 24Então falarás a Semaías, o neelamita:
  • 25Assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel: Enviaste cartas em teu próprio nome a todo o povo que está em Jerusalém, como também a Sofonias, filho de Maaseias, o sacerdote, e a todos os sacerdotes. Disseste
  • 26que o SENHOR te nomeou sacerdote no lugar de Jeoiada, para que fosses encarregado da casa do SENHOR, para que lançasses na prisão e prendesses com uma corrente no pescoço qualquer louco que quisesse profetizar.
  • 27Então, por que não repreendeste Jeremias, de Anatote, que vos profetiza?
  • 28"Pois ele até nos mandou dizer na Babilônia: O exílio durará muito tempo; edificai casas e habitai nelas; plantai pomares e comei do seu fruto."
  • 29O sacerdote Sofonias leu essa carta para o profeta Jeremias.
  • 30Então veio a palavra do SENHOR a Jeremias:
  • 31Envia esta mensagem a todos os exilados: Assim diz o SENHOR acerca de Semaías, o neelamita: Semaías vos profetizou sem que eu o tivesse enviado e vos fez confiar em mentiras.
  • 32"Portanto, assim diz o SENHOR: Castigarei Semaías, o neelamita, e sua descendência; ele não terá ninguém que habite entre este povo, nem verá o bem que farei ao meu povo, diz o SENHOR, porque pregou rebeldia contra o SENHOR."
  • A promessa do retorno do exílio

  • 1Esta é a palavra do SENHOR que veio a Jeremias:
  • 2Assim diz o SENHOR, o Deus de Israel: Escreve num livro* todas as palavras que te falei.
  • 3"Pois dias virão, diz o SENHOR, em que mudarei o destino de meu povo Israel e Judá,* diz o SENHOR; eu os trarei de volta para a terra que dei a seus pais, e eles a possuirão."
  • 4Estas são as palavras que o SENHOR disse acerca de Israel e de Judá.
  • 5Portanto, assim diz o SENHOR: Ouvimos gritos de pavor e de terror, mas não de paz.
  • 6Perguntai, pois, e observai se um homem pode dar à luz. Por que, então, vejo todos os homens com as mãos sobre o ventre como a mulher em trabalho de parto? Por que todos os rostos estão pálidos?
  • 7"Ah! Como aquele dia será terrível, sem comparação! Será tempo de angústia para Jacó; mas ele será resgatado dela."
  • 8"Naquele dia, diz o SENHOR dos Exércitos, quebrarei o jugo de sobre o seu pescoço e romperei as suas correntes. Os estrangeiros nunca mais os subjugarão;"
  • 9mas servirão ao SENHOR, seu Deus, como também a Davi, seu rei, que lhes designarei.
  • 10Portanto, não temas Jacó, meu servo, diz o SENHOR, nem te assustes, ó Israel! Eu te livrarei do país distante e também livrarei tua descendência da terra do seu exílio. Jacó voltará, ficará tranquilo e seguro, e ninguém o atemorizará.
  • 11Porque estou contigo para te salvar, diz o SENHOR! Destruirei totalmente todas as nações por entre as quais te espalhei. A ti, porém, não destruirei totalmente, mas eu te castigarei com medida justa. De maneira alguma te deixarei inteiramente sem castigo.
  • 12Porque assim diz o SENHOR: A tua fratura é incurável, e a tua ferida, gravíssima.
  • 13"Não há quem defenda a tua causa; não há remédio nem cura para a tua ferida."
  • 14"Todos os teus amantes se esqueceram de ti; não te procuram mais. Eu te ataquei com um castigo cruel, como se fosse um inimigo, porque a tua iniquidade é grande, e os teus pecados têm se multiplicado."
  • 15Por que gritas de dor? A tua ferida é incurável. Por ser grande a tua iniquidade e por se terem multiplicado os teus pecados é que te fiz essas coisas.
  • 16Mas todos os que te devoram serão devorados, e todos os teus adversários irão para o exílio. E os que te despojam serão despojados, e entregarei como saque todos os que te saqueiam.
  • 17Eu restaurarei a tua saúde e sararei as tuas feridas, diz o SENHOR. Chamaram-te a abandonada, Sião, a quem ninguém mais procura.
  • 18Assim diz o SENHOR: Mudarei o destino das tendas de Jacó e terei compaixão das suas moradas. A cidade será reconstruída sobre as suas ruínas, e o palácio, no devido lugar.
  • 19"Ação de graças e voz de alegria virão deles; eu os multiplicarei, e não serão diminuídos; eu os honrarei, e não serão desprezados."
  • 20Seus filhos serão como na antiguidade, e a sua comunidade será estabelecida diante de mim. Castigarei todos os seus opressores.
  • 21E o seu príncipe procederá deles, e o seu governante virá do meio deles. Eu o farei aproximar-se, e ele se chegará a mim. Pois quem por si mesmo ousaria chegar-se a mim?, diz o SENHOR.
  • 22E vós sereis o meu povo, e eu serei o vosso Deus.
  • 23"Aí está a tempestade do SENHOR! A sua fúria já foi desencadeada; uma tempestade arrasadora cairá sobre a cabeça dos ímpios."
  • 24O furor da ira do SENHOR não retrocederá, até que ele tenha executado e cumprido os propósitos do seu coração. Em tempos vindouros entendereis isso.
  • O amor do Senhor e a restauração de Israel

  • 1Naquele tempo, diz o SENHOR, serei o Deus de todas as famílias de Israel, e eles serão o meu povo.
  • 2Assim diz o SENHOR: O povo de Israel, que escapou da espada, encontrou favor no deserto, quando buscava descanso.
  • 3"Numa terra distante, o SENHOR lhe apareceu, dizendo: Com amor eterno te amei; por isso, com fidelidade te atraí."
  • 4Eu te reconstruirei, e serás reconstruída, ó virgem de Israel! De novo serás adornada e com teus tamborins sairás dançando com os que se alegram.
  • 5"Ainda plantarás vinhas nos montes de Samaria; os que as plantarem colherão os frutos.*"
  • 6Pois haverá um dia em que os vigias gritarão nos montes de Efraim: Levantai-vos, e subamos a Sião, ao SENHOR, nosso Deus.
  • 7Pois assim diz o SENHOR: Cantai a respeito de Jacó com alegria e exultai por causa da principal das nações. Proclamai, cantai louvores e dizei: Ó SENHOR, salva* o teu povo, o remanescente de Israel.
  • 8Eu os trarei da terra do norte e os reunirei das extremidades da terra. Juntamente com eles estarão os cegos e aleijados, as mulheres grávidas e as que estiverem para dar à luz. Uma grande multidão retornará.
  • 9"Virão com choro, mas eu os guiarei com consolações. Eu os guiarei aos ribeiros de águas, por um caminho reto em que não tropeçarão; porque sou pai para Israel, e Efraim é o meu primogênito."
  • 10Ouvi a palavra do SENHOR, ó nações, e anunciai-a nas longínquas terras costeiras: Aquele que dispersou Israel o reunirá e cuidará dele, como o pastor faz com seu rebanho.
  • 11Pois o SENHOR resgatou Jacó e o livrou da mão do que era mais forte.
  • 12Virão e cantarão de júbilo nos lugares altos de Sião, ficarão radiantes de alegria por causa da bondade do SENHOR: o trigo, o vinho e o azeite, os cordeiros e os bezerros. Serão como um jardim regado e nunca mais sofrerão.
  • 13"Então as moças dançarão alegres; os jovens e os velhos se regozijarão.* Transformarei o seu pranto em júbilo e os consolarei, e lhes darei alegria em lugar de tristeza."
  • 14"Alimentarei com fartura os sacerdotes; e o meu povo será saciado com a minha bondade, diz o SENHOR."
  • 15"Assim diz o SENHOR: Ouviu-se um clamor em Ramá, lamentação e choro amargo: É Raquel chorando por seus filhos; e não se deixa consolar, porque já não existem."
  • 16"Assim diz o SENHOR: Reprime a tua voz do choro, e das lágrimas, os teus olhos; porque a tua dor* terá recompensa, diz o SENHOR, e eles voltarão da terra do inimigo."
  • 17"Há esperança para o teu futuro, diz o SENHOR; pois teus filhos voltarão para o seu país."
  • 18Eu ouvi Efraim, que se lamentava, dizendo: Tu me corrigiste, e eu me deixei corrigir, como um novilho ainda não domado. Restaura-me para que eu seja restaurado, pois tu és o SENHOR, meu Deus.
  • 19"Sim, depois de me desviar, eu me arrependi; e depois de compreender, bati no meu peito. Sinto-me envergonhado e abatido, pois trago os atos vergonhosos da minha juventude."
  • 20Não é Efraim meu filho querido, o filho em quem me alegro? Pois cada vez que falo dele, lembro-me dele com apreço. Por isso, o meu coração se comove por ele, e lhe mostrarei a minha grande compaixão, diz o SENHOR.
  • A prosperidade futura de Israel

  • 21"Ergue marcos e põe sinais que te guiem; fica atento ao caminho pelo qual andaste. Regressa, ó virgem de Israel, regressa a estas tuas cidades."
  • 22Até quando andarás hesitante, ó filha rebelde? Pois o SENHOR criou uma coisa nova na terra: uma mulher protegerá um homem.
  • 23Assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel: Quando eu trouxer de volta os exilados, então se dirá novamente na terra de Judá e nas suas cidades: O SENHOR te abençoe, ó morada da justiça, ó monte santo!
  • 24E o povo de Judá viverá nela e em todas as suas cidades, tanto os lavradores como os nômades com seus rebanhos.*
  • 25Pois saciarei quem estiver cansado e fartarei todo o que estiver exausto.
  • 26Então acordei e olhei em volta. O meu sono havia sido agradável.
  • 27Dias virão, diz o SENHOR, em que semearei a casa de Israel e a casa de Judá com homens e animais.
  • 28Assim como estive atento para arran¬car e derrubar, para demolir, destruir e arruinar, assim também estarei atento para edificar e plantar, diz o SENHOR.
  • 29Naqueles dias não dirão mais: Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos é que se embotaram.*
  • 30"Pelo contrário, cada um morrerá por sua própria iniquidade; os dentes de todo aquele que comer uvas verdes é que se embotarão."
  • A promessa da nova aliança

  • 31Dias virão, diz o SENHOR, em que farei uma nova aliança com a casa de Israel e com a casa de Judá.
  • 32Ela não será como a aliança que fiz com seus pais, quando os peguei pela mão para tirá-los da terra do Egito, pois eles quebraram a minha aliança, mesmo sendo eu o senhor* deles, diz o SENHOR.
  • 33Mas esta é a aliança que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o SENHOR: Porei a minha lei na sua mente e a escreverei no seu coração. Eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo.
  • 34"E não ensinarão mais cada um a seu próximo, nem cada um a seu irmão, dizendo: Conhecei o SENHOR; porque todos me conhecerão, do mais pobre ao mais rico, diz o SENHOR. Porque perdoarei a sua maldade e não me lembrarei mais dos seus pecados."
  • 35"Assim diz o SENHOR, que estabeleceu o sol para iluminar o dia e determinou que a lua e as estrelas brilhassem à noite, que agita o mar, de modo que suas ondas rujam; o seu nome é SENHOR dos Exércitos :"
  • 36Se esses decretos deixarem de funcionar diante de mim, diz o SENHOR, então a linhagem de Israel deixará também de ser uma nação diante de mim para sempre.
  • 37Assim diz o SENHOR: Se puderem ser medidos os céus em cima, e sondados os fundamentos da terra embaixo, também eu rejeitarei toda a linhagem de Israel, por tudo quanto eles têm feito, diz o SENHOR.
  • 38Dias virão, diz o SENHOR, em que esta cidade será reedificada para o SENHOR, desde a torre de Hananel até a porta da Esquina.
  • 39E a corda de medir será estendida para diante, até o monte de Garebe, e de lá virará na direção de Goa.
  • 40"E todo o vale onde cadáveres e cinzas são lançados, e todos os campos até o ribeiro de Cedrom, até a esquina da porta dos Cavalos para o oriente, tudo será santo ao SENHOR; nunca mais será arrancado nem destruído."
  • Jeremias é preso

  • 1Esta é a palavra que veio a Jeremias da parte do SENHOR, no décimo ano de Zedequias, rei de Judá, no décimo oitavo ano de Nabucodonosor.
  • 2Naquele tempo, o exército do rei da Babilônia cercava Jerusalém, e o profeta Jeremias era mantido preso no pátio da guarda do palácio real de Judá.
  • 3Zedequias, rei de Judá, o havia prendido, dizendo: Por que profetizas que o SENHOR declarou que entregará esta cidade nas mãos do rei da Babilônia, que a conquistará?
  • 4E que Zedequias, rei de Judá, não escapará das mãos dos babilônios, mas certamente será entregue nas mãos do rei da Babilônia e falará com ele face a face, e os seus próprios olhos o verão?
  • 5E que o rei da Babilônia levará Zedequias para a Babilônia, o qual ficará ali até que eu me ocupe dele, diz o SENHOR? E que ainda que luteis contra os babilônios, não sereis vitoriosos?
  • Jeremias compra um campo em Anatote

  • 6Então Jeremias declarou: A palavra do SENHOR veio a mim, dizendo:
  • 7"Hanameel, filho de teu tio Salum, virá encontrar-se contigo e dirá: Compra o meu campo que está em Anatote, pois tens o direito de resgate; tua é a responsabilidade de comprá-lo."
  • 8"Então, conforme a palavra do SENHOR, meu primo Hanameel veio encontrar-se comigo no pátio da guarda e me disse: Compra o meu campo que está em Anatote, na terra de Benjamim; porque o direito de herança e resgate é teu. Compra-o para ti. Então entendi que essa era a palavra do SENHOR."
  • 9Assim, comprei de meu primo Hanameel o campo que está em Anatote. Pesei a prata e paguei-lhe dezessete siclos* de prata.
  • 10Assinei a escritura e a selei. Chamei testemunhas e pesei-lhe a prata numa balança.
  • 11Tomei a escritura de compra, tanto a escritura selada, contendo os termos e as condições do negócio, como também a cópia que estava aberta,
  • 12e as entreguei a Baruque, filho de Nerias, filho de Maseias, na presença de meu primo Hanameel e das testemunhas que subscreveram a escritura de compra e de todos os judeus que estavam sentados no pátio da guarda.
  • 13E dei esta ordem a Baruque, na presença deles:
  • 14Assim diz o SENHOR, o Deus de Israel: Toma estas escrituras de compra, tanto a selada quanto a aberta, e coloque-as num vaso de barro, para que sejam conservadas por muitos anos.
  • 15Pois assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel: Ainda se comprarão casas, campos e vinhas nesta terra.
  • A oração de Jeremias

  • 16Depois de entregar a escritura de compra a Baruque, filho de Nerias, orei ao SENHOR:
  • 17Ah! Senhor Deus! Tu que fizeste os céus e a terra com o teu grande poder e com o teu braço estendido, nada é impossível para ti!
  • 18Tu usas de misericórdia até mil gerações, mas retribuis o pecado dos pais nos filhos. Tu és o grande e poderoso Deus, cujo nome é SENHOR dos Exércitos.
  • 19Teus planos são grandiosos, e teus feitos, poderosos. Teus olhos veem todo o procedimento dos homens, a fim de retribuíres a cada um segundo o seu procedimento, segundo merecem os seus atos.
  • 20"Fizeste sinais e maravilhas na terra do Egito, que duram até o dia de hoje, tanto em Israel como entre toda a humanidade; e fizeste para ti um nome como o que tens neste dia."
  • 21"Tiraste o teu povo Israel da terra do Egito, com sinais e maravilhas, com mão forte, braço estendido e com grande terror;"
  • 22e lhes deste esta terra, que juraste a seus pais que lhes daria, uma terra que jorra leite e mel.
  • 23"Vieram e dela tomaram posse; mas não obedeceram à tua voz nem andaram conforme a tua lei. Eles nada fizeram de tudo o que lhes mandaste fazer; por isso tu enviaste sobre eles toda esta catástrofe."
  • 24As rampas já chegam à cidade para conquistá-la. Ela está entregue nas mãos dos babilônios, que a estão atacando pela espada, pela fome e pela peste. O que disseste se cumpriu. Tu mesmo o vês.
  • 25Contudo, tu me disseste, SENHOR Deus: Compra para ti o campo por dinheiro e chama testemunhas, embora a cidade já esteja entregue nas mãos dos babilônios.
  • O exílio virá por causa da desobediência

  • 26Então veio a palavra do SENHOR a Jeremias:
  • 27"Eu sou o SENHOR, o Deus de toda a humanidade; existe alguma coisa impossível para mim?"
  • 28Portanto, assim diz o SENHOR: Entrego esta cidade nas mãos dos babilônios e nas mãos de Nabucodonosor, rei da Babilônia, e ele a ocupará.
  • 29E os babilônios que atacam a cidade entrarão, atearão fogo a ela e a queimarão juntamente com as casas sobre cujos terraços se queimava incenso a Baal e se faziam ofertas derramadas a outros deuses, para me provocarem à ira.
  • 30Pois o povo* de Israel e de Judá, desde a sua juventude, tem feito somente o que é mau aos meus olhos. De fato, o povo de Israel não tem feito outra coisa a não ser me provocar à ira com as suas ações, diz o SENHOR.
  • 31Porque, desde que a construíram, até o dia de hoje, esta cidade tem provocado a minha ira e o meu furor, de modo que eu a eliminarei de diante de mim.
  • 32O povo* de Israel e de Judá me provocou à ira com toda a maldade que praticou, tanto eles como seus reis, seus príncipes, seus sacerdotes e seus profetas, bem como os homens de Judá e os moradores de Jerusalém.
  • 33Viraram para mim as costas, não o rosto. Ainda que eu os ensinasse com insistência, não deram ouvidos para receber instrução.
  • 34Mas puseram seus ídolos abomináveis na casa que se chama pelo meu nome, para profaná-la.
  • 35Também edificaram os altos de Baal, que estão no vale de Ben-Hinom, para queimar seus filhos e suas filhas em sacrifício a Moloque, algo que nunca lhes ordenei, nem me passou pela mente que fizessem tal abominação, para fazer Judá pecar.
  • 36Portanto, assim diz o SENHOR, o Deus de Israel, acerca desta cidade, da qual dizeis que será entregue nas mãos do rei da Babilônia, pela espada, pela fome e pela peste:
  • 37"Eu os reunirei de todas as terras para onde os dispersei na minha ira, no meu furor e na minha grande indignação; e os trarei de volta a este lugar, e farei que habitem em segurança."
  • 38Eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus.
  • 39E lhes darei um só propósito e procedimento,* para que me temam para sempre, para seu bem e para o bem de seus filhos no futuro.
  • 40Farei com eles uma aliança eterna: não deixarei de fazer-lhes o bem e porei o meu temor no seu coração, para que nunca se afastem de mim.
  • 41Eu me alegrarei, fazendo-lhes o bem. E os plantarei com firmeza nesta terra, com toda a minha fidelidade e dedicação.*
  • 42Pois assim diz o SENHOR: Assim como eu trouxe sobre este povo toda esta grande catástrofe, também trarei sobre ele todo o bem que lhe tenho prometido.
  • 43Campos serão novamente comprados nesta terra, sobre a qual dizeis: Está desolada, sem homens nem animais, entregue nas mãos dos babilônios.
  • 44"Campos serão adquiridos com prata; escrituras, assinadas e seladas; e testemunhas, chamadas na terra de Benjamim, nos lugares ao redor de Jerusalém, nas cidades de Judá, nas cidades da região montanhosa, nas cidades das planícies e nas cidades do sul,* porque mudarei o destino deles, diz o SENHOR."
  • Promessa de restauração do exílio

  • 1A palavra do SENHOR veio a Jeremias pela segunda vez, enquanto ele ainda estava preso no pátio da guarda, dizendo:
  • 2Assim diz o SENHOR, que faz estas coisas, o SENHOR, que as forma para estabelecê-las.* SENHOR é o seu nome:
  • 3Clama a mim, e te responderei, e te anunciarei coisas grandes e inacessíveis, que não conheces.
  • 4"Pois assim diz o SENHOR, o Deus de Israel, acerca das casas desta cidade e dos palácios reais de Judá, que foram demolidos como defesa contra as rampas e contra a espada;"
  • 5"quando lutarem contra os babilônios, ficarão cheios de cadáveres de homens, que matarei na minha ira e no meu furor; porque escondi o meu rosto desta cidade, por causa de toda a sua maldade."
  • 6Mas eu mesmo levarei a ela saúde e cura. Eu os curarei e lhes manifestarei transbordantes paz e segurança.
  • 7Mudarei o destino* de Judá e de Is¬rael, e os reedificarei como no princípio.
  • 8"E os purificarei de todas as maldades com as quais pecaram contra mim; perdoarei todas as suas maldades que cometeram, pecando e se rebelando contra mim."
  • 9Então esta cidade terá um nome que me trará alegria, louvor e glória, diante de todas as nações da terra que ouvirem de todo o bem que lhe faço. Tremerão espantadas por causa de todo o bem e da paz que lhe dou.
  • Paz e alegria serão restituídas a Jerusalém

  • 10Assim diz o SENHOR: Dizeis que este lugar está arrasado, sem homens nem animais. Mas nas cidades de Judá e nas ruas de Jerusalém, que estão desoladas, sem homens, nem moradores, nem animais, ainda se ouvirá
  • 11a voz de regozijo e a voz de alegria, a voz do noivo e da noiva, e as vozes dos que dizem: Dai graças ao SENHOR dos Exércitos, porque o SENHOR é bom, porque o seu amor dura para sempre. Também se ouvirá a voz dos que levam ofertas de ação de graças à casa do SENHOR. Pois mudarei o destino desta terra, tornando-a como era no princípio, diz o SENHOR.
  • 12Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Neste lugar, que está arrasado, sem homens, nem animais, em todas as suas cidades, ainda haverá pastos nos quais pastores farão repousar seus rebanhos.
  • 13As ovelhas dos rebanhos serão novamente contadas, tanto nas cidades da região montanhosa, como nas cidades das planícies, nas cidades do sul,* na terra de Benjamim, nas vilas ao redor de Jerusalém e nas cidades de Judá, diz o SENHOR.
  • 14Dias virão, diz o SENHOR, em que cumprirei a boa promessa que fiz acerca da casa de Israel e da casa de Judá.
  • 15"Naqueles dias e naquele tempo farei brotar de Davi um Renovo justo; ele executará a justiça e o direito na terra."
  • 16"Naqueles dias Judá será salvo, e Jerusalém habitará segura; e este é o nome com que será chamada: O SENHOR, Nossa Justiça."
  • 17"Pois assim diz o SENHOR: Nunca faltará a Davi um herdeiro que se assente no trono da casa de Israel;"
  • 18nem faltará aos sacerdotes levitas quem ofereça continuamente holocaustos diante de mim, queime ofertas de cereais e ofereça sacrifícios.
  • 19A palavra do SENHOR veio a Jeremias:
  • 20Assim diz o SENHOR: Se puderdes invalidar a minha aliança com o dia e com a noite, de tal modo que não haja nem dia nem noite a seu tempo,
  • 21também se poderá invalidar a minha aliança com meu servo Davi, para que ele não tenha um descendente que reine no seu trono, como também a aliança com os sacerdotes levitas, que me servem.
  • 22Assim como não é possível contar as estrelas do céu, nem calcular a areia das praias do mar, desse modo multiplicarei a descendência de meu servo Davi e dos levitas, que me servem.
  • 23Veio ainda a palavra do SENHOR a Jeremias:
  • 24Observaste o que este povo está dizendo: O SENHOR rejeitou as duas famílias de Israel e Judá, que havia escolhido? E assim desprezam o meu povo, como se não pudesse mais voltar a ser uma nação.
  • 25Assim diz o SENHOR: Se a minha aliança com o dia e com a noite não valesse mais, e se eu não tivesse determinado as leis que governam o céu e a terra,
  • 26então poderia rejeitar a descendência de Jacó e de meu servo Davi, não escolhendo alguém da sua descendência para governar a descendência de Abraão, Isaque e Jacó. Porque mudarei o seu destino e terei compaixão deles.
  • O destino de Jerusalém e de Zedequias

  • 1A palavra do SENHOR veio a Jeremias, quando Nabucodonosor, rei da Babilônia, e todo o seu exército, e todos os reinos da terra e povos que estavam sob o seu domínio atacavam Jerusalém e todas as cidades em volta:
  • 2Assim diz o SENHOR, Deus de Israel: Vai e fala a Zedequias, rei de Judá: Assim diz o SENHOR: Entregarei esta cidade nas mãos do rei da Babilônia, e ele a queimará.
  • 3E tu não escaparás de suas mãos, mas certamente serás aprisionado e entregue nas suas mãos. Verás o rei da Babilônia com os teus próprios olhos, e ele falará contigo face a face. E irás para a Babilônia.
  • 4Contudo, ouve a palavra do SENHOR, ó Zedequias, rei de Judá. Assim diz o SENHOR quanto a ti: Tu não morrerás pela espada.
  • 5Morrerás em paz. Assim como as pessoas queimavam incenso a teus pais, os reis que te antecederam, também queimarão incenso em tua homenagem. E lamentarão por ti, dizendo: Ah, senhor! Pois esta é a minha promessa, diz o SENHOR.
  • 6Então o profeta Jeremias anunciou todas essas palavras a Zedequias, rei de Judá, em Jerusalém,
  • 7"quando o exército do rei da Babilônia atacava Jerusalém e todas as cidades de Judá que ainda resistiam, Laquis e Azeca; porque somente essas cidades fortificadas haviam restado."
  • A rejeição da escravidão

  • 8Esta é a palavra do SENHOR que veio a Jeremias, depois que o rei Zedequias fez um pacto com todo o povo que estava em Jerusalém para conceder liberdade aos seus escravos.
  • 9Cada um libertaria o seu escravo hebreu, homem ou mulher, de maneira que ninguém mais escravizasse alguém que fosse seu compatriota judeu.
  • 10E todos os chefes e todo o povo que haviam feito esse pacto de libertar cada um o seu escravo e a sua escrava consentiram em não mais escravizá-los. Obedeceram e os libertaram.
  • 11Mas depois voltaram atrás e tomaram de volta os escravos e as escravas que haviam libertado, tornando a escravizá-los.
  • 12Então a palavra do SENHOR veio a Jeremias:
  • 13Assim diz o SENHOR, Deus de Israel: Fiz uma aliança com vossos pais, quando os tirei da terra do Egito, da casa da escravidão, dizendo:
  • 14No fim de sete anos cada um de vós libertará seu compatriota hebreu que se tenha vendido a vós. Depois de te servir durante seis anos, tu o libertarás. Mas vossos pais não me ouviram nem prestaram atenção.
  • 15Não faz muito tempo, voltastes a fazer o que considero correto: cada um concedeu liberdade ao seu próximo. Também fizestes um pacto diante de mim, na casa que se chama pelo meu nome.
  • 16"Mas voltastes atrás e profanastes o meu nome; e cada um tomou de volta seu escravo e sua escrava, os mesmos que havíeis libertado, e os escravizastes de novo."
  • 17Portanto, assim diz o SENHOR: Vós não destes ouvidos a mim, para concederdes a liberdade, cada um ao seu compatriota e ao seu próximo. Por essa razão, diz o SENHOR, eu vos concedo a liberdade pela espada, pela peste e pela fome. Farei de vós um objeto de horror para todos os reinos da terra.
  • 18Entregarei os homens que quebraram a minha aliança e não cumpriram as palavras do pacto que fizeram diante de mim, quando cortaram o bezerro em duas partes e andaram pelo meio delas,
  • 19"isto é, os chefes de Judá, os chefes de Jerusalém, os oficiais do palácio, os sacerdotes e todo o povo da terra, os quais passaram entre as partes do bezerro;"
  • 20eu os entregarei nas mãos de seus inimigos e dos que procuram matá-los. Os seus cadáveres servirão de alimento para as aves do céu e para os animais da terra.
  • 21Entregarei Zedequias, rei de Judá, e seus príncipes nas mãos de seus inimigos que procuram matá-los e do exército do rei da Babilônia, que deixou de vos atacar.
  • 22"Darei ordem, diz o SENHOR, e farei com que retornem a esta cidade; eles irão atacá-la, invadi-la e queimá-la. Farei das cidades de Judá uma devastação e que fiquem desabitadas."
  • A obediência dos recabitas é exemplo para Judá

  • 1Esta é a palavra do SENHOR que veio a Jeremias, nos dias de Jeoaquim, filho de Josias, rei de Judá:
  • 2"Vai à família dos recabitas e fala com eles; leva-os à casa do SENHOR, a uma das salas, e oferece-lhes vinho para beber."
  • 3Então busquei Jazanias, filho de Jeremias, filho de Habazinias, seus irmãos e todos os seus filhos, e toda a família dos recabitas,
  • 4e levei-os à casa do SENHOR, à sala dos filhos de Hanã, filho de Jigdalias, homem de Deus. A sala ficava junto à sala dos príncipes, sobre a sala de Maaseias, filho do porteiro Salum.
  • 5Então coloquei jarras e copos cheios de vinho diante dos membros da família dos recabitas e disse-lhes: Bebei vinho.
  • 6Mas eles disseram: Não bebemos vinho, porque Jonadabe, filho de nosso pai Recabe, ordenou-nos: Nem vós nem vossos filhos jamais bebereis vinho.
  • 7"Não construireis casas, nem semea¬reis; não plantareis nem possuireis vinhas; mas vivereis em tendas durante toda a vossa vida. Assim vivereis muitos dias na terra em que habitais."
  • 8Obedecemos a nosso pai Jonadabe, filho de Recabe, em tudo quanto nos ordenou: jamais bebemos vinho durante toda a nossa vida, nem nossas mulheres, nossos filhos e nossas filhas.
  • 9"Não construímos casas para nossa habitação; nem possuímos vinha, campo ou semente."
  • 10Mas vivemos em tendas, e assim fazemos e obedecemos a tudo quanto nosso pai Jonadabe nos ordenou.
  • 11Quando, porém, Nabucodonosor, rei da Babilônia, invadiu esta terra, dissemos: Vinde, vamos para Jerusalém, por causa do exército dos babilônios e dos sírios. Por isso, ficamos em Jerusalém.
  • 12Então veio a palavra do SENHOR a Jeremias:
  • 13Assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel: Vai, dize aos homens de Judá e aos moradores de Jerusalém: Acatareis a instrução e obedecereis às minhas palavras?, diz o SENHOR.
  • 14As palavras de Jonadabe, filho de Recabe, pelas quais proibiu seus filhos de beberem vinho, foram obedecidas. Até o dia de hoje, eles não bebem vinho, porque obedecem ao mandamento de seu pai. Vós, porém, não destes ouvidos a mim, que vos tenho falado com insistência.
  • 15Também vos enviei, insistentemente, todos os meus servos, os profetas, dizendo: Convertei-vos agora, cada um do seu mau caminho, corrigi vossas ações e não sigais outros deuses para servi-los. Assim, habitareis na terra que dei a vós e a vossos pais. Mas não destes atenção nem me obedecestes.
  • 16Os filhos de Jonadabe, filho de Recabe, cumpriram o mandamento que seu pai lhes ordenou, mas este povo não me obedeceu.
  • 17"Por isso, assim diz o SENHOR, o Deus dos exércitos, o Deus de Israel: Trarei sobre Judá e sobre todos os moradores de Jerusalém toda a catástrofe que disse contra eles; pois eu lhes falei, mas não ouviram; e os chamei, mas não responderam."
  • 18"Jeremias disse à família dos recabitas: Assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel: Porque obedecestes ao mandamento de vosso pai Jonadabe, cumprindo todos os seus mandamentos e fazendo conforme tudo quanto vos ordenou;"
  • 19assim diz o SENHOR dos Exércitos, Deus de Israel: Jamais deixará de haver algum descendente de Jonadabe, filho de Recabe, que esteja sempre a meu serviço.
  • O livro é lido no templo

  • 1No quarto ano de Jeoaquim, filho de Josias, rei de Judá, veio esta palavra do SENHOR a Jeremias:
  • 2Escreve num livro* todas as palavras que falei acerca de Israel, de Judá e de todas as nações, desde que comecei a falar-te nos dias de Josias, até o dia de hoje.
  • 3Talvez, quando os da casa de Judá ouvirem a respeito de todas as catástrofes que pretendo causar-lhes, cada um se converta do seu mau caminho, e eu perdoarei a sua maldade e o seu pecado.
  • 4"Então Jeremias chamou Baruque, filho de Nerias; e Baruque escreveu no livro, enquanto Jeremias ditava todas as palavras que o SENHOR lhe havia falado."
  • 5Então Jeremias ordenou a Baruque: Estou proibido de ir à casa do SENHOR.
  • 6Portanto, entra e lê perante o povo, na casa do SENHOR, no dia de jejum, as palavras do SENHOR que escreveste no livro quando eu ditava. Tu as lerás também perante todo o povo de Judá que vem das suas cidades.
  • 7"Talvez a súplica deles chegue diante do SENHOR, e cada um se converta do seu mau caminho; pois a ira e o furor com que o SENHOR ameaça este povo são grandes."
  • 8Então Baruque, filho de Nerias, fez conforme tudo quanto o profeta Jeremias lhe havia ordenado, lendo no livro as palavras do SENHOR na casa do SENHOR.
  • 9No quinto ano de Jeoaquim, filho de Josias, rei de Judá, no nono mês, foi proclamado um jejum diante do SENHOR para todo o povo em Jerusalém, como também para todo o povo que vinha das cidades de Judá para Jerusalém.
  • 10Baruque leu no livro a todo o po¬vo as palavras de Jeremias na casa do SENHOR, na sala de Gemarias, filho de Safã, o escriba, no pátio superior, à entrada da porta Nova da casa do SENHOR.
  • 11Quando Micaías, filho de Gemarias, filho de Safã, ouviu todas as palavras do SENHOR naquele livro,
  • 12desceu ao palácio do rei, à sala do escriba. Todos os chefes estavam ali assentados: Elisama, o escriba, Delaías, filho de Semaías, Elnatã, filho de Acbor, Gemarias, filho de Safã, Zedequias, filho de Hananias, e todos os outros chefes.
  • 13E Micaías narrou todas as palavras que ouvira, quando Baruque leu o livro para o povo.
  • 14Então todos os chefes mandaram Jeúdi, filho de Netanias, filho de Selemias, filho de Cuxe, a Baruque, para lhe dizer: Pega o livro que leste ao povo e vem aqui. Então Baruque, filho de Nerias, pegou o livro e foi até eles.
  • 15E disseram-lhe: Senta-te e lê o livro para nós. E Baruque o leu para eles.
  • 16Quando ouviram todas aquelas palavras, voltaram-se alarmados uns para os outros e disseram a Baruque: Sem dúvida alguma temos de relatar ao rei todas estas palavras.
  • 17E disseram a Baruque: Declara-nos agora como escreveste todas estas palavras. Foi Jeremias quem as ditou?
  • 18E disse-lhes Baruque: Sim, ele me ditava todas estas palavras, e eu as escrevia no livro.
  • 19Então os chefes disseram a Baruque: Vai, esconde-te tu e Jeremias para que ninguém saiba onde estais.
  • 20"Eles foram ao rei no pátio, mas haviam deixado o livro na sala de Elisama, o escriba; e relataram ao rei todas aquelas palavras."
  • 21Então o rei pediu que Jeúdi trouxesse o livro. Jeúdi o trouxe da sala de Elisama, o escriba, e o leu para o rei e para todos os chefes que estavam com o rei.
  • 22"O rei estava assentado nos seus aposentos de inverno, pois era o nono mês; e diante dele havia um braseiro aceso."
  • 23À medida que Jeúdi lia três ou quatro colunas, o rei as cortava com uma faca de escrivão e as lançava no fogo do braseiro, até que todo o livro foi queimado no fogo do braseiro.
  • 24Nem o rei nem nenhum dos seus servos que haviam ouvido todas aquelas palavras ficaram com medo nem rasgaram suas roupas.
  • 25E ainda que Elnatã, Delaías e Gemarias insistissem com o rei para que não queimasse o livro, ele não lhes deu ouvidos.
  • 26Pelo contrário, o rei ordenou a seu filho Jerameel e a Seraías, filho de Azriel, e a Selemias, filho de Abdeel, que prendessem o escrivão Baruque e o profeta Jeremias. Mas o SENHOR os havia escondido.
  • Jeremias recebe ordem de escrever outro livro

  • 27Depois que o rei queimou o livro com as palavras que Jeremias havia ditado e Baruque havia escrito, veio a Jeremias a palavra do SENHOR:
  • 28Pega ainda outro livro e escreve nele todas as palavras que estavam no primeiro livro, que Jeoaquim, rei de Judá, queimou.
  • 29E tu dirás a Jeoaquim, rei de Judá: Assim diz o SENHOR: Tu queimaste este livro, e disseste: Por que escreveste nele que o rei da Babilônia virá e destruirá esta terra, dela exterminando tanto homens como animais?
  • 30Portanto, assim diz o SENHOR acerca de Jeoaquim, rei de Judá: Nenhum dos seus descendentes se sentará no trono de Davi, e o seu cadáver será exposto ao calor do dia e à geada da noite.
  • 31Castigarei a ele, sua descendência e seus servos, por causa da sua iniquidade. Trarei sobre ele, sobre os moradores de Jerusalém e sobre os homens de Judá toda a desgraça que tenho falado contra eles e que não ouviram.
  • 32Então Jeremias pegou outro livro e o deu a Baruque, filho de Nerias, o escrivão. E enquanto Jeremias ditava, Baruque escreveu nele todas as palavras do livro que Jeoaquim, rei de Judá, havia queimado. E foram acrescentadas muitas outras palavras semelhantes.
  • Jeremias é preso

  • 1Zedequias, filho de Josias, a quem Nabucodonosor, rei da Babilônia, constituiu rei na terra de Judá, reinou em lugar de Joaquim*, filho de Jeoaquim.
  • 2Mas nem ele, nem seus servos, nem o povo da terra deram ouvidos às palavras que o SENHOR havia falado por intermédio do profeta Jeremias.
  • 3Mas o rei Zedequias enviou Jeucal, filho de Selemias, e Sofonias, filho do sacerdote Maaseias, ao profeta Jeremias, para lhe dizerem: Suplica agora por nós ao SENHOR, nosso Deus.
  • 4Ora, Jeremias andava livremente entre o povo, pois ainda não havia sido preso.
  • 5"O exército do faraó havia saído do Egito; quando os babilônios, que estavam sitiando Jerusalém, ouviram essa notícia, retiraram-se de Jerusalém."
  • 6E a palavra do SENHOR veio ao profeta Jeremias:
  • 7Assim diz o SENHOR, Deus de Israel: Assim direis ao rei de Judá, que vos enviou para me consultar: O exército do faraó, que saiu em vosso socorro, voltará para sua terra no Egito.
  • 8Os babilônios voltarão, atacarão e conquistarão esta cidade, e a queimarão.
  • 9Assim diz o SENHOR: Não enganeis a vós mesmos, dizendo: Sem dúvida os babilônios baterão em retirada, pois eles não se retirarão.
  • 10Porque ainda que derrotásseis todo o exército dos babilônios que vos ataca, e entre eles ficassem apenas homens feridos, assim mesmo se levantariam, cada um na sua tenda, e queimariam esta cidade.
  • 11Quando o exército dos babilônios bateu em retirada de Jerusalém, por causa do exército do faraó,
  • 12Jeremias saiu de Jerusalém para ir à terra de Benjamim, para receber ali a sua herança no meio do povo.
  • 13E quando ele estava à porta de Benjamim, achava-se ali um capitão da guarda, cujo nome era Jerias, filho de Selemias, filho de Hananias, que prendeu o profeta Jeremias, dizendo: Tu estás desertando para os babilônios.
  • 14E Jeremias disse: Isso não é verdade, não estou desertando para os babilônios. Mas ele não lhe deu ouvidos, de modo que prendeu Jeremias e o levou aos chefes.
  • 15E os chefes ficaram furiosos com Jeremias. E o açoitaram e o aprisionaram na casa de Jônatas, o escrivão, pois a haviam transformado em cárcere.
  • Zedequias pede orientação a Jeremias

  • 16Jeremias foi levado para uma cela no subsolo da casa e ali ficou durante muitos dias.
  • 17Então o rei Zedequias mandou soltá-lo e perguntou-lhe em seu palácio, secretamente: Há alguma palavra da parte do SENHOR? Respondeu Jeremias: Há. E acrescentou: Serás entregue nas mãos do rei da Babilônia.
  • 18Jeremias disse ainda ao rei Zedequias: Em que tenho pecado contra ti, contra teus servos e contra este povo, para que me pusésseis na prisão?
  • 19Onde estão agora os vossos profetas, que vos profetizavam, dizendo: O rei da Babilônia não atacará a vós nem a esta terra?
  • 20Mas ouve agora, ó rei, meu senhor: Aceita agora a súplica que te faço. Não me mandes de volta à casa de Jônatas, o escriba, para que eu não morra ali.
  • 21Então o rei Zedequias deu ordens para que pusessem Jeremias no pátio da guarda e lhe dessem diariamente um pedaço de pão, da rua dos padeiros, até que se esgotasse todo o pão da cidade. Então Jeremias ficou no pátio da guarda.
  • Jeremias é lançado numa cisterna

  • 1Então, Sefatias, filho de Matã, Gedalias, filho de Pasur, Jeucal, filho de Selemias, e Pasur, filho de Malquias, ouviram as palavras que Jeremias anunciava a todo o povo, dizendo:
  • 2"Assim diz o SENHOR: Quem ficar nesta cidade morrerá pela espada, pela fome e pela peste; mas quem se render aos babilônios viverá; pois a sua vida lhe será entregue como despojo, e viverá."
  • 3Assim diz o SENHOR: Esta cidade certamente será entregue nas mãos do exército do rei da Babilônia, e ele a conquistará.
  • 4"Então os chefes disseram ao rei: Este homem deve morrer, porque, ao dizer essas palavras, está desanimando os guerreiros que restam nesta cidade e todo o povo; porque este homem não busca a paz para este povo, mas sua desgraça."
  • 5"O rei Zedequias disse: Ele está em vossas mãos; porque não é o rei que vos fará oposição."
  • 6"Então pegaram Jeremias e o lançaram na cisterna de Malquias, filho do rei, que estava no pátio da guarda; e desceram Jeremias com cordas. Mas na cisterna não havia água, apenas lama; e Jeremias atolou na lama."
  • 7O etíope Ebede-Meleque, oficial que servia no palácio real, soube que haviam lançado Jeremias na cisterna. Enquanto o rei estava assentado à porta de Benjamim,
  • 8Ebede-Meleque saiu do palácio e foi falar ao rei:
  • 9Ó rei, senhor meu, estes homens agiram mal em tudo quanto fizeram ao profeta Jeremias lançando-o na cisterna. É certo que morrerá no lugar onde se acha, por causa da fome, pois acabou-se o pão da cidade.
  • 10Então o rei deu estas ordens a Ebede-Meleque, o etíope: Leva contigo três homens daqui e tira da cisterna o profeta Jeremias, antes que morra.
  • 11"Assim, Ebede-Meleque levou consigo os homens e entrou no palácio real, debaixo da tesouraria; e pegou dali uns trapos velhos e rasgados, e roupas velhas, e com cordas os baixou a Jeremias na cisterna."
  • 12E Ebede-Meleque, o etíope, disse a Jeremias: Põe agora debaixo dos braços estes trapos velhos e rasgados, de modo que fiquem entre os braços e as cordas. E Jeremias fez isso.
  • 13E tiraram Jeremias com as cordas e o alçaram da cisterna. E Jeremias ficou no pátio da guarda.
  • Jeremias tem outra conversa secreta com Zedequias

  • 14"Então o rei Zedequias deu ordens para que levassem o profeta Jeremias à sua presença, na terceira entrada da casa do SENHOR; e o rei disse a Jeremias: Vou perguntar-te uma coisa; não me escondas nada."
  • 15Jeremias disse a Zedequias: Se te responder, não me matarás? Mesmo que te aconselhe, não me ouvirás.
  • 16Então o rei Zedequias jurou secretamente a Jeremias: Como vive o SENHOR, que nos deu a vida, não te matarei nem te entregarei nas mãos destes homens que procuram matá-lo.
  • O rei é advertido a render-se aos babilônios

  • 17"Então Jeremias disse a Zedequias: Assim diz o SENHOR, Deus dos Exércitos, Deus de Israel: Se te renderes aos príncipes do rei da Babilônia, tua vida será poupada e esta cidade não será queimada; e vivereis tu e tua família."
  • 18"Mas, se não te renderes aos príncipes do rei da Babilônia, então esta cidade será entregue nas mãos dos babilônios, que a queimarão; e tu não escaparás das mãos deles."
  • 19O rei Zedequias disse a Jeremias: Tenho medo dos judeus que já se renderam aos babilônios, e se eu for entregue nas suas mãos, eles me maltratarão.
  • 20"Mas Jeremias disse: Não te entregarão. Peço-te, ouve a voz do SENHOR, conforme te falo; tudo irá bem contigo, e a tua vida será poupada."
  • 21Mas se não te renderes, esta é a palavra que o SENHOR me mostrou:
  • 22"Então todas as mulheres que ficaram no palácio real de Judá serão levadas aos príncipes do rei da Babilônia, e elas mesmas dirão: Os teus amigos em quem confiavas te enganaram e prevaleceram contra ti; e agora os teus pés estão afundados na lama, e eles te abandonaram."
  • 23"Todas as tuas mulheres e os teus filhos serão levados para fora aos babilônios; e tu não escaparás das suas mãos, mas serás aprisionado pelo rei da Babilônia, e esta cidade será queimada."
  • 24"Então Zedequias disse a Jeremias: Ninguém fique sabendo desta conversa; caso contrário, morrerás."
  • 25"Se os chefes souberem que conversei contigo, forem te encontrar e disserem: Conta-nos agora o que disseste ao rei e o que o rei te disse, não nos escondas nada para que não te matemos;"
  • 26então lhes dirás: Fiz um pedido ao rei, para que ele não me mandasse de volta à casa de Jônatas, para não morrer ali.
  • 27"Então todos os chefes foram a Jeremias e o interrogaram; e ele lhes respondeu conforme todas as palavras que o rei lhe havia ordenado. Assim, não lhe fizeram mais perguntas, pois ninguém havia ouvido a conversa com o rei."
  • 28E Jeremias ficou no pátio da guarda, até o dia em que Jerusalém foi invadida.
  • Nabucodonosor conquista Jerusalém e livra Jeremias

  • 1No nono ano de Zedequias, rei de Judá, no décimo mês, Nabucodonosor, rei da Babilônia, e todo o seu exército vieram contra Jerusalém e a cercaram.
  • 2No nono dia do quarto mês do décimo primeiro ano de Zedequias, abriram uma brecha no muro da cidade.
  • 3E todos os príncipes do rei da Babilônia foram e se sentaram na porta do Meio. Eram eles Nergal-Sarezer de Sangar, Nebo-Sarsequim, chefe de oficiais, Nergal-Sarezer, alto oficial, e com eles todos os outros príncipes do rei da Babilônia.
  • 4"Quando Zedequias, rei de Judá, e todos os guerreiros os viram, fugiram da cidade de noite, pelo caminho do jardim do rei, pela porta entre os dois muros; e seguiram pelo caminho da Arabá."
  • 5"Mas o exército dos babilônios os perseguiu; e alcançaram Zedequias nas campinas de Jericó. Então o prenderam e o levaram a Nabucodonosor, rei da Babilônia, que estava em Ribla, na terra de Hamate; e o rei o sentenciou."
  • 6E o rei da Babilônia matou os filhos de Zedequias diante dele em Ribla. O rei da Babilônia também matou todos os nobres de Judá.
  • 7Cegou os olhos de Zedequias e o prendeu com correntes de bronze, para levá-lo para a Babilônia.
  • 8Os babilônios incendiaram o palácio real e as casas do povo, e derrubaram os muros de Jerusalém.
  • 9Então, Nebuzaradã, capitão da guarda, levou para a Babilônia o povo que havia restado na cidade: os desertores que já haviam se entregado a ele e outros que haviam ficado.
  • 10Mas Nebuzaradã, capitão da guarda, deixou ficar na terra de Judá somente alguns pobres dentre o povo, que nada possuíam. E deu-lhes vinhas e campos.
  • 11Nabucodonosor, rei da Babilônia, havia ordenado acerca de Jeremias a Nebuzaradã, capitão da guarda, dizendo:
  • 12"Leva-o e cuida bem dele, e não lhe causes mal algum; mas atende-o no que te pedir."
  • 13Então Nebuzaradã, capitão da guarda, Nebusazbã, Rabe-Sáris, Nergal-Sarezer, Rabe-Mague e todos os príncipes do rei de Babilônia
  • 14"mandaram retirar Jeremias do pátio da guarda e o entregaram a Gedalias, filho de Aicam, filho de Safã, para que o levasse para casa; assim ele permaneceu entre o povo."
  • 15A palavra do SENHOR viera a Jeremias, estando ele ainda preso no pátio da guarda:
  • 16Vai e fala a Ebede-Meleque, o etíope: Assim diz o SENHOR dos Exércitos, Deus de Israel: Estou para cumprir as minhas palavras sobre esta cidade, com catástrofe e não com prosperidade. Naquele dia elas se cumprirão diante de ti.
  • 17Mas eu te livrarei naquele dia, diz o SENHOR, e não serás entregue nas mãos dos homens a quem temes.
  • 18Pois certamente te salvarei, e não cairás pela espada, mas terás a tua vida como despojo, porquanto confiaste em mim, diz o SENHOR.
  • Jeremias fica em Mispá com Gedalias

  • 1Esta é a palavra que veio a Jeremias da parte do SENHOR, depois que Nebuzaradã, capitão da guarda, o libertou em Ramá. Ele o havia levado, quando Jeremias estava acorrentado no meio de todos os cativos de Jerusalém e de Judá, que estavam sendo conduzidos para o exílio na Babilônia.
  • 2"O capitão da guarda levou Jeremias e lhe disse: O SENHOR, teu Deus, pronunciou esta catástrofe contra este lugar;"
  • 3e o SENHOR a cumpriu e fez como tinha dito. Portanto, tudo isso vos aconteceu porque pecastes contra o SENHOR e não obedecestes à sua voz.
  • 4"Hoje te libertarei das correntes que prendem tuas mãos. Se quiseres vir comigo para a Babilônia, eu cuidarei de ti; mas, se não quiseres vir comigo para a Babilônia, não venhas. Olha, toda a terra está diante de ti; vai para onde te parecer bem e conveniente."
  • 5"Se assim quiseres, volta a Gedalias, filho de Aicam, filho de Safã, a quem o rei da Babilônia constituiu governador das cidades de Judá, e habita com ele no meio do povo; ou vai para qualquer outra parte que quiseres. Então o capitão da guarda deu-lhe ajuda para a viagem e um presente, e o deixou ir."
  • 6Assim, Jeremias foi até Gedalias, filho de Aicam, em Mispá, e permaneceu com ele entre o povo que havia ficado na terra.
  • 7Quando os chefes das forças que estavam no campo e os seus homens souberam que o rei da Babilônia havia estabelecido Gedalias, filho de Aicam, como governador da terra, e que lhe havia confiado homens, mulheres e crianças, os mais pobres da terra, que não haviam sido levados cativos para a Babilônia,
  • 8"foram encontrar-se com Gedalias em Mispá. Eram eles: Ismael, filho de Netanias; Joanã e Jônatas, filhos de Careá; Seraías, filho de Tanumete; os filhos de Efai, o netofatita; e Jazanias, filho do maa¬catita, todos eles e os seus homens."
  • 9Gedalias, filho de Aicam, filho de Safã, jurou a eles e aos seus homens: Não tenhais medo de vos sujeitar aos babilônios. Habitai na terra e submetei-vos ao rei da Babilônia, e assim sereis bem-sucedidos.
  • 10Mas eu continuarei morando em Mispá, para vos representar diante dos babilônios que vierem a nós. Vós, porém, colhei as uvas para fazer vinho, e as frutas de verão, e o azeite. Armazenai tudo isso nos vossos jarros e habitai nas cidades que ocupastes.
  • 11Do mesmo modo, quando todos os judeus que estavam em Moabe, e entre os amonitas, e em Edom, e os que se encontravam em todos os países souberam que o rei da Babilônia havia deixado um remanescente em Judá e posto sobre eles Gedalias, filho de Aicam, filho de Safã,
  • 12todos os judeus de todos os lugares para onde foram lançados voltaram para a terra de Judá, até Gedalias em Mispá, e colheram grande quantidade de uvas para o vinho e frutas de verão.
  • Joanã avisa Gedalias

  • 13Joanã, filho de Careá, e todos os chefes das forças que estavam no campo foram encontrar-se com Gedalias, em Mispá,
  • 14e disseram-lhe: Tu sabes que Baalis, rei dos amonitas, enviou Ismael, filho de Netanias, para tirar-te a vida? Mas Gedalias, filho de Aicam, não acreditou neles.
  • 15Todavia, Joanã, filho de Careá, falou a Gedalias em segredo, em Mispá: Peço-te que me deixes ir e matar Ismael, filho de Netanias, sem que ninguém o saiba. Por que razão ele te tiraria a vida, de modo que fossem dispersos todos os judeus que se juntaram a ti e fosse destruído o remanescente de Judá?
  • 16Mas Gedalias, filho de Aicam, disse a Joanã, filho de Careá: Não faças tal coisa, pois não falas a verdade sobre Ismael.
  • O assassinato de Gedalias

  • 1No sétimo mês, Ismael, filho de Netanias, filho de Elisama, de sangue real, um dos oficiais do rei, foi a Gedalias, filho de Aicam, em Mispá, levando dez homens consigo. Enquanto comiam juntos,
  • 2levantou-se Ismael, filho de Netanias, com os dez homens que estavam com ele e passaram ao fio da espada Gedalias, filho de Aicam, filho de Safã, matando assim aquele que o rei da Babilônia havia colocado como governador sobre a terra.
  • 3Ismael também matou todos os judeus que estavam com Gedalias, em Mispá, assim como os soldados babilônios que se achavam ali.
  • 4No dia seguinte, depois do assassinato de Gedalias, sem que ninguém soubesse,
  • 5oitenta homens com a barba rapada, as vestes rasgadas e cheios de cortes no corpo vieram de Siquém, Siló e Samaria, trazendo nas mãos ofertas de cereais e incenso para levar à casa do SENHOR.
  • 6Ismael, filho de Netanias, saiu de Mispá para encontrá-los. Ele ia chorando enquanto caminhava e, ao encontrá-los, disse-lhes: Vinde a Gedalias, filho de Aicam.
  • 7Quando eles entraram na cidade, Ismael, filho de Netanias, e os homens que estavam com ele os mataram e jogaram num poço.
  • 8Mas entre eles se acharam dez homens que disseram a Ismael: Não nos mates! Temos escondidos no campo depósitos de trigo, cevada, azeite e mel. Por isso ele os deixou em paz e não os matou como os outros.
  • 9O poço em que Ismael jogou todos os cadáveres dos homens que havia matado por causa de Gedalias é o mesmo que o rei Asa havia feito para defender-se de Baasa, rei de Israel. Foi esse mesmo poço que Ismael, filho de Netanias, encheu de cadáveres.
  • 10Ismael levou cativo a todo o restante do povo que estava em Mispá: as filhas do rei e todo o povo que ficara em Mispá, que Nebuzaradã, capitão da guarda, havia confiado a Gedalias, filho de Aicam. Ismael, filho de Netanias, levou-os cativos e atravessou o território de Amom.
  • 11Quando Joanã, filho de Careá, e todos os chefes das forças que estavam com ele souberam de toda a desgraça que Ismael, filho de Netanias, havia causado,
  • 12convocaram todos os seus homens e foram lutar contra Ismael, filho de Netanias. E o encontraram perto do grande açude de Gibeão.
  • 13Todo o povo que estava com Is¬mael se alegrou quando viu Joanã, filho de Careá, e todos os chefes das forças que vinham com ele.
  • 14Todo o povo que Ismael havia levado cativo de Mispá virou as costas e passou para o lado de Joanã, filho de Careá.
  • 15Mas Ismael, filho de Netanias, escapou de Joanã juntamente com oito homens e foi para o território de Amom.
  • 16Então Joanã, filho de Careá, e todos os chefes das forças que estavam com ele levaram todos os que haviam restado em Mispá, os quais ele havia resgatado de Ismael, filho de Netanias, depois de matar Gedalias, filho de Aicam, a saber: os soldados, as mulheres, as crianças e os oficiais da corte que havia trazido de Gibeão.
  • 17Partiram, então, e pararam em Gerute-Quimã, perto de Belém, para dali entrar no Egito,
  • 18por causa dos babilônios. Eles os temiam, por ter Ismael, filho de Netanias, matado Gedalias, filho de Aicam, a quem o rei da Babilônia havia posto como governador de Judá.
  • Jeremias adverte o povo a não ir para o Egito

  • 1Então todos os chefes das forças, e Joanã, filho de Careá, e Jezanias, filho de Hosaías, e todo o povo, desde o menor até o maior, chegaram
  • 2"e disseram ao profeta Jeremias: Pedimos que aceites a súplica que fazemos diante de ti e peças ao SENHOR, teu Deus, por nós e por todo este remanescente; porque, como podes ver, somos poucos que restaram de muitos."
  • 3Ora para que o SENHOR, teu Deus, nos mostre o caminho que devemos seguir e o que devemos fazer.
  • 4"Respondeu-lhes o profeta Jeremias: Eu vos atendo e orarei ao SENHOR, vosso Deus, conforme o vosso pedido; e vos declararei o que o SENHOR vos responder, sem vos ocultar nada."
  • 5Então eles disseram a Jeremias: Que o SENHOR seja testemunha verdadeira e fiel contra nós, se assim não fizermos conforme tudo o que o SENHOR, teu Deus, nos ordenar por teu intermédio.
  • 6Seja a resposta boa, seja má, obedeceremos à voz do SENHOR, nosso Deus, a quem te enviamos, para que tudo vá bem conosco, obedecendo à voz do SENHOR, nosso Deus.
  • 7Dez dias depois, a palavra do SENHOR veio a Jeremias.
  • 8Então ele chamou Joanã, filho de Careá, e todos os chefes das forças que estavam com ele, e todo o povo, do mais pobre ao mais rico,
  • 9e lhes disse: Assim diz o SENHOR, Deus de Israel, a quem me enviastes para apresentar a ele a vossa súplica:
  • 10"Se ficardes nesta terra, então vos edificarei e não vos destruirei; eu vos plantarei e não vos arrancarei, pois estou muito triste pela catástrofe que trouxe sobre vós."
  • 11"Não temais o rei da Babilônia, a quem temeis; não o temais, diz o SENHOR, pois estou convosco para vos salvar e para vos livrar da mão dele."
  • 12Eu vos concederei misericórdia, para que ele tenha misericórdia de vós e vos deixe habitar na vossa terra.
  • 13Mas se disserdes: Não ficaremos nesta terra e não obedeceremos à voz do SENHOR, vosso Deus,
  • 14e se disserdes: Não! Pelo contrário, iremos para o Egito, onde não veremos guerra, nem ouviremos o som de trombeta nem passaremos fome, e ali ficaremos,
  • 15nesse caso ouvi a palavra do SENHOR, ó remanescente de Judá: Assim diz o SENHOR dos Exércitos, Deus de Israel: Se estais decididos a ir para o Egito a fim de habitar ali,
  • 16então a espada que temeis vos alcançará ali, e a fome de que tendes medo vos seguirá de perto mesmo no Egito, e ali morrereis.
  • 17Assim acontecerá com todos os que decidirem partir e habitar no Egito: morrerão pela espada, pela fome e pela peste. Nenhum deles restará nem escapará da catástrofe que trarei sobre eles.
  • 18Pois assim diz o SENHOR dos Exércitos, Deus de Israel: Como se derramou a minha ira e a minha indignação sobre os habitantes de Jerusalém, assim se derramará a minha indignação sobre vós, quando entrardes no Egito. Sereis objeto de maldição, horror, desprezo e ofensa, e não vereis mais este lugar.
  • 19O SENHOR falou acerca de vós, ó remanescente de Judá: Não entreis no Egito. Sabei que hoje vos tenho avisado
  • 20de que enganastes a vós mesmos, pois me enviastes ao SENHOR, vosso Deus, dizendo: Suplica por nós ao SENHOR, nosso Deus, e dize-nos tudo conforme o que o SENHOR, nosso Deus, te disser, e assim o faremos.
  • 21Eu vos tenho declarado hoje, mas não destes ouvidos em nada à voz do SENHOR, vosso Deus, pela qual ele me enviou a vós.
  • 22Agora, sabei por certo que morrereis pela espada, pela fome e pela peste no mesmo lugar onde desejais habitar.
  • Jeremias é levado para o Egito

  • 1Quando Jeremias acabou de falar a todo o povo todas as palavras do SENHOR, seu Deus, palavras com as quais o SENHOR, seu Deus, o havia enviado,
  • 2então Azarias, filho de Hosaías, Joa¬nã, filho de Careá, e todos os homens arrogantes falaram a Jeremias: Estás mentindo! O SENHOR, nosso Deus, não te mandou dizer: Não entreis no Egito para habitar ali.
  • 3Mas é Baruque, filho de Nerias, quem te incita contra nós, para nos entregar na mão dos babilônios a fim de que nos matem ou nos levem cativos para a Babilônia.
  • 4Assim Joanã, filho de Careá, todos os chefes dos exércitos e todo o povo desobedeceram à voz do SENHOR de que ficassem na terra de Judá.
  • 5Pelo contrário, Joanã, filho de Careá, e todos os chefes das forças levaram todo o remanescente de Judá, que havia voltado dentre todas as nações para onde haviam sido dispersos, com o propósito de habitar na terra de Judá:
  • 6os homens, as mulheres, as crianças, as filhas do rei e todas as pessoas que Nebuzaradã, capitão da guarda, havia deixado com Gedalias, filho de Aicam, filho de Safã, como também o profeta Jeremias e Baruque, filho de Nerias.
  • 7Foram para a terra do Egito, em flagrante desobediência à voz do SENHOR, e chegaram a Tafnes.
  • Nabucodonosor conquistará o Egito

  • 8Então a palavra do SENHOR veio a Jeremias em Tafnes:
  • 9Pega pedras grandes e enterra-as sob o barro do pavimento na entrada do palácio do faraó em Tafnes, na presença dos homens de Judá,
  • 10e dize-lhes: Assim diz o SENHOR dos Exércitos, Deus de Israel: Convocarei Nabucodonosor, rei da Babilônia, meu servo, e porei o seu trono sobre estas pedras que enterrei, e ele estenderá a sua tenda real sobre elas.
  • 11"Virá e atacará a terra do Egito, entregando à morte os destinados à morte; ao cativeiro, os destinados ao cativeiro; e à espada; os destinados à espada."
  • 12Ele queimará os templos dos deuses do Egito e levará cativos os ídolos. Como um pastor tira piolhos de suas roupas, assim ele limpará o Egito e sairá dali em paz.
  • 13Quebrará as colunas de Bete-Semes, que estão na terra do Egito, e queimará os templos dos deuses do Egito.
  • A ruína dos que fugiram para o Egito

  • 1Esta é a palavra que veio a Jeremias acerca de todos os judeus que habitavam na terra do Egito, em Migdol, em Tafnes, em Mênfis e na região de Patros:
  • 2Assim diz o SENHOR dos Exércitos, Deus de Israel: Vistes toda a catástrofe que eu trouxe sobre Jerusalém e sobre todas as cidades de Judá. Hoje estão desertas e ninguém habita ali,
  • 3por causa da maldade que cometeram. Provocaram-me à ira, queimando incenso e cultuando outros deuses, a quem nunca conheceram, nem eles, nem vós, nem vossos pais.
  • 4Todavia, eu vos enviei insistentemente todos os meus servos, os profetas, para vos dizer que não cometêsseis essas abominações odiáveis!
  • 5Mas eles não escutaram, nem deram ouvidos para se converter da sua maldade e não queimarem incenso a outros deuses.
  • 6Por isso a minha indignação e a minha ira se derramaram e se acenderam nas cidades de Judá e nas ruas de Jerusalém, que se tornaram em ruína e desolação, como hoje se vê.
  • 7Agora, assim diz o SENHOR, Deus dos Exércitos, Deus de Israel: Por que cometeis tanta maldade contra vós mesmos, expulsando de Judá o homem e a mulher, a criança e o que mama, sem deixar ali nenhum remanescente?
  • 8Por que me irritais com as vossas ações, queimando incenso a outros deuses na terra do Egito, onde viestes habitar, para que sejais exterminados e vos torneis objeto de maldição e de ofensa entre todas as nações da terra?
  • 9Já estais esquecidos das maldades de vossos pais, das maldades dos reis de Judá e de suas mulheres, das vossas maldades e das de vossas mulheres, cometidas na terra de Judá e nas ruas de Jerusalém?
  • 10Vossos compatriotas* não se humilharam até o dia de hoje, nem temeram, nem andaram na minha lei nem nos meus estatutos, que pus diante de vós e diante de vossos pais.
  • 11Portanto, assim diz o SENHOR dos Exércitos, Deus de Israel: Decidi trazer a catástrofe sobre vós e destruir todo o Judá.
  • 12Tomarei o remanescente de Judá, que decidiu habitar na terra do Egito, e todos morrerão. Cairão pela espada na terra do Egito e morrerão de fome. Eles se consumirão, do mais pobre ao mais rico, e morrerão pela espada e pela fome. Serão objeto de maldição, horror, desprezo e ofensa,
  • 13pois castigarei os que habitam na terra do Egito como castiguei Jerusalém pela espada, pela fome e pela peste.
  • 14De maneira que, da parte remanescente de Judá que foi habitar na terra do Egito não haverá quem escape e reste para voltar à terra de Judá. Embora fosse seu grande desejo voltar e habitar ali, não voltarão, a não ser alguns poucos fugitivos.
  • O povo desobedece a Jeremias

  • 15Então todos os homens que sabiam que suas mulheres queimavam incenso a outros deuses, e todas as mulheres que estavam presentes, uma grande multidão, isto é, todo o povo que habitava na terra do Egito, em Patros, responderam a Jeremias:
  • 16Não obedeceremos à palavra que nos anunciaste em nome do SENHOR.
  • 17Pelo contrário, certamente faremos tudo o que prometemos: queimaremos incenso à rainha do céu e lhe apresentaremos ofertas derramadas. É isso que nós e nossos pais, nossos reis e nossos chefes fazíamos nas cidades de Judá e nas ruas de Jerusalém. Naquele tempo, tínhamos fartura de pão, prosperávamos e não vimos catástrofe alguma.
  • 18Mas desde que cessamos de queimar incenso à rainha do céu e de lhe apresentar ofertas derramadas, temos tido falta de tudo e temos sido consumidos pela espada e pela fome.
  • 19E nós, as mulheres, quando queimávamos incenso à rainha do céu e lhe apresentávamos ofertas derramadas, por acaso lhe fizemos bolos para adorá-la e lhe apresentamos ofertas derramadas sem o consentimento de nossos maridos?
  • Jeremias faz novas advertências ao povo

  • 20Então Jeremias disse aos homens e às mulheres e a todo o povo que lhe dera essa resposta:
  • 21Será que o SENHOR não se lembrou e não lhe veio à mente o incenso que queimastes nas cidades de Judá e nas ruas de Jerusalém, vós e vossos pais, vossos reis e vossos príncipes, como também o povo da terra?
  • 22O SENHOR não podia suportar por mais tempo a maldade das vossas ações, as abominações que cometestes. Por isso, a vossa terra ficou arrasada, destruída, amaldiçoada e desabitada, como hoje se vê.
  • 23"Porque queimastes incenso e pecastes contra o SENHOR, não obedecendo à voz do SENHOR nem andando na sua lei, nos seus estatutos e nos seus testemunhos; por isso vos sobreveio esta catástrofe, como se vê neste dia."
  • 24Disse mais Jeremias a todo o povo e a todas as mulheres: Ouvi a palavra do SENHOR, todo o Judá, que estais na terra do Egito.
  • 25Assim fala o SENHOR dos Exércitos, Deus de Israel: Vós e vossas mulheres prometestes e com as vossas mãos o cumpristes, dizendo: Certamente cumpriremos os votos que fizemos de queimar incenso à rainha do céu e de lhe apresentar ofertas derramadas. Portanto, confirmai e cumpri os vossos votos!
  • 26Ouvi a palavra do SENHOR, todos os de Judá que habitais na terra do Egito: Juro pelo meu grande nome, diz o SENHOR, que nunca mais será pronunciado o meu nome pela boca de nenhum homem de Judá em toda a terra do Egito, dizendo: Como vive o SENHOR Deus!
  • 27"Eu os vigiarei para trazer a catástrofe e não o bem; todos os homens de Judá que estão no Egito morrerão pela espada e pela fome, até que todos sejam consumidos."
  • 28Os que escaparem da espada voltarão da terra do Egito para a terra de Judá, poucos em número. Então todo o restante de Judá que foi habitar na terra do Egito saberá qual palavra se mostra verdadeira, a minha ou a deles.
  • 29Este será o sinal de que vos castigarei neste lugar, diz o SENHOR, para que saibais que as minhas palavras certamente se mostrarão verdadeiras contra vós para a catástrofe:
  • 30Assim diz o SENHOR: Entregarei o faraó Hofra, rei do Egito, nas mãos de seus inimigos e nas mãos dos que procuram matá-lo, como entreguei Zedequias, rei de Judá, nas mãos de Nabucodonosor, rei da Babilônia, seu inimigo, que procurava matá-lo.
  • A palavra de Jeremias a Baruque

  • 1Esta é a palavra que o profeta Jeremias falou a Baruque, filho de Nerias, quando este escrevia num livro* as palavras ditadas por Jeremias, no quarto ano de Jeoaquim, filho de Josias, rei de Judá:
  • 2Assim diz o SENHOR, Deus de Israel, acerca de ti, ó Baruque:
  • 3"Disseste: Ai de mim agora! Porque o SENHOR acrescentou tristeza à minha dor; estou cansado do meu gemer e não encontro descanso."
  • 4Tu lhe dirás isto: Assim diz o SENHOR: Estou a ponto de destruir o que edifiquei e de arrancar o que plantei, e isso em toda esta terra.
  • 5E procuras coisas magníficas para ti mesmo? Não as busques, pois estou a ponto de trazer uma catástrofe sobre toda a humanidade, diz o SENHOR, mas a ti darei a tua vida como despojo em todos os lugares para onde fores.
  • Profecia contra o Egito

  • 1Esta é a palavra do SENHOR, que veio ao profeta Jeremias, acerca das nações.
  • 2Acerca do Egito: a respeito do exército do faraó Neco, rei do Egito, que estava junto ao rio Eufrates em Carquêmis, que Nabucodonosor, rei da Babilônia, derrotou no quarto ano de Jeoaquim, filho de Josias, rei de Judá.
  • 3Preparai os escudos, tanto os pequenos como os grandes, e marchai para a luta.
  • 4"Cavaleiros, aparelhai os cavalos e montai! Colocai os capacetes; dai lustro nas lanças; vesti-vos de couraças."
  • 5"Por que razão os vejo espantados e dando as costas? Os seus heróis estão abatidos e vão fugindo, sem olhar para trás; há terror por todos os lados, diz o SENHOR."
  • 6O ligeiro não consegue fugir, nem o herói, escapar. No norte, junto ao rio Eufrates, eles tropeçaram e caíram.
  • 7Quem é este que vem subindo como o Nilo, como rios cujas águas se agitam?
  • 8"O Egito é que vem subindo como o Nilo, como rios cujas águas se agitam; e ele diz: Subirei, cobrirei a terra; destruirei a cidade e os que nela habitam."
  • 9"Atacai, ó cavalos; avançai, ó carruagens; e saí, valentes que manejam o escudo, Etiópia e Líbia, e os de Lídia, que manejam e retesam o arco."
  • 10"Porque aquele dia é o dia do Senhor, o SENHOR dos Exércitos, dia de vingança contra os seus adversários. A espada devorará, até se fartar e se embriagar com o sangue deles; pois o Senhor, o SENHOR dos Exércitos, celebrará um banquete* na terra do norte, junto ao rio Eufrates."
  • 11"Sobe a Gileade à procura de bálsamo, ó virgem filha do Egito; em vão multiplicas remédios; não há cura para ti."
  • 12"As nações ouviram falar da tua vergonhosa derrota, e a terra está cheia do teu clamor; porque um guerreiro tropeçou em outro, e ambos caíram."
  • A invasão e a conquista do Egito

  • 13Esta é a palavra que o SENHOR falou ao profeta Jeremias, acerca da vinda de Nabucodonosor, rei da Babilônia, para atacar a terra do Egito.
  • 14"Anunciai-o no Egito, proclamai isto em Migdol; proclamai-o também em Mênfis e em Tafnes; dizei: Apresenta-te e prepara-te, porque a espada devorará o que está ao redor de ti."
  • 15Por que o teu guerreiro está caído?* Ele não ficou em pé, pois o SENHOR o abateu.
  • 16"Fez tropeçar a multidão; caíram uns sobre os outros e disseram: Levanta-te, e voltemos para o nosso povo, para a terra do nosso nascimento, por causa da espada que oprime."
  • 17"Clamaram ali: O faraó, rei do Egito, é apenas um barulho; deixou passar o tempo assinalado."
  • 18Juro por mim mesmo, diz o Rei, cujo nome é SENHOR dos Exércitos, que certamente ele virá, como o Tabor entre os montes, como o Carmelo junto ao mar.
  • 19"Prepara-te para ires para o cativeiro, ó habitante do Egito; porque Mênfis será arrasada e incendiada, até que ninguém mais habite ali."
  • 20O Egito é uma bela novilha, mas do norte vespas vêm contra ela.
  • 21"Até os mercenários em seu meio são como bezerros de engorda; mas também eles viraram as costas, fugiram juntos, não resistiram; porque veio sobre eles o dia da sua ruína e o tempo da sua punição."
  • 22"O seu ruído é como o da serpente em fuga; porque um exército avança contra ele trazendo machados, como os cortadores de lenha."
  • 23"Eles cortarão o seu bosque por mais denso que seja, diz o SENHOR; porque se multiplicaram mais do que os gafanhotos; são inumeráveis."
  • 24A filha do Egito será envergonhada e entregue nas mãos do povo do norte.
  • 25Diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel: Castigarei Amom de Tebas, o faraó e o Egito, juntamente com seus deuses e seus reis, sim, o próprio faraó e os que nele confiam.
  • 26"E os entregarei nas mãos dos que procuram matá-los, nas mãos de Nabucodonosor, rei da Babilônia, e nas mãos dos seus servos; mas depois será habitada, como nos dias antigos, diz o SENHOR."
  • Israel é consolado

  • 27"Mas tu, meu servo Jacó, não temas nem te assustes, ó Israel; pois livrarei a ti, mesmo que de longe, e a tua descendência da terra do cativeiro; então Jacó voltará e ficará tranquilo e em paz, e ninguém o perturbará."
  • 28"Não temas, meu servo Jacó, diz o SENHOR; porque estou contigo; eu destruirei completamente todas as nações para onde te lancei; mas não te destruirei completamente; eu te castigarei com justiça e de modo algum te deixarei impune."
  • Profecia contra os filisteus

  • 1Esta é a palavra do SENHOR que veio ao profeta Jeremias, acerca dos filisteus, antes que o faraó investisse contra Gaza.
  • 2"Assim diz o SENHOR: Do norte se levantam as águas, que se transformarão em torrente trasbordante e inundarão a terra em sua totalidade, a cidade e seus habitantes; os homens e todos os habitantes da terra clamarão,"
  • 3ao estrondo dos cascos dos seus fortes cavalos, ao barulho das suas carrua¬gens, ao ruído das suas rodas. Os pais não ajudarão os filhos, por causa da fraqueza das mãos,
  • 4por causa do dia que vem para destruir todos os filisteus, para eliminar todo o remanescente de Tiro e de Sidom que os pudesse socorrer. Pois o SENHOR destruirá os filisteus, o remanescente da ilha de Caftor.
  • 5"Em Gaza, raparão a cabeça em sinal de luto; Asquelom foi desarraigada, bem como o resto do seu vale; até quando te retalharás?"
  • 6Ah, espada do SENHOR! Quando repousarás? Volta para a tua bainha, descansa e aquieta-te.
  • 7Como podes descansar, se o SENHOR te deu uma ordem? Contra Asquelom e contra o litoral é que ele a enviou.
  • Profecia contra Moabe

  • 1"Acerca de Moabe. Assim diz o SENHOR dos Exércitos, Deus de Israel: Ai de Nebo, porque foi destruída; Quiriataim está derrotada e foi capturada; a fortaleza foi derrotada e destruída."
  • 2"Moabe não é mais elogiada; em Hesbom conspiraram contra ela, dizendo: Vinde e exterminemo-la, para que deixe de ser uma nação; tu, ó Madmém, também serás destruída; a espada te perseguirá."
  • 3Som de grito de Horonaim, ruína e grande destruição!
  • 4"Moabe está destruída; seus filhinhos fizeram ouvir um clamor."
  • 5"Chorando amargamente, eles vão subindo pelo caminho de Luíte; porque na descida de Horonaim, ouviram gritos de angústia por causa da destruição."
  • 6Fugi, salvai a vossa vida! Sede como o jumento selvagem no deserto.
  • 7"Porque confiaste nas tuas obras e nos teus tesouros, tu também serás tomada; e Camos sairá para o cativeiro junto com seus sacerdotes e seus príncipes."
  • 8"Porque o destruidor virá sobre cada uma das cidades, e nenhuma escapará; o vale será arrasado, e a planície, destruída, como disse o SENHOR."
  • 9"Dai asas a Moabe, porque sairá voando; e as suas cidades ficarão desoladas, sem habitante."
  • 10Maldito quem fizer a obra do SENHOR de forma negligente! Maldito o que poupar a sua espada de derramar sangue!
  • 11"Moabe tem estado em paz desde a sua juventude e repousado como o vinho com seus resíduos; não foi decantada de vasilha em vasilha, nem foi para o cativeiro; por isso o seu sabor é o mesmo, e o seu cheiro não mudou."
  • 12"Portanto, diz o SENHOR, dias virão em que lhe enviarei pessoas que o derramarão; despejarão suas vasilhas e despedaçarão seus jarros."
  • 13Moabe terá vergonha de Camos, como a casa de Israel se envergonhou de Betel, sua confiança.
  • 14Como direis: Somos valentes e homens fortes para a guerra?
  • 15"Moabe já foi destruída, e suas cidades, invadidas; os seus jovens selecionados foram conduzidos à matança, diz o Rei, cujo nome é SENHOR dos Exércitos."
  • 16A calamidade de Moabe está perto e a sua desgraça vem com muita apressa.
  • 17Lamentai por ela, todos os que estais em seu redor, e todos os que sabeis o seu nome. Dizei: Como se quebrou a vara forte, o cetro majestoso!
  • 18"Desce da tua glória e senta-te no pó, ó habitante da filha de Dibom; porque o destruidor de Moabe subiu contra ti e destruiu as tuas fortalezas."
  • 19"Põe-te junto ao caminho e espia, ó habitante de Aroer; pergunta ao que foge e à que escapa: O que aconteceu?"
  • 20"Moabe está envergonhada, porque foi destruída; chorai e gritai; anunciai em Arnom que Moabe está destruída."
  • 21"O julgamento veio sobre a terra da planície; sobre Holom, Jaza e Mefaate;"
  • 22"sobre Dibom, Nebo e Bete-Diblataim;"
  • 23"sobre Quiriataim, Bete-Gamul e Bete-Meom;"
  • 24sobre Queriote, Bozra e todas as cidades distantes e próximas da terra de Moabe.
  • 25A força de Moabe foi eliminada. O seu braço foi quebrado, diz o SENHOR.
  • 26"Embriagai-o, porque ele provocou o SENHOR; Moabe se revolverá no seu vômito, e ele também será ridicularizado."
  • 27Pois Israel não foi também ridicularizado? Por acaso foi achado entre ladrões para que, sempre que falas dele, balances a cabeça?
  • 28"Ó moradores de Moabe, abandonai as cidades e habitai no rochedo; sede como a pomba que se aninha nas beiradas de um penhasco."
  • 29"Temos ouvido da soberba de Moabe, da sua grande soberba; da sua arrogância, do seu orgulho, da sua presunção e da altivez do seu coração."
  • 30"Eu conheço a sua insolência, diz o SENHOR, mas ela não dá em nada; a sua ostentação é mentirosa."
  • 31"Por isso lamentarei por Moabe; gritarei por toda a Moabe; lamentarei pelos homens de Quir-Heres."
  • 32"Com choro maior que o de Jazer chorarei por ti, ó vinha de Sibma; os teus ramos passaram o mar, chegaram até o mar de Jazer; mas o destruidor caiu sobre as tuas frutas de verão e sobre a tua colheita de uvas."
  • 33"Assim, a alegria e o regozijo do campo fértil e da terra de Moabe foram tirados; e fiz que acabasse o vinho dos lagares; já não pisam uvas com júbilo; o brado não é de júbilo."
  • 34"O grito de Hesbom e Eleale se ouve até Jaza; fazem ouvir a sua voz desde Zoar até Horonaim e Eglate-Selíssia; pois também as águas do Ninrim virão a ser desolação."
  • 35Farei desaparecer de Moabe, diz o SENHOR, aquele que sacrifica nos altos e queima incenso a seus deuses.
  • 36Por isso, o meu coração geme como flauta por Moabe, e como flauta o meu coração geme pelos homens de Quir-Heres, porque a riqueza que acumulou se perdeu.
  • 37"Pois toda cabeça é rapada, e toda barba, cortada; todas as mãos estão cheias de escoriações, e a cintura, coberta de pano de saco."
  • 38"Sobre todos os terraços de Moabe e nas suas ruas há um pranto geral; pois quebrei Moabe, como se fosse um vaso inútil, diz o SENHOR."
  • 39Como está quebrantada! Como choram! Como Moabe deu as costas, envergonhada! Assim Moabe se tornou objeto de ridículo e de horror para todos os que estão ao seu redor.
  • 40Pois assim diz o SENHOR: Uma nação voará como a águia e estenderá suas asas contra Moabe.
  • 41"As cidades serão invadidas,* e as fortalezas, ocupadas; naquele dia, o coração dos guerreiros de Moabe será como o coração de uma mulher com dores de parto."
  • 42E Moabe será destruída, para deixar de ser um povo, porque se engrandeceu contra o SENHOR.
  • 43Temor, cova e laço esperam por ti, ó habitante de Moabe, diz o SENHOR.
  • 44"O que fugir do temor cairá na cova, e o que sair da cova ficará preso no laço; pois trarei sobre ele, sobre Moabe, o ano do seu castigo, diz o SENHOR."
  • 45"Os que fugiram ficam sem forças e parados à sombra de Hesbom; mas saiu fogo de Hesbom, e a labareda, do meio de Siom, e devorou a fronte de Moabe e o alto da cabeça dos turbulentos."
  • 46"Ai de ti, Moabe! O povo de Camos está destruído; pois teus filhos foram levados cativos, e tuas filhas, para o exílio."
  • 47Contudo, nos últimos dias mudarei o destino de Moabe, diz o SENHOR. Até aqui, o juízo de Moabe.
  • Profecia contra Amom

  • 1A respeito dos amonitas. Assim diz o SENHOR: Por acaso Israel não tem filhos? Não tem herdeiro? Por que, então, Milcom* possui Gade, e o seu povo habita nas suas cidades?
  • 2"Portanto, diz o SENHOR, dias virão em que farei ouvir o tumulto de guerra contra Rabá dos amonitas. Ela se tornará um montão de ruínas, e os seus povoados serão incendiados; então Israel deserdará os que o deserdaram, diz o SENHOR."
  • 3"Chorai, ó Hesbom, porque Ai está destruída; clamai, ó filhas de Rabá, cobri a cintura com panos de saco; lamentai e dai voltas pelos muros; porque Milcom* irá para o cativeiro, juntamente com seus sacerdotes e príncipes."
  • 4Por que te orgulhas de teus vales, de teus vales férteis, ó filha rebelde? Tu, que confias nos teus tesouros, dizendo: Quem me atacará?
  • 5"Trarei terror sobre ti, diz o Senhor, o SENHOR dos Exércitos, de todos os que estão ao redor de ti; sereis lançados fora, cada um para uma direção, e ninguém recolherá o fugitivo."
  • 6Mas depois disso mudarei o destino dos amonitas, diz o SENHOR.
  • 7A respeito de Edom. Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Por acaso não há mais sabedoria em Temã? O conselho dos sábios foi destruído? Sumiu a sabedoria?
  • 8"Fugi, voltai, habitai em cavernas, ó moradores de Dedã; porque trarei sobre ela a ruína de Esaú, o tempo em que a punirei."
  • 9Se aqueles que colhem uvas fossem a ti, não deixariam alguns cachos? Se viessem ladrões de noite, não saqueariam somente o que lhes fosse suficiente?
  • 10Mas desnudei Esaú, descobri seus esconderijos, de modo que ele não poderá se esconder. A sua descendência, assim como seus irmãos e vizinhos, estão destruídos, e ele não existe mais.
  • 11"Deixa os teus órfãos, eu os guardarei em vida; e as tuas viúvas confiem em mim."
  • 12"Pois assim diz o SENHOR: Aqueles que não estavam condenados a beber do copo certamente beberão; e ficarias tu inteiramente impune? Não ficarás impune, mas com certeza beberás."
  • 13"Pois jurei por mim mesmo, diz o SENHOR, que Bozra servirá de objeto de ridículo, vergonha, ruína e maldição; e todas as suas cidades ficarão para sempre desertas."
  • 14"Ouvi uma mensagem da parte do SENHOR: Um embaixador é enviado por entre as nações para lhes dizer: Ajuntai-vos e vinde contra ela; levantai-vos para a guerra."
  • 15Pois te farei insignificante entre as nações, desprezado entre os homens.
  • 16"O terror que inspiras e a arrogância do teu coração te enganaram, ó tu que habitas nas cavernas dos penhascos, que ocupas as alturas dos montes; ainda que ponhas o teu ninho no alto como a águia, de lá te derrubarei, diz o SENHOR."
  • 17"E Edom se tornará em objeto de horror; todo aquele que passar por ela ficará horrorizado e zombará por causa de todas as suas pragas."
  • 18Como na destruição de Sodoma e Gomorra, e das cidades circunvizinhas, diz o SENHOR, ninguém habitará ali, ser humano algum viverá naquele lugar.
  • 19"Um inimigo subirá como leão das margens do Jordão e dispersará as ovelhas na pastagem ao redor. Mas, subitamente, eu o farei correr dali; e colocarei sobre ela quem eu escolher. Pois quem é semelhante a mim? Quem me fixará um prazo? Quem é o pastor que me poderá resistir?"
  • 20"Portanto, ouvi o que o SENHOR planejou, o que ele decretou contra Edom e os seus planos para os moradores de Temã: até os mais novos do rebanho serão arrastados; ele certamente arrasará suas moradas por causa deles."
  • 21"A terra estremecerá com o estrondo da sua queda; o som do seu clamor se ouvirá até o mar Vermelho."
  • 22"Subirá como águia, voará e estenderá as asas contra Bozra; naquele dia, o coração dos guerreiros de Edom se tornará como o coração da mulher com dores de parto."
  • Profecia contra Damasco

  • 23"A respeito de Damasco. Hamate e Arpade estão envergonhadas e tremem de medo, pois ouviram más notícias; estão agitadas como o mar, que não pode se aquietar."
  • 24"Damasco está enfraquecida, virou as costas para fugir, e o pânico tomou conta dela; angústia e dores apossaram-se dela como da mulher prestes a dar à luz."
  • 25Como está abandonada a cidade famosa, a cidade da minha alegria!
  • 26Por isso, os seus jovens cairão nas ruas, e todos os guerreiros serão silenciados naquele dia, diz o SENHOR dos Exércitos.
  • 27Atearei fogo no muro de Damasco, que destruirá os palácios de Ben-Hadade.
  • Profecia contra Quedar e Hazor

  • 28A respeito de Quedar e dos reinos de Hazor, que Nabucodonosor, rei da Babilônia, derrotou. Assim diz o SENHOR: Levantai-vos, subi contra Quedar e destruí os homens do oriente.
  • 29"Suas tendas e seus rebanhos serão tomados; suas lonas serão levadas, como também todos os seus vasos e seus camelos; e lhes gritarão: Há terror por todos os lados!"
  • 30"Fugi, desviai-vos para muito longe, escondei-vos em cavernas, ó moradores de Hazor, diz o SENHOR; porque Nabucodonosor, rei da Babilônia, conspirou e fez planos contra vós."
  • 31Preparai-vos, atacai uma nação que está em paz, que habita tranquila, diz o SENHOR, que não tem portas nem trancas e habita sozinha.
  • 32"E os seus camelos servirão de espólio, e seus grandes rebanhos, de despojo. Espalharei aos ventos os que rapam a cabeça; de todos os lados lhes trarei sua calamidade, diz o SENHOR."
  • 33"Assim Hazor se tornará em morada de chacais, um deserto para sempre; ninguém habitará ali, nenhum ser humano viverá naquele lugar."
  • Profecia contra Elão

  • 34Esta é a palavra do SENHOR, que veio ao profeta Jeremias acerca de Elão, no início do reinado de Zedequias, rei de Judá:
  • 35Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Quebrarei o arco de Elão, o principal do seu poder.
  • 36"E trarei sobre Elão os quatro ventos dos quatro cantos dos céus, e os espalharei para todos esses ventos; e não haverá nação para onde os fugitivos de Elão não se refugiem."
  • 37"E farei que Elão desfaleça diante de seus inimigos e diante dos que procuram matá-lo. Trarei sobre eles a desgraça, o furor da minha ira, diz o SENHOR; e enviarei contra eles a espada, até que eu os tenha destruído."
  • 38Porei o meu trono em Elão e destruirei dali rei e príncipes, diz o SENHOR.
  • 39Mas, nos últimos dias, acontecerá que mudarei o destino de Elão, diz o SENHOR.
  • A destruição da Babilônia e a libertação de Israel

  • 1Esta é a palavra que o SENHOR falou acerca da Babilônia, a respeito da terra dos babilônios, por intermédio do profeta Jeremias:
  • 2"Anunciai e proclamai entre as nações, erguei uma bandeira, proclamai e não escondei; dizei: A Babilônia foi conquistada, Bel foi humilhado, Marduque está alvoroçado, seus ídolos estão humilhados, e os seus deuses, alvoroçados."
  • 3"Pois uma nação do norte vem atacá-la e transformará sua terra em deserto, e ninguém habitará nela; tanto os homens como os animais já fugiram e se foram."
  • 4"Naqueles dias, e naquele tempo, diz o SENHOR, o povo* de Israel virá junto com o de Judá; virão andando e chorando, e buscarão o SENHOR, seu Deus."
  • 5Eles indagarão a respeito de Sião, com o rosto voltado para lá e dizendo: Vinde e uni-vos ao SENHOR em aliança eterna que nunca será esquecida.
  • 6"O meu povo tem sido ovelhas perdidas; seus pastores as fizeram se desviar e voltar aos montes; elas vaguearam entre montes e colinas, esqueceram-se do seu lugar de repouso."
  • 7Todos os que as achavam as devoravam, e os seus adversários diziam: Não teremos culpa alguma, pois pecaram contra o SENHOR, a morada da justiça, sim, o SENHOR, a esperança de seus pais.
  • 8"Fugi da Babilônia e saí da terra dos babilônios; sede como os bodes diante do rebanho."
  • 9"Pois da terra do norte arregimentarei e farei subir contra a Babilônia uma coalizão de grandes nações, que se posicionarão contra ela; e ela será conquistada. As suas flechas serão como as do herói guerreiro; nenhuma se perderá."
  • 10"A Babilônia servirá de despojo; todos os que a saquearem ficarão fartos, diz o SENHOR."
  • 11Embora vos alegreis e vos regozijeis, ó saqueadores da minha herança, embora andeis soltos como a novilha que pisa o capim e relincheis como cavalos vigorosos,
  • 12"vossa mãe ficará muito envergonhada, a que vos deu à luz ficará humilhada; ela será a menor das nações, um deserto, terra seca e deserta."
  • 13"Por causa da ira do SENHOR não será habitada; pelo contrário, ela se tornará em total desolação; qualquer um que passar pela Babilônia se espantará e dela zombará por causa de todas as suas pragas."
  • 14"Posicionai-vos para cercar a Babilônia, todos os que preparais os arcos; atirai contra ela, não poupeis flechas, porque ela tem pecado contra o SENHOR."
  • 15"Gritai contra ela, cercando-a; ela já se rendeu; caíram suas torres, os seus muros estão no chão. Pois esta é a vingança do SENHOR; vingai-vos dela; fazei-lhe o mesmo que ela fez aos outros."
  • 16"Cortai da Babilônia o que semeia, e o que maneja a foice no tempo da colheita; por causa da espada do opressor, cada um voltará para o seu povo e fugirá para a sua terra."
  • 17"Israel é um cordeiro desgarrado, os leões o afugentaram; o primeiro a devorá-lo foi o rei da Assíria, e agora, por último, Nabucodonosor, rei da Babilônia, quebrou-lhe os ossos."
  • 18Portanto, assim diz o SENHOR dos Exércitos, Deus de Israel: Castigarei o rei da Babilônia e a sua terra, assim como castiguei o rei da Assíria.
  • 19"Trarei Israel para a sua morada; ele pastará no Carmelo e em Basã e se fartará nas colinas de Efraim e em Gileade."
  • 20"Naqueles dias, e naquele tempo, diz o SENHOR, se procurará iniquidade em Israel, mas não será achada; e o pecado em Judá, e não se achará; pois perdoarei os remanescentes."
  • 21"Sobe contra a terra de Merataim, sim, contra ela, e contra os moradores de Pecode; mata e destrói totalmente o que sobrar, diz o SENHOR, e faz conforme tudo o que te ordenei."
  • 22Na terra há estrondo de batalha e de grande destruição.
  • 23Como foi despedaçado e quebrado o martelo de toda a terra! Como a Babilônia ficou arrasada entre as nações!
  • 24"Preparei armadilhas para ti, ó Babilônia, e foste presa antes que percebesses; foste encontrada e apanhada, pois te colocaste contra o SENHOR."
  • 25"O SENHOR abriu o seu arsenal e tirou as armas da sua indignação; porque o Senhor, o SENHOR dos Exércitos tem uma obra a realizar na terra dos babilônios."
  • 26"Vinde contra ela dos confins da terra, abri os seus celeiros; transformai-a em ruínas e destruí-a totalmente; não lhe deixai remanescente."
  • 27"Matai todos os seus novilhos, que desçam ao matadouro; ai deles! Porque o seu dia chegou, o tempo da sua punição."
  • 28Esta é a voz dos que fogem e escapam da terra da Babilônia para anunciar em Sião a vingança do SENHOR, nosso Deus, a vingança do seu templo.
  • 29"Convocai contra a Babilônia os flecheiros, todos os que preparam arcos; acampai ao seu redor, ninguém escape dela. Retribuí-lhe de acordo com a sua obra; fazei a ela o mesmo que fez aos outros; porque agiu com arrogância contra o SENHOR, contra o Santo de Israel."
  • 30Portanto, naquele dia os seus jovens cairão nas suas praças, e todos os seus guerreiros serão destruídos, diz o SENHOR.
  • 31"Estou contra ti, ó arrogante, diz o Senhor, o SENHOR dos Exércitos; pois o teu dia chegou, o tempo em que te punirei."
  • 32"Então o arrogante tropeçará e cairá; ninguém o levantará; porei fogo nas suas cidades, fogo que consumirá tudo em seu redor."
  • 33"Assim diz o SENHOR dos Exércitos: O povo de Israel, junto com o de Judá, está sendo oprimido; todos os que os levaram cativos os mantêm presos, recusam-se a soltá-los."
  • 34"Mas o seu Redentor é forte; o seu nome é SENHOR dos Exércitos. Certamente defenderá em juízo a causa deles, para dar descanso à terra e inquietar os moradores da Babilônia."
  • 35A espada virá sobre os babilônios, diz o SENHOR, sobre os moradores da Babilônia e sobre seus príncipes e sábios.
  • 36"A espada virá sobre os falsos profetas, e eles se tornarão insensatos; a espada virá sobre os seus guerreiros, e eles desfalecerão."
  • 37"A espada virá sobre seus cavalos, sobre suas carruagens e sobre todos os estrangeiros que se encontram em seu meio; e eles se tornarão como mulheres; a espada virá sobre os seus tesouros, e estes serão saqueados."
  • 38"A seca virá sobre suas águas, e elas secarão; pois é uma terra de imagens esculpidas, e eles enlouquecem por causa de seus ídolos."
  • 39"Por isso feras do deserto habitarão ali juntamente com lobos; também habitarão ali avestruzes, e nunca mais será povoada, nem habitada de geração em geração."
  • 40Como Deus destruiu Sodoma e Gomorra, e suas cidades vizinhas, diz o SENHOR, assim ninguém habitará ali, nem ser humano algum viverá naquele lugar.
  • 41Um povo vem do norte, e uma grande nação e muitos reis se levantam das extremidades da terra.
  • 42"Armam-se de arco e lança; são cruéis e não têm piedade; a sua voz ruge como o mar; eles vêm montados em cavalos, dispostos como homens para a batalha contra ti, ó filha da Babilônia."
  • 43"O rei da Babilônia soube da fama deles e suas mãos se enfraqueceram; a angústia se apoderou dele, dores como daquela que está em trabalho de parto."
  • 44Um inimigo subirá como leão das margens do Jordão contra a fortaleza. Mas, subitamente, o farei correr dali e colocarei sobre ela quem eu escolher. Pois quem é semelhante a mim? Quem me fixará um prazo? Quem é o pastor que poderá me resistir?
  • 45"Portanto, ouvi o que o SENHOR planejou contra a Babilônia e o propósito que estabeleceu contra a terra dos babilônios: certamente eles, os pequenos do rebanho, serão arrastados; certamente por causa deles suas pastagens ficarão arrasadas."
  • 46"A terra estremece diante do estrondo da invasão da Babilônia; ouve-se o seu grito entre as nações."
  • 1Assim diz o SENHOR: Levantarei um vento destruidor contra a Babilônia e contra os que habitam na Caldeia.*
  • 2Enviarei peneiradores contra a Babilônia, que a peneirarão como o trigo e esvaziarão a sua terra, quando a cercarem no dia de sua desgraça.
  • 3"Não arme o flecheiro o seu arco, nem se levante o que estiver com sua couraça; não perdoeis aos seus jovens; destruí completamente todo o seu exército."
  • 4Cairão mortos na terra dos babilônios e feridos nas suas ruas.
  • 5Pois Israel e Judá não foram abandonados pelo seu Deus, o SENHOR dos Exércitos, ainda que a terra deles esteja cheia de culpas contra o Santo de Israel.
  • 6"Fugi da Babilônia, e cada um salve a sua vida; não sejais exterminados por causa da sua maldade, pois este é o tempo da vingança do SENHOR; ele lhe retribuirá o que merece."
  • 7"A Babilônia era um copo de ouro na mão do SENHOR e embriagava toda a terra; as nações beberam do seu vinho e por isso estão fora de si."
  • 8"A Babilônia caiu de repente e ficou arruinada; chorai por ela; tomai bálsamo para o seu ferimento, talvez sare."
  • 9"Queríamos sarar a Babilônia, mas ela não sarou; abandonai-a, e vamo-nos, cada um para a sua terra; pois o seu julgamento chega até o céu e se eleva até as mais altas nuvens."
  • 10"O SENHOR trouxe à luz a nossa justiça; vinde e anunciemos em Sião a obra do SENHOR, nosso Deus."
  • 11"Afiai as flechas, preparai os escudos; o SENHOR despertou o espírito dos reis dos medos; porque o seu propósito é destruir a Babilônia; pois esta é a vingança do SENHOR, a vingança do seu templo."
  • 12"Levantai um estandarte sobre os muros da Babilônia, reforçai a guarda, colocai sentinelas, preparai as emboscadas; porque o SENHOR planejou e executou o que havia falado acerca dos moradores da Babilônia."
  • 13Ó tu, que habitas sobre muitas águas, rica de tesouros! Chegou o teu fim, a hora* de seres eliminada.
  • 14"O SENHOR dos Exércitos jurou por si mesmo: Certamente te encherei de guerreiros,* como um enxame de gafanhotos; e eles levantarão o grito de vitória sobre ti."
  • 15É ele quem fez a terra com seu poder, estabeleceu o mundo com sua sabedoria e estendeu os céus com seu entendimento.
  • 16"As águas no céu rugem ao som de sua voz, e ele faz subir as nuvens desde as extremidades da terra; faz os relâmpagos para a chuva e tira o vento dos seus tesouros."
  • 17"Todo homem tornou-se embrutecido e ignorante; todo ourives é envergonhado por suas imagens esculpidas, pois as suas imagens de fundição são ilusão e não têm vida."
  • 18"São inúteis e obras de engano; quando chegar seu castigo, serão destruídas."
  • 19"A porção de Jacó não é semelhante a essas; porque ele é o que forma todas as coisas, e Israel é a tribo da sua herança; o SENHOR dos Exércitos é o seu nome."
  • 20"Tu és meu martelo e arma de guerra; contigo despedaçarei nações; contigo destruirei os reis;"
  • 21"contigo despedaçarei o cavalo e seu cavaleiro; contigo despedaçarei a carrua¬gem e o que nela vai;"
  • 22"contigo despedaçarei o homem e a mulher; contigo despedaçarei o velho e o moço; contigo despedaçarei o jovem e a moça;"
  • 23"contigo despedaçarei o pastor e seu rebanho; contigo despedaçarei o lavrador e sua junta de bois; e contigo despedaçarei governadores e magistrados."
  • 24Diante de vossos olhos pagarei à Babilônia e a todos os moradores da Caldeia toda a maldade que cometeram em Sião, diz o SENHOR.
  • 25"Aqui estou contra ti, ó monte destruidor, diz o SENHOR, que destróis toda a terra; estenderei a minha mão contra ti e te precipitarei dos penhascos abaixo; farei de ti um monte em chamas."
  • 26"E não tomarão de ti pedra angular, nem pedra para fundamentos; mas ficarás destruída para sempre, diz o SENHOR."
  • 27"Levantai um estandarte na terra, tocai a trombeta entre as nações, preparai as nações contra ela, convocai contra ela os reinos de Ararate, Mini e Asquenaz; ponde sobre ela um capitão, fazei subir cavalos, como um enxame de gafanhotos."
  • 28Preparai contra ela as nações, os reis dos medos, seus governadores e magistrados, e toda a terra do seu domínio.
  • 29"A terra estremece e está angustiada; porque os planos do SENHOR estão firmes contra a Babilônia, para fazer dessa terra um deserto desabitado."
  • 30"Os guerreiros da Babilônia pararam de lutar, ficam nas fortalezas, acabou sua força, tornaram-se como mulheres; suas moradas foram queimadas, e as trancas das suas portas foram quebradas."
  • 31Um emissário é enviado ao encontro de outro emissário, e um mensageiro, ao encontro de outro mensageiro, para anunciar ao rei da Babilônia que a sua cidade está cercada por todos os lados.
  • 32As travessias dos rios foram ocupadas, os juncos dos pântanos foram queimados, e os guerreiros estão aterrorizados.
  • 33"Pois assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel: A filha da Babilônia é como a eira no tempo da debulha; ainda um pouco, e o tempo da colheita lhe virá."
  • 34Nabucodonosor, rei da Babilônia, devorou-me, esmagou-me, fez de mim um vaso vazio, tragou-me como se fosse um monstro, encheu o seu estômago de nossa deliciosa comida e nos vomitou.
  • 35Que a violência cometida contra mim e contra minha descendência venha sobre a Babilônia, diga o morador de Sião. O meu sangue caia sobre os moradores da Babilônia, diga Jerusalém.
  • 36"Por isso, assim diz o SENHOR: Defenderei a tua causa e te vingarei; secarei o seu mar e farei que se esgote a fonte dela."
  • 37A Babilônia se tornará em montões, morada de chacais, objeto de horror e zombaria, sem habitantes.
  • 38Os babilônios rugem como leões novos e urram como filhotes de leões.
  • 39Quando seu apetite estiver incontrolável, eu lhes prepararei um banquete e os embriagarei, para que fiquem alegres, durmam um sono eterno e não acordem, diz o SENHOR.
  • 40Eu os levarei como cordeiros ao matadouro, como carneiros e bodes.
  • 41Como Sesaque* foi tomada, apanhada de surpresa a glória de toda a terra! Como a Babilônia se tornou objeto de horror entre as nações!
  • 42"O mar subiu sobre a Babilônia; ela está coberta com a multidão das suas ondas."
  • 43As suas cidades tornaram-se em ruínas, terra seca e deserta, terra em que ninguém habita, nem passa por ela ser humano algum.
  • 44"Castigarei Bel na Babilônia e tirarei da sua boca o que ele tragou; nunca mais virão a ele as nações; o muro da Babilônia está caído."
  • 45Saí do meio dela, ó povo meu, e salve cada um a própria vida da ardente ira do SENHOR.
  • 46"Não desfaleça o vosso coração, nem temais pelo rumor que se ouvir na terra; pois virá num ano um rumor, e depois em outro ano, outro rumor; e haverá violência na terra, dominador contra dominador."
  • 47"Portanto, vêm os dias em que executarei juízo sobre as imagens esculpidas da Babilônia; e toda a sua terra ficará envergonhada; todos os seus feridos cairão no meio dela."
  • 48"Então o céu e a terra, com tudo quanto neles há, se alegrarão sobre a Babilônia; pois do norte lhe virão os destruidores, diz o SENHOR."
  • 49A Babilônia cairá por causa dos mortos de Israel, assim como os mortos de toda a terra têm caído por causa da Babilônia.
  • 50"Vós, que escapastes da espada, ide, não permaneçais; desde terras longínquas lembrai-vos do SENHOR, e suba Jerusalém à vossa mente."
  • 51"Estamos envergonhados, porque fomos ofendidos; a vergonha cobriu o nosso rosto; pois estrangeiros entraram nos santuários da casa do SENHOR."
  • 52"Portanto, dias virão, diz o SENHOR, em que executarei juízo sobre suas imagens esculpidas; e os feridos gemerão por toda a sua terra."
  • 53Ainda que a Babilônia subisse ao céu, e ainda que a parte elevada de sua fortaleza fosse fortificada, assim mesmo destruidores viriam de minha parte sobre ela, diz o SENHOR.
  • 54Da Babilônia se ouvem gritos, e da terra dos babilônios, ruído de grande destruição!
  • 55"Pois o SENHOR está despojando a Babilônia e emudecendo sua poderosa voz. Bramam as ondas do inimigo como muitas águas; ouve-se o ruído da sua voz."
  • 56"Porque o destruidor veio sobre ela, sobre a Babilônia, e seus guerreiros estão presos; os seus arcos já estão despedaçados; pois o SENHOR é Deus da retribuição, ele certamente retribuirá."
  • 57"Embriagarei seus príncipes e sábios, seus governadores, magistrados e guerreiros; e dormirão um sono eterno, jamais acordarão, diz o Rei, cujo nome é SENHOR dos Exércitos."
  • 58"Assim diz o SENHOR dos Exércitos: O muro largo da Babilônia será totalmente derrubado, e suas portas altas serão incendiadas; os povos trabalharão em vão, e as nações se cansarão apenas para serem queimadas."
  • O livro das profecias deve ser lançado no Eufrates

  • 59Esta é a palavra que o profeta Jeremias mandou a Seraías, filho de Nerias, filho de Maseias, quando ia com Zedequias, rei de Judá, para a Babilônia, no quarto ano do seu reinado. Seraías era o principal dos camareiros.
  • 60Então Jeremias escreveu num livro* toda a desgraça que havia de sobrevir à Babilônia, a saber, todas estas palavras que estão escritas acerca da Babilônia.
  • 61"E Jeremias disse a Seraías: Quando chegares à Babilônia, cuida para que leias todas estas palavras;"
  • 62e dirás: Tu, SENHOR, falaste que destruirias este lugar, até que nenhum morador permanecesse, quer homem, quer animal, mas que se tornaria em ruínas para sempre.
  • 63E acabando de leres este livro, atarás uma pedra nele e o jogarás no meio do Eufrates.
  • 64E dirás: Assim a Babilônia será submergida, e não se levantará, por causa da desgraça que vou trazer sobre ela. E eles cairão. Até aqui são as palavras de Jeremias.
  • A conquista e a destruição de Jerusalém

  • 1"Zedequias tinha vinte e um anos quando começou a reinar; e reinou onze anos em Jerusalém. O nome de sua mãe era Hamutal, filha de Jeremias, de Libna."
  • 2E fez o que era mau aos olhos do SENHOR, conforme tudo o que Jeoaquim havia feito.
  • 3Chegou-se a tal ponto em Jerusalém e Judá, que, por causa da ira do SENHOR, este os expulsou da sua presença. E Zedequias rebelou-se contra o rei da Babilônia.
  • 4No nono ano do seu reinado, no décimo dia do décimo mês, Nabucodonosor, rei da Babilônia, e todo o seu exército atacaram Jerusalém, sitiaram-na e levantaram torres de assalto ao seu redor.
  • 5Assim a cidade ficou cercada até o décimo primeiro ano do rei Zedequias.
  • 6Ao nono dia do quarto mês, a fome era tão severa, que não havia comida para o povo da terra.
  • 7"Então abriu-se uma brecha no muro da cidade; e todos os guerreiros fugiram da cidade de noite, pelo caminho da porta entre os dois muros, que fica junto ao jardim do rei, enquanto os babilônios estavam ao redor da cidade; e foram pelo caminho da Arabá."
  • 8"Mas o exército babilônio perseguiu o rei Zedequias e o alcançou nas campinas de Jericó; e todo o seu exército se dispersou, abandonando-o."
  • 9Então, prenderam o rei e o levaram para Ribla, na terra de Hamate, ao rei da Babilônia, que lhe pronunciou a sentença.
  • 10"E o rei da Babilônia matou os filhos de Zedequias diante dos seus olhos; e também matou todos os chefes de Judá em Ribla."
  • 11"Então cegou os olhos de Zedequias e o acorrentou; o rei da Babilônia o levou para a Babilônia e o manteve aprisionado até o dia da sua morte."
  • 12No décimo dia do quinto mês, no décimo nono ano do rei Nabucodonosor, rei da Babilônia, Nebuzaradã, capitão da guarda, que servia ao rei de Babilônia, veio até Jerusalém.
  • 13"E queimou a casa do SENHOR e o palácio real, como também todas as casas de Jerusalém; todas as casas importantes foram incendiadas por ele."
  • 14E todo o exército babilônio, que estava com o capitão da guarda, derrubou todos os muros em volta de Jerusalém.
  • 15Nebuzaradã, capitão da guarda, levou cativos os mais pobres, o remanescente da população que havia ficado na cidade, os desertores que haviam passado para o rei da Babilônia e o restante dos artífices.
  • 16Mas Nebuzaradã, capitão da guarda, deixou que alguns entre os mais pobres da terra ficassem para serem viticultores e lavradores.
  • 17Os babilônios despedaçaram as colunas de bronze na casa do SENHOR, as bases e o tanque de bronze, que estavam na casa do SENHOR, e levaram todo o bronze para a Babilônia.
  • 18Também tomaram as vasilhas, as pás, os apagadores, as bacias, as colheres e todos os utensílios de bronze, com os quais se ministrava.
  • 19De igual modo o capitão da guarda levou os copos, os braseiros, as bacias, as vasilhas, os candelabros, as colheres e as tigelas. O que era de ouro, levou como ouro, e o que era de prata, como prata.
  • 20Quanto às duas colunas, ao tanque e aos doze bois de bronze que estavam debaixo das bases, que o rei Salomão havia feito para a casa do SENHOR, o peso do bronze de todos esses objetos era incalculável.
  • 21"A altura de cada uma dessas colunas era de dezoito côvados;* a circunferência delas era de doze côvados; a sua espessura era de quatro dedos e oca."
  • 22"E havia sobre ela um capitel de bronze; e a altura de um capitel era de cinco côvados,* com uma rede e romãs sobre o capitel ao redor, tudo de bronze; e a segunda coluna, com as romãs, tinha as mesmas coisas."
  • 23"E havia noventa e seis romãs nos lados; as romãs todas, sobre a rede ao redor, eram cem."
  • 24"O capitão da guarda levou também Seraías, o sumo sacerdote, e Sofonias, o segundo sacerdote, e os três guardas da porta;"
  • 25e levou da cidade um oficial que tinha os guerreiros sob seus cuidados e sete homens que serviam ao rei e se achavam na cidade, além do chefe dos escrivães do exército, que registrava o povo da terra, e mais sessenta homens do povo da terra, que se achavam no meio da cidade.
  • 26Nebuzaradã, capitão da guarda, pegou-os e levou-os ao rei da Babilônia, em Ribla.
  • 27E o rei da Babilônia os feriu e os matou em Ribla, na terra de Hamate. Assim Judá foi levado cativo para fora da sua terra.
  • 28"Este é o número dos que Nabucodonosor levou cativos no sétimo ano: três mil e vinte e três judeus;"
  • 29"no décimo oitavo ano de Nabucodonosor, ele levou oitocentos e trinta e dois cativos de Jerusalém;"
  • 30"no ano vinte e três de Nabucodonosor, Nebuzaradã, capitão da guarda, levou dentre os judeus setecentos e quarenta e cinco cativos; no total foram quatro mil e seiscentas pessoas."
  • 31"No vigésimo quinto dia do décimo segundo mês do trigésimo sétimo ano do cativeiro de Joaquim, rei de Judá, Evil-Merodaque, rei da Babilônia, no primeiro ano do seu reinado, libertou Joaquim, rei de Judá, e o tirou do cárcere;"
  • 32"e falou a ele com bondade e deu-lhe mais honra do que aos reis* que estavam com ele na Babilônia;"
  • 33"e lhe fez mudar as roupas de prisioneiro; e Joaquim tomou suas refeições com o rei até o final da vida."
  • 34O rei da Babilônia deu-lhe uma pensão diária, até o dia da sua morte.
1234567...5152
Versão: Almeida Século 21